JurisWay - Sistema Educacional Online
 
JurisWay - Novo CPC com Certificado
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
 

Endosso e Aval


Autoria:

Karl Heinz Weiss Pereira


Graduado em Ciências Jurídicas pela Faculdade de Direito de São Bernardo do Campo em 2009. Advogado militante.

envie um e-mail para este autor

Outros artigos da mesma área

A (IN) CONSTITUCIONALIDADE DA DECRETAÇÃO DE FALÊNCIA DE OFÍCIO PELO JUÍZO DA RECUPERAÇÃO JUDICIAL

EMPRESAS INDIVIDUAIS DE RESPONSABILIDADE LIMITADA E A SUPRESSÃO DO PRINCÍPIO DO "AFFECTIO SOCIETATIS" NO DIREITO EMPRESARIAL - VANTAGEM OU PREJUÍZO AO EMPRESÁRIO?

ETAPAS DO PROCESSO FALIMENTAR - Lei 11.101 de 09 de fevereiro de 2005

A eficiência da arbitragem como forma de solução alternativa de conflitos societários

DESCONSIDERAÇÃO DA PERSONALIDADE JURIDICA NAS RELAÇÕES DE CONSUMO, NA ÓTICA DO DIREITO EMPRESARIAL

Os efeitos da falência quanto aos contratos do falido

Regras gerais sobre o aval

ORIGEM DA SOCIEDADE ANÔNIMA NO BRASIL E ALGUMAS CONSIDERAÇÕES:

Contrato social e sustentabilidade societária

A INCONSTITUCIONALIDADE DA CLASSIFICAÇÃO DOS CRÉDITOS TRABALHISTAS NA FALÊNCIA.

Mais artigos da área...

Texto enviado ao JurisWay em 15/10/2010.

Última edição/atualização em 18/10/2010.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

Endosso

 

É o ato cambiário pelo qual o credor de título nominativo transmite os seus direitos a terceiros. É lançado no título sob a forma de assinatura do credor originário.

 

Quem endossa é chamado de endossante e quem recebe é endossatário.

O endosso vincula o endossante ao endossatário, tornando o endossante co-devedor do título.

O número de endossos é ilimitado pela regra dos títulos de crédito, mas há uma limitação no cheque, devido a uma Medida Provisória, se o endosso for em preto.

 

O endosso pode ser:

a)    Em branco: não identifica o endossatário, e pode circular por tradição;

 

b)    Em preto: identifica o endossatário, de qualquer forma (nome, RG, CPF).

 

a)    Endosso próprio: transfere o título de crédito e o direito contido no título de crédito.

 

b)    Endosso impróprio: transfere somente a posse do título, mas não o crédito. Este divide-se em 2 espécies:

§ Endosso mandato: o endossatário é mandatário do endossante. Ex: banco que recebe os títulos de crédito para fazer a cobrança. Nele, deverá ser escrito: pague-se em procuração, pois deve estar identificado como título impróprio, para não ser confundido com o endosso próprio.

§ Endosso caução: é aquele no qual o título de crédito é dado em garantia. Prática corriqueira de empresa que pega o valor da duplicata do banco, antes do seu vencimento e deixa a duplicata como garantia. Enquanto for caução, o banco não será seu credor a não ser que ela não seja paga. Nele deverá ser escrito: pague-se em garantia.

 

Parte da doutrina cita uma outra espécie de endosso, que é o endosso póstumo, que é o endosso praticado em um título já prescrito, mas para o professor isso não é endosso porque o título prescrito é só um papel, e não produz os efeitos do endosso. Se ele já está prescrito, ele não mais é regido pelo direito cambiário, ele é apenas uma cessão civil de crédito, e por isso será regulado pelo direito civil, e pode ser cobrado por ação de cobrança (monitória) art. 1102, ‘a’, CC.

 

Aval

 

Aval é uma garantia típica dos títulos de créditos. É uma garantia pessoal (não real), mas isto não quer dizer que refere-se a apenas uma pessoa.,

 

Avalista é quem presta aval, também chamado de dador de aval. O beneficiado do aval é o avalisado.

 

Principais diferenças entre aval e fiança:

 

-   Aval é regulado pelo Direito Cambiário;

-   Fiança pelo Direito Civil.

 

-   Aval é obrigação autônoma;

-   Fiança é sempre acessória.

-    

-   Aval não tem benefício de ordem;

-   Fiança tem beneficio de ordem.

 

-   Se a obrigação for nula, o aval é válido por ser obrigação autônoma.

-   Se a obrigação for nula a fiança é nula.

Portanto, a dica é: NUNCA SEJA FIADOR! Mas se vc não tiver escolha, e puder escolher entre ser fiador ou avalista, seja fiador!

 

Até a vigência do Antigo Código Civil,  havia outra diferença, exigia-se a outorga uxória. Hoje existe a outorga conjugal conforme art. 1647, III, CC: Ressalvado o disposto no art. 1.648, nenhum dos cônjuges pode, sem autorização do outro, exceto no regime da separação absoluta:

III - prestar fiança ou aval;

 

Pelas regras gerais dos títulos de crédito a outorga não é compatível com o aval.  Aval é garantia típica dos títulos de créditos.

 

No capítulo relativo aos títulos de crédito art. 903, CC. “Salvo disposição diversa em lei especial, regem-se os títulos de crédito pelo disposto neste Código”. Só se usa o CC se não tiver lei especial ou conflito de normas.

 

Espécies de aval

 

a)    Aval em branco: não identifica o avalisado. Presume-se do sacador, presunção esta relativa, pois tem casos em que o sacador é credor.

b)    Aval em preto: identifica o avalisado.

 

c)    Aval parcial: art. 897, § único, CC. “é vedado aval parcial”. Temos expresso  pelo CC  que é vedado o aval parcial. Porém, na lei especial é permitido o aval especial, e essa é a regra que vale (903 do CC).

 

d)    Aval simultâneo: mais de um avalista garante a obrigação de um único avalisado. Em termos de direito de regresso, no simultâneo, eu só posso acionar o devedor principal pela totalidade. Se eu quiser acionar os co-devedores, eu tenho que acionar pela cota parte.

 

Aval sucessivo: quando um avalista garante o cumprimento da obrigação de avalista anterior. Em termos de regresso, quando um avalista sucessivo cumpre a obrigação, pode cobrar em regresso a totalidade do devedor principal ou a totalidade dos demais.

 

Avalista posterior não tem direito a regresso.

 

O devedor principal sempre poderá ser cobrado e o credor pode cobrar de qualquer um no título, pois não há benefício de ordem.

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Karl Heinz Weiss Pereira) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2014. JurisWay - Todos os direitos reservados