JurisWay - Sistema Educacional Online
 
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Fale Conosco
 
Email
Senha
powered by
Google  
 
 Sala dos Doutrinadores - Opinião
Autoria:

Michelle Cristina Farias
Advogada. Bacharela em Direito e Especialista em Ciências Criminais pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais - PUCMINAS. Especialista em Educação para as Relações Étnico-Raciais pela Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP.

envie um e-mail para este autor

Outras monografias da mesma área

REGULAMENTAÇÃO DA PROFISSÃO DE DIARISTA

O Acidente de Trabalho e a Responsabilidade do Empregado

OS DIREITOS HUMANOS NA VISÃO DO RAMO DO MERCADO DE TRABALHO E A EFICACIA SOCIAL E JURIDICA.

FORMAS DE SOLUÇÃO DE CONFLITO NO DIREITO DO TRABALHO COM O ADVENTO DA LEI 13.467/2017: ARBITRAGEM E ACORDO EXTRAJUDICIAL.

Exploração por partidos políticos de crianças e adolescentes em campanhas eleitorais- uma forma contemporânea de trabalho escravo

Horas Extras além da Sexta e além da Oitava para os Bancários

A Administração Pública e o Dilema da Responsabilidade na Terceirização

LIMITE DO JUS VARIANDI - REVISTA INTIMA DO TRABALHADOR

Da Inaptidão no Ato Demissional

TERCEIRIZAÇÃO DA ATIVIDADE-FIM: O ENQUADRAMENTO SINDICAL E A CATEGORIA DIFERENCIADA À LUZ DA SÚMULA 374 DO TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO.

Todas as monografias da área...

Monografias Direito do Trabalho

Igualdade de Salários

Texto desenvolvido no ano de 2014 para a disciplina Políticas Públicas, Gênero e Raça - Relações Desiguais de Gênero, da Especialização em Educação para as Relações Étnico-Raciais /Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP.

Texto enviado ao JurisWay em 28/07/2016.

indique está página a um amigo Indique aos amigos

Desde os primórdios houve-se falar nas diferenças biológicas entre homens e mulheres. Nas sociedades primitivas aos homens eram confiados a caça e a pesca e à mulher a plantação e colheita dos frutos. Na Idade Média, a agricultura, os trabalhos de tapeçaria e vestuário continuam a pesar sobre os ombros das mulheres. No Renascimento, as mulheres foram entregues ao trabalho em domicílio, o que chamamos hoje de trabalho doméstico. Em seguida, no período da Revolução Industrial, por ser mais eficiente e compromissada a mão de obra da mulher foi solicitada na indústria têxtil, por ser a mulher considerada mais “dócil” e “demandar poucas despesas”.

Tais diferenças acabaram por gerar distinções que dividiram tanto o trabalho como o comportamento social entre os sexos, fazendo com que o trabalho da mulher se tornasse “mão de obra barata”.

Com o passar dos tempos o trabalho da mulher tornou-se objeto de regulamentação de organismos internacionais, que visavam evitar uma concorrência injusta no mercado de trabalho, principalmente no âmbito internacional1.

A ação internacional tratou do caráter tutelar, principalmente no que tange ao ciclo gravídico-puerpal2 e impôs restrições ao trabalho da mulher, principalmente no que tange as atividades insalubres, perigosas e penosas, onde se inclui o trabalho noturno nas indústrias3, em regime de horas extras e com pesos.

Estas normas, com o passar dos anos, equilibraram de certa forma, a relação desproporcional existente entre o trabalho feminino e masculino, trazendo elementos que proporcionaram uma melhor paridade entre os sexos nas relações laborais4.

Nos dias contemporâneos, o trabalho da mulher ganhou notória ascensão, porém as mulheres ainda enfrentam muitas dificuldades em vários aspectos, principalmente a igualdade salarial entre homens e mulheres, que está prevista nos art. 5º, caput e inciso I, bem como no art. 7º, inciso XXX, todos da Constituição Federal de 1988 (CF/88).

Com o advento da Lei 9.799/99, que trouxe regras sobre o acesso da mulher ao mercado de trabalho - regulamentando a duração, as condições e proibindo a discriminação a mulher no mercado de trabalho - tivemos uma pequena melhora, mas, ainda assim, as diferenças no tratamento do trabalho desenvolvido por mulheres, em relação ao trabalho desenvolvido por homens, são enormes.

Além da diferença no tratamento do trabalho desenvolvido por homens e mulheres, o que se extrai dos dias atuais é que mesmo com os avanços legislativos a mulher continua trabalhando de forma excessiva, em muitos casos com jornadas exaustivas, desenvolvendo trabalhos com graus de dificuldades técnicas superiores, possuem, em muitos casos a mesma idade e nível de instrução, mas mesmo assim continuam a receber salários bem inferiores que os homens.

O Brasil apresenta um dos maiores níveis de disparidade salarial, sendo que os homens ganham aproximadamente 30% a mais que as mulheres de mesma idade e nível de instrução.Ainda que possua mais anos (quantidade) de estudos que os homens, a mulher ainda é tratada como mão de obra barata e desqualificada, e tudo isso se dá devido a imensa dificuldade que encontramos para desconstruir a cultura misógina enraizada em nossa cultura patriarcal ao longo dos anos.

Um dos maiores desafios do país é a implementação de políticas públicas que visem aumentar e qualificar o nível educacional das mulheres e oferecer condições, (tais como, creches para que elas possam deixar os filhos no período laboral) permitindo então a redução das disparidades salariais entre homens e mulheres.

Além disso, no âmbito familiar e doméstico, faz-se necessário uma maior conscientização dos homens no âmbito da divisão de tarefas domésticas, na criação dos filhos etc., pois, além das questões que aludem ao trabalho externo, as mulheres sofrem ainda com a dupla, e em muitos casos tripla jornada de trabalho (pois muitas trabalham fora, trabalham em casa e estudam).

Cabe ainda, aos governos Federais, Estaduais, Municipais, e aos seus órgãos de fiscalização, trabalhar para que ocorra uma eficaz fiscalização no cumprimento das normas do trabalho da mulher, e se for o caso, aplicar a devida punição as empresas que ainda se propõem a discriminar o trabalho da mulher, principalmente no que tange as verbas salariais. Só assim poderemos alcançar um patamar igualitário e civilizatório nas relações de trabalho no país.

 

1 Cf., a propósito, o Protocolo de Berlim, de 1890, a Convenção de Berna, de 1906, e as Convenções n. 3 e 103 da OIT (proteção à maternidade); n. 4, 41, 89 e Protocolo 90 (trabalho noturno); n. 156 (responsabilidades familiares); n. 100 e 111 (sobre igualdade de salário e de oportunidades no emprego ou profissão).

2 Convenções n. 3, 103 e 183 da OIT – Organização Internacional do Trabalho.

3 Convenções n. 4, 41 e 89 da OIT – Organização Internacional do Trabalho.

 

4 BARROS, Alice Monteiro de. Curso de Direito do Trabalho. 7ª Edição. São Paulo, LTR. P. 854. 

Importante:
1 - Todos os artigos podem ser citados na íntegra ou parcialmente, desde que seja citada a fonte, no caso o site www.jurisway.org.br, e a autoria (Michelle Cristina Farias).
2 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, idéias e conceitos de seus autores.

indique está página a um amigo Indique aos amigos

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
 

Institucional

O que é JurisWay
Por que JurisWay?
Nossos Colaboradores
Profissionais Classificados
Responsabilidade Social no Brasil



Publicidade

Anuncie Conosco



Entre em Contato

Dúvidas, Críticas e Sugestões



Seções

Cursos Online Gratuitos
Vídeos Selecionados
Provas da OAB
Provas de Concursos
Provas do ENEM
Dicas para Provas e Concursos
Modelos de Documentos
Modelos Comentados
Perguntas e Respostas
Sala dos Doutrinadores
Artigos de Motivação
Notícias dos Tribunais
Notícias de Concursos
JurisClipping
Eu Legislador
Eu Juiz
É Bom Saber
Vocabulário Jurídico
Sala de Imprensa
Defesa do Consumidor
Reflexos Jurídicos
Tribunais
Legislação
Jurisprudência
Sentenças
Súmulas
Direito em Quadrinhos
Indicação de Filmes
Curiosidades da Internet
Documentos Históricos
Fórum
English JurisWay



Áreas Jurídicas

Introdução ao Estudo do Direito
Direito Civil
Direito Penal
Direito Empresarial
Direito de Família
Direito Individual do Trabalho
Direito Coletivo do Trabalho
Direito Processual Civil
Direito Processual do Trabalho
Condomínio
Direito Administrativo
Direito Ambiental
Direito do Consumidor
Direito Imobiliário
Direito Previdenciário
Direito Tributário
Locação
Propriedade Intelectual
Responsabilidade Civil
Direito de Trânsito
Direito das Sucessões
Direito Eleitoral
Licitações e Contratos Administrativos
Direito Constitucional
Direito Contratual
Direito Internacional Público
Teoria Econômica do Litígio
Outros



Áreas de Apoio

Desenvolvimento Pessoal
Desenvolvimento Profissional
Língua Portuguesa
Inglês Básico
Inglês Instrumental
Filosofia
Relações com a Imprensa
Técnicas de Estudo


Copyright (c) 2006-2019. JurisWay - Todos os direitos reservados