JurisWay - Sistema Educacional Online
 
Kit com 30 mil modelos de petições
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Eventos
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

O princípio da força normativa da constituição, associando-o à idéia da máxima efetividade das normas com as regras de hermenêutica.


Autoria:

Lara Santos


Graduada em Direito pelo Centro de Ensino Unificado de Brasília (1996),e em Jornalismo pela Universidade de Brasília (1998). Mestra e Doutora em Direito Eclesiástico (2008). Mestra em Direito Constitucional pelo IDP - Brasília/DF.

envie um e-mail para este autor

Outros artigos da mesma área

A quem interessa a não verdade?

Fundamentos dos Direitos e Garantias Fundamentais - Correntes

A NOVA LEI DO MANDADO DE SEGURANÇA E SUAS PRINCIPAIS ALTERAÇÕES E UM POSSIVEL DESACORDO COM A LEI CONSTITUCIONAL

Deputada federal Jaqueline Roriz, a voz do povo na Lei Ficha Limpa e decisão do STF

A OBJETIVAÇÃO DO CONTROLE DIFUSO AMERICANO E SEUS REFLEXOS NO DIREITO BRASILEIRO

PEC 434/2009 E A INVESTIDURA NO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL

PODER LEGISLATIVO: CARACTERES, ESTRUTURA E COMPOSIÇÃO NOS ENTES DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL

Cobrança de taxa para expedir certidões ato inconstitucional.

Conselho Administrativo de Defesa Econômica não pode usar interceptação de comunicação telefônica como prova em processo administrativo

A MAIORIDADE PENAL E A REINCIDÊNCIA NO BRASIL

Mais artigos da área...

Resumo:

Na abordagem dos limites da interpretação, a questão das mutações constitucionais, ou seja, a alteração do sentido sem mudança de texto, verdadeira necessidade diante da natural tensão entre a constituição e a realidade constitucional.

Texto enviado ao JurisWay em 01/07/2013.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

O estabelecimento de um Estado Constitucional de Direito determina ao intérprete contemporâneo um compromisso ético e social, uma vontade de extrair do Texto Constitucional sua força normativa e sua máxima efetividade[1], com vistas à realização da justiça social material, em toda sua concretização.

            Vive-se um processo irreversível de efetivação dos direitos sociais, seja diante da realidade de exclusão social e da injusta distribuição de renda (reivindicações da esfera pública pluralista), aliadas à omissão do Poder Público, seja pela busca incessante de novos valores e de novas finalidades ao Texto Constitucional, conferindo-lhe máxima efetividade principiológica e programática (necessidade de consistência).

            Nesse contexto, a atividade jurisdicional será responsável pela abertura constitucional, permitindo a sua concretização a partir de uma interpretação pluralística da Constituição, ao trazer para o processo constitucional a participação democrática[2].

            A abertura interpretativa, no entanto, dependerá de uma fundamentação constitucionalmente adequada quanto aos seus parâmetros de aceitação e generalização, na busca de consistência jurídica e adequação social na fixação dos limites jurídicos e políticos da interpretação constitucional.

            Esses limites, segundo Gilmar Mendes, se mostram ainda mais sensíveis diante da concretização de direitos fundamentais sociais, pois, se tem como ideal interpretativo a máxima efetividade constitucional.

Por sua vez, deve-se observar, igualmente, outros cânones hermenêuticos como os princípios da unidade da Constituição, da correção funcional, da proporcionalidade ou razoabilidade, com observância da separação de poderes[3].

            Inicialmente, por questão de lógica jurídica, parte-se como limite interpretativo o próprio texto constitucional pois, como registra Hesse, temos este como verdadeiro limite infranqueável da interpretação (primado do texto), como pressuposto de função racionalizadora, estabilizadora e limitadora do poder que corresponde a Constituição[4].

            Como limites jurídicos à interpretação na jurisdição constitucional, temos o estabelecimento de métodos e princípios de interpretação, como racionalizadores do processo concretizador, reduzindo a criatividade discricionária do intérprete.   

           Coloca-nos, ainda, Canotilho, na abordagem dos limites da interpretação, a questão das mutações constitucionais, ou seja, a alteração do sentido sem mudança de texto, verdadeira necessidade diante da natural tensão entre a constituição e a realidade constitucional[5], especialmente se voltados aos direitos fundamentais sociais.

            Ainda, Inocêncio Coelho[6] registra como parâmetros de controle e legitimação da atividade hermenêutica: a consciência jurídica geral e o devido processo legal (substantivo e processual).

            Mas não bastam estabelecer os limites jurídicos à interpretação, tem-se, ainda, que se debater racionalmente, na jurisdição constitucional, os limites políticos, inerentes à sua função de Guardião da Constituição, como é o princípio da separação de poderes e o princípio democrático.

            A teoria da separação dos poderes, pensada por Montesquieu, foi extremamente relevante no período histórico de afirmação inicial dos direitos humanos e estabelecimento de garantias e limites em face do Estado.

            Atualmente, a separação rígida dos poderes perdeu sentido, na medida em que se verifica uma complementação, uma divisão de atividades, de tarefas e competências, em verdadeira harmonização.

            Reavaliando o princípio da separação de poderes, Paulo Bonavides justifica seu declínio para o surgimento de um princípio voltado à íntima cooperação, harmonia e equilíbrio, sem qualquer linha demarcatória de separação absoluta ou intransponível[7].

            Pela tradicional concepção da separação de poderes, estaria vedado ao Judiciário efetuar o controle de atos do Poder Legislativo e do Poder Executivo, por restarem amparados de intenso conteúdo político-discricionário e não jurídico-legal.

            Nesse sentido, Appio informa que o princípio da separação de poderes, que tem como fundamento a especialidade das funções do Estado, não veda o exercício, ocasionalmente, de uma determinada função não-especializada, desde que compatível com sua atividade-fim. Ao Judiciário cabe perfeitamente a interferência no exercício da atividade dos demais Poderes, na medida que é o competente para verificar a compatibilidade dessas atividades com os ditames constitucionais[8].

            Andrés Krell, em pesquisa específica sobre o tema, registra que o moderno Estado Social necessita de uma reformulação funcional dos poderes pois, na medida em que as leis deixam de ser vistas como “programas condicionais e assumem a forma de programas finalísticos, o esquema clássico da divisão dos poderes perde sua atualidade”[9].

            A separação de poderes pode, contemporaneamente, levar a uma harmonização de deveres, tarefas e complementações, na concretização dos direitos sociais pelo Poder Judiciário, em razão de sua crescente legitimidade democrática.

            Em razão da obrigatoriedade constitucional da fundamentação de suas decisões, o que lhe confere maior aceitabilidade social, verifica-se uma implementação da validade e da legitimidade democrática de todas as decisões judiciais, em especial as proferidas em sede de jurisdição constitucional[10].

            Nessa linha, a legitimação democrática do Poder Judiciário, na sua intervenção para a prestação dos direitos sociais, é abordada por Cláudio Pereira de Souza Neto, ao registrar que se considerarmos que certos direitos sociais são condições da democracia, “então o Judiciário, como seu guardião, possui também a prerrogativa de concretizá-los, quando tem lugar a inércia dos demais ramos do Estado na realização dessa tarefa” [11].

            Essa concretização, comparada ao controle de constitucionalidade, seria um minus, em que o Poder Judiciário, com legitimidade democrático-deliberativa, deve zelar para que os direitos fundamentais sejam mantidos numa esfera de intangibilidade.

            Complementando essa idéia, Nagibe de Melo Jorge Neto explica que:

“No que diz respeito especificamente às políticas públicas, o Poder Judiciário, em alguma medida, ameniza as distorções do sistema representativo, eis que alarga o debate acerca da implementação das políticas públicas e do modo de efetivá-la e possibilita uma via de pressão popular que, se não substitui os movimentos sociais organizados, atua pari passo com eles e, de certo modo, institucionaliza-os e confere-lhe força política efetiva[12].”

            Assim, a teoria da separação de poderes e o fundamento democrático podem, precisamente, justificar um posicionamento constitucionalmente adequado para a atuação do Judiciário na implementação das políticas públicas educacionais, componente do mínimo existencial[13].

            Canotilho registra, ainda, alguns limites funcionalmente limitativos no âmbito da jurisdição constitucional, a serem observados, como o princípio da autolimitação judicial e a doutrina das questões políticas; a interpretação conforme a constituição; a interpretação adequadora; a não-controlabilidade do âmbito da prognose legislativa; o princípio da congruência e o da fundamentação[14]. Tais princípios objetivam conferir racionalidade e parâmetros de adequação às decisões dos Tribunais Constitucionais, cuja competência converte-se em verdadeiro regulador político, conformador das questões políticas de grande relevância nacional.

            Todas essas questões se colocam com muita freqüência quando a jurisdição constitucional se depara com a concretização de direitos fundamentais sociais, em especial a educação fundamental, cujo tratamento constitucional diferenciado lhe permite uma maior densidade no momento da concretização.

 

        

 

 

BIBLIOGRAFIA

 

APPIO, Eduardo. Controle Judicial das Políticas Públicas no Brasil. Curitiba: Juruá, 2008.

BARCELLOS, Ana Paula de. A Eficácia Jurídica dos Princípios Constitucionais. O princípio da Dignidade da Pessoa Humana. 2ª ed. Rio de Janeiro: Renovar, 2008.

BONAVIDES, Paulo. Ciência Política. 14ª ed. São Paulo: Malheiros, 2007.

CANOTILHO, José Joaquim Gomes. Direito Constitucional e Teoria da Constituição. 7. ed. Coimbra: Almedina, 2003.

COELHO, Inocêncio Mártires. Interpretação Constitucional. 3ª ed. São Paulo: Saraiva, 2007.

CUNHA Jr, Dirley da. Curso de Direito Constitucional. Salvador: Juspodivm, 2008.

HÄBERLE, Peter. Hermenêutica Constitucional. A sociedade aberta dos intérpretes da constituição: contribuição para a interpretação pluralista e “procedimental” da constituição. Trad. Gilmar Ferreira Mendes. Porto Alegre: Sergio Antônio Fabris Editor, 2002.

HESSE, Konrad. Escritos de Derecho Constitucional. Madrid: Centro de Estudios Constitucionales, 1983.

______. A Força Normativa da Constituição. Trad. Gilmar Ferreira Mendes. Porto Alegre: Sérgio Antônio Fabris Editor, 1991.

JORGE NETO, Nagibe de Melo. O Controle Jurisdicional das Políticas Públicas. Salvador: Juspodvim, 2008.

KELSEN, Hans. Teoria pura do direito. 6ª ed. São Paulo, Martins Fontes, 1999.



[1] HESSE, Konrad. A Força Normativa da Constituição. Trad. Gilmar Ferreira Mendes. Porto Alegre: Sérgio Antônio Fabris Editor, 1991, p. 27.

[2] HÄBERLE, Peter. Hermenêutica Constitucional. A sociedade aberta dos intérpretes da constituição: contribuição para a interpretação pluralista e “procedimental” da constituição. Trad. Gilmar Ferreira Mendes. Porto Alegre: Sergio Antônio Fabris Editor, 2002, p. 48.

[3] MENDES, Gilmar Ferreira. Ibidem. p. 677.

[4] HESSE, Konrad. Escritos de Derecho Constitucional. Madrid: Centro de Estudios Constitucionales, 1983, pp. 51-52.

[5] CANOTILHO, José Joaquim Gomes. Ibidem. pp. 1230-1231.

[6] COELHO, Inocêncio Mártires. Ibidem. pp. 6 e 117.

[7] BONAVIDES, Paulo. Ciência Política. 14ª ed. São Paulo: Malheiros, 2007, p. 158.

[8] APPIO, Eduardo. Controle Judicial das Políticas Públicas no Brasil. Curitiba: Juruá, 2008, p. 149.

 

[9] KRELL, Andrés. Direitos Sociais e Controle Judicial no Brasil e na Alemanha. Porto Alegre: Sergio Antônio Fabris Editor, 2002, p. 90.

[10] COELHO, Inocêncio Mártires. Ibidem. p. 60.

[11] SOUZA NETO, Cláudio Pereira de. Fundamentação e normatividade dos direitos fundamentais: uma reconstrução teórica à luz do princípio democrático in A Nova Interpretação Constitucional: ponderação, direitos fundamentais e relações privadas – BARROSO, Luís Roberto (Organizador). 2ª ed. Rio de Janeiro: Renovar, 2006. p. 324.

[12] JORGE NETO, Nagibe de Melo. O Controle Jurisdicional das Políticas Públicas. Salvador: Juspodvim, 2008, p. 89.

 

[13] Registra Ana Paula de Barcellos que “Na linha do que se identificou no exame sistemático da própria Carta de 1988, o mínimo existencial que ora se concebe é composto de quatro elementos, três materiais e um instrumental, a saber: a educação fundamental, a saúde básica, a assistência aos desamparados e o acesso à Justiça. Repita-se, ainda uma vez, que esses quatro pontos correspondem ao núcleo da dignidade da pessoa humana a que se reconhece eficácia jurídica positiva e, a fortiori, o status de direito subjetivo exigível diante do Poder Judiciário”, in A Eficácia Jurídica dos Princípios Constitucionais: o princípio da dignidade da pessoa humana. 2ªed. Rio de Janeiro: Renovar, 2008, p. 288.

[14] CANOTILHO, José Joaquim Gomes. Ibidem. pp. 1308-1325.

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Lara Santos) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2024. JurisWay - Todos os direitos reservados