JurisWay - Sistema Educacional Online
 
É online e gratuito, não perca tempo!
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

Sobre os pactos arbitrais: a cláusula compromissória e o compromisso arbitral


Autoria:

Rafael Da Silva Glatzl


Graduando em Direito pela Universidade Federal de Juiz de Fora. Monitor da disciplina Direito Penal I para o ano letivo de 2012. Pesquisador voluntário (graduando) junto ao Núcleo de Estudos sobre Violência e Políticas de Controle Social/UFJF.

envie um e-mail para este autor

Outros artigos da mesma área

DIREITO INTERNACIONAL DOS CONFLITOS ARMADOS NO CONTEXTO DA GUERRA CIVIL NA COSTA DO MARFIM

Refugiados no Brasil

A IMPORTÂNCIA DA LEGITIMIDADE NO PROCESSO DE INTEGRAÇÃO SUL-AMERICANO.

DA LEGITIMIDADE DAS INTERVENÇÕES HUMANITÁRIAS INTERNACIONAIS E DO DIREITO A DEMOCRACIA - NOTAS SOBRE A PRIMAVERA ÁRABE

Reflexos do Protocolo de Kyoto no Direito Ambiental Internacional

CONTROLE DE CONVENCIONALIDADE NO DIREITO BRASILEIRO, NOS MOLDES EMANADOS PELA CORTE I.D.H.

Eleição de foro em contratos internacionais pautado nas relações humanas e jurisdicionais.

A INEXISTÊNCIA DE CONFLITO ENTRE O ESTATUTO CONSTITUTIVO DO TRIBUNAL PENAL INTERNACIONAL E A CONSTITUIÇÃO BRASILEIRA NO TOCANTE À ENTREGA DE NACIONAIS

A JUSTICIALIZAÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS COM ÊNFASE NO TRIBUNAL PENAL INTERNACIONAL

NEGÓCIOS INTERNACIONAIS

Mais artigos da área...

Resumo:

O presente artigo buscará, de forma breve e concisa, esclarecer as distinções havidas entre as duas formas de convenção arbitral presentes à Lei Marco Maciel ou 9307/96, a fim de que se facilite ao leitor o importante entendimento do juízo arbitral.

Texto enviado ao JurisWay em 17/01/2013.

Última edição/atualização em 22/01/2013.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

Faz-se mister evidenciar inicialmente que, não importando a denominação ou como se dê o início do juízo arbitral, a arbitragem possui caráter plenamente jurisdicional e equivalente ao do Estado-Juiz, prevalecendo em relação à sua origem, um caráter contratualista, de natureza privada , resultante da vontade das partes em compor o conflito de interesses de maneira alternativa, o que a diferencia da natureza pública da prestação estatal. Possui a mesma finalidade, que é a da pacificação social, mas se limita ao exercício do Iudicium, reservando ao juízo estatal o poder de imperium e o monopólio da coertio. Então, é de maneira evidente um justo e válido equivalente jurisdicional.

Quanto às referidas modalidades de convenção arbitral, partiremos da definição que nos é dada pelos artigos 4 e 9 da Lei da Arbitragem, temos inicialmente as definições legais para cada um dos conceitos , que são as seguintes :

Art. 4º A cláusula compromissória é a convenção através da qual as partes em um contrato comprometem-se a submeter à arbitragem os litígios que possam vir a surgir, relativamente a tal contrato.

Art. 9º O compromisso arbitral é a convenção através da qual as partes submetem um litígio à arbitragem de uma ou mais pessoas, podendo ser judicial ou extrajudicial.

Em um primeiro momento, nota-se que o momento de formação e o objeto-interesse de cada um desses “pactos arbitrais” são divergentes.

Como se vê na caracterização da cláusula compromissória, esta é voltada para a resolução de possíveis litígios que venham a ocorrer em um futuro incerto, e designa uma intenção das partes de resolver tais disputas futuras por meio da arbitragem , o que lhe propicia como característica, segundo Fiúza , ser de caráter genérico e aleatório. Sua incidência e eficácia, portanto, são condicionadas ao havimento de uma controvérsia dinamizada que venha a acometer a relação contratual anteriormente pacífica entre as partes, com a diferença de que, ao invés de seguir o procedimento convencional de resolução de lides, qual seja o que passa pela jurisdição estatal, a questão é submetida a um tribunal arbitral.

O compromisso arbitral, por outro lado, se volta para a pacificação de um conflito de interesses atual e específico, um litígio já existente. As partes interessadas estabelecem o objeto do litígio e buscam a arbitragem para resolvê-lo, subtraindo a competência da autoridade judiciária normalmente competente para a solução do conflito, nos termos do art. 9, § 1 da Lei da Arbitragem, ocorrendo quanto já está em tramitação o processo sem que a matéria.

A cláusula compromissória pode ser reconhecida de ofício pela autoridade judicial, enquanto que o compromisso arbitral requer que haja a provocação das partes, conforme Art. 301, § 4 do CPC.

Aí se evidenciam as principais diferenças entre os dois conceitos presentes na Lei da Arbitragem. O objetivo maior da cláusula compromissória então é a escolha da arbitragem como a forma de dirimir possíveis desavenças, regra geral, não pode por si só desencadear o processo de arbitragem, necessitando para tal do compromisso arbitral. Porém, de acordo com seu conteúdo, é importante lembrar que esta pode ser classificada como cheia ou vazia. A vazia traz somente a obrigação das partes de submeter o conflito futuro à apreciação de um juízo arbitral; já a cheia traz em seu bojo também as regras necessárias à instituição da arbitragem, dispensando a existência de um compromisso futuro entre as partes, se fazendo valer também como compromisso entre as partes para a produção futura de todos os seus efeitos.

Ambas se fazem de forma solene, escrita. A validade da cláusula compromissória, por exemplo, somente se dá quando esta é estipulada por escrito no contrato, por se tratar de uma renúncia de direitos, O compromisso arbitral segue a mesma lógica, seja em sua forma judicial, quando se celebra termo nos autos perante o juízo ou tribunal onde o processo se encontra em trâmite , seja em sua forma extrajudicial, quando é celebrado em escrito particular fora do processo.

Demais características que tratam de especificidades se encontram explicitadas nos demais artigos do capítulo II – Da Convenção de Arbitragem e seus Efeitos, da referida Lei n 9307/96, como a necessidade de se buscar previamente a conciliação, sempre que possível; o procedimento a ser realizado pelo juiz quando da ausência de uma das partes; a autonomia da cláusula compromissória em relação ao contrato em que está inserta, sendo necessária discussão específica quanto à existência da convenção de arbitragem em peça processual diversa da que provocou a nulidade do contrato; e os requisitos para que sejam considerados válidos o compromisso arbitral e os motivos de sua extinção.

Bibliografia:

AZEVEDO, Álvaro Villaça. Arbitragem. São Paulo, Revista dos Tribunais, n. 753, p. 11-23, 1998.

CARMONA, Carlos Alberto. A arbitragem no processo civil brasileiro. São Paulo: Malheiros, 1993.

CARREIRA ALVIM, José Eduardo. Direito arbitral. 3.ed. Rio de Janeiro: Forense, 2007.

CINTRA, Antônio Carlos de Araújo; GRINOVER, Ada Pellegrini; DINAMARCO, Cândido. Teoria geral do

processo. 25.ed. São Paulo: Malheiros, 2009.

COUTURE, Eduardo. Fundamentos del derecho procesal civil. 14.ed. Buenos Aires: Depalma, 1988.

MARINONI, Luiz Guilherme / ARENHARDTSérgio Cruz.. Manual do processo de conhecimento4ª ed. revista, atualizada e ampliada. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2005

 MAZZUOLI, Valério de Oliveira. Curso de Direito Internacional Público.São Paulo: Revista dos Tribunais. 2010.

MORAES, Alexandre. Direito constitucional. 23.ed. São Paulo: Atlas, 2008.

NERY JR., Nelson. Princípios do processo civil na Constituição Federal. São Paulo: RT, 1994.

TEIXEIRA, Sálvio de Figueiredo. Arbitragem no sistema jurídico brasileiro. Revista dos Tribunais, v. 735.

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Rafael Da Silva Glatzl) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2019. JurisWay - Todos os direitos reservados