JurisWay - Sistema Educacional Online
 
Kit com 30 mil modelos de petições
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Eventos
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

ABUSIVIDADE DE JUROS


Autoria:

Antonio Carregro


Contador Bacharél em Ciências Contábeis Faculdades Integradas Santos Antonio São Paulo - SP

envie um e-mail para este autor

Resumo:

Temos percebido em nossos trabalhos de análise de contratos de empréstimos e financiamentos uma série de incompatibilidades entre os procedimentos adotados pela aplicação da Tabela Price na projeção das parcelas e a Legislação Brasileira.

Texto enviado ao JurisWay em 25/12/2012.

Última edição/atualização em 31/12/2012.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

 INCOMPATIBILIDADE DA TABELA PRICE

Temos percebido em nossos trabalhos de análise de contratos de empréstimos e financiamentos uma série de incompatibilidades entre os procedimentos adotados pela aplicação da Tabela Price na projeção das parcelas e a razoabilidade do que seria um pagamento de juros justo para o devedor.

Primeiro entendemos que o sistema de cálculo de juros para estabelecer a parcela a ser paga, deveria ser aprovado através de um diploma legal que desse amparo para aquele procedimento, coisa que não vislumbramos até agora. Afinal de contas, o endividamento da população é um problema social e não a vontade de um Banco e um Devedor isoladamente.

Outros problemas que verificamos na adoção da Tabela Price seguem o que estamos descrevendo abaixo:

1 – ABUSIVIDADE DE JUROS

A abusividade de juros é um problema sério para se provar, tendo em vista que não há uma mensuração do que é abusivo e na “caixa preta” das cláusulas contratuais, fica impossível (ou quase impossível) de se provar a abusividade.

Este assunto é tratado no Código de Defesa do Consumidor em seus Artigos 39 e 51, como segue:

 

Artigo 39 - Inciso V

“Art. 39- É vedado ao fornecedor de produtos ou serviços:

V - exigir do consumidor vantagem manifestamente excessiva;”

 

Artigo 51 - Inciso IV

 

“Art. 51- São nulas de pleno direito, entre outras, as cláusulas contratuais relativas ao fornecimento de produtos e serviços que:

IV- estabeleçam obrigações consideradas iníquas, abusivas, que coloquem o consumidor em desvantagem exagerada, ou sejam incompatíveis com a boa-fé ou a eqüidade;”

 

Sobre este assunto inúmeras são as decisões dos Tribunais entre as quais destacamos o ACÓRDÃO do Tribunal de Justiça do Estado do Rio Grande do sul,  cujo número verificador na internet é 7004339683720111422361, através do Site: http://www.tjrs.jus.br/site_php/assinatura, do Excelentíssimo Ministro relator o DES. JOÃO MORENO POMAR, de onde tiramos o seguinte ensinamento:

 

“Fls. 167 – É lógico, segundo análise isolada dos critérios estabelecidos no Código de Defesa do Consumidor, que constatado o abuso na contratação, os juros remuneratórios deveriam ser limitados ao percentual de 12% ao ano. No entanto, extrai-se da Súmula 382 do STJ que para se configurar a cláusula abusiva não basta apenas que os juros remuneratórios tenham sido fixados em percentual superior a 12%. É imprescindível que haja exorbitância, assim configurada em pacto capaz de colocar o consumidor em desvantagem exagerada frente à instituição financeira.”

 

Assim sendo, adotamos para análise, um caso verídico de nosso trabalho, que passamos a analisar abaixo.

 

1.1 – Custo de Captação do Dinheiro

A referência do custo do dinheiro para a captação é a Taxa Selic, de acordo com análise do Dr Eduardo Fortuna em seu Livro Mercado Financeiro – 17ª Edição, fls. 131, como segue:

“A taxa Selic voltou a ter a sua função de taxa básica referencial do sistema financeiro, com todos os seus atributos originais, a partir da extinção, em 05/03/99, das TBC e Tban.”

Também a Resolução Bacen 3.516 em seu art. 2º - II – a - § 2º ao tratar do valor presente estabelece que: “§ 2º  O spread mencionado neste artigo deve corresponder  à diferença  entre a taxa de juros pactuada no contrato e a taxa Selic apurada na data da contratação.”, confirmando que a Taxa Selic é a referência do custo de captação.

Na data da assinatura do contrato, a Taxa Selic era a seguinte:

 

Descrição

%

 

 Taxa Selic do mês de março/2010

0,76%

 

Esta é, portanto, a base de custo da captação do dinheiro pelo Banco.

 

1.2 – O Lucro do Banco pela Lei 1.521

 

O lucro do Banco, de acordo com a Lei 1.521 em seu Art. 4°, letra “b” é calculado tendo por base o custo da captação do dinheiro no mercado, como segue:

 

“Art. 4º. Constitui crime da mesma natureza a usura pecuniária ou real, assim se considerando:

b) obter, ou estipular, em qualquer contrato, abusando da premente necessidade, inexperiência ou leviandade de outra parte, lucro patrimonial que exceda o quinto do valor corrente ou justo da prestação feita ou prometida.”

 

Portanto, o lucro do Banco deve ter por base 20% do seu custo de captação do dinheiro no mercado, estando assim esta formação:

 

Descrição

%

Acréscimo

 

 

 Custo de captação do dinheiro

0,76%

 

(+) Lucro pela Lei 1.521 - 20%

0,15%

20,00%

(=) Taxa com Lucro do Banco

0,91%

 

 

Neste caso, a taxa de 0,91% ao mês estaria remunerando razoavelmente o Banco neste contrato.

 

1.3 – Juro Médio Bacen

 

O Banco Central do Brasil divulga, mensalmente, as taxas médias praticadas pelos Bancos e assim comenta no rodapé das taxas:

“Fonte: Instituições financeiras

 

Obs.:
1) As taxas efetivas mês resultam da capitalização das taxas efetivas-dia pelo número de dias úteis existentes no intervalo de 30 dias corridos, excluindo-se o primeiro dia útil e incluindo o último. Caso a data final seja dia não útil, será considerado o próximo dia útil subsequente.”

Fonte: http://www.bcb.gov.br/fis/taxas/htms/01701201.asp?idpai=TXCREDIF

 

Portanto, a taxa média Bacen já contempla as taxas capitalizadas (efetivas-dia), de todas as instituições financeiras que atuam nessa modalidade de crédito.

A taxa para o mês do contrato foi de 1,78%, com a seguinte lucratividade em relação à taxa de captação:

 

Descrição

%

Lucro

Lei 1.521

 

   

 Custo de captação do dinheiro

0,76%

   

(+) Lucro pela taxa Bacen

1,02%

134,21%

6,71

(=) Taxa Média Bacen

1,78%

 

 

 

A taxa média praticada por todos os bancos indica para um lucro de 134,21%, o que corresponde a 6,71 vezes o estabelecido pela Lei 1.521.

Esta lucratividade já está muito acima do lucro do comércio que gira em torno de 40% a 50%, para garantir a manutenção da empresa num mercado competitivo.

 

1.4 – Taxa de Contrato

 

Entretanto, o Banco estabeleceu uma taxa de juros de 1,93% ao mês resultando no seguinte acréscimo em relação à taxa de captação:

 

Descrição

%

Acréscimo

Lei 1.521

 

   

 Custo de captação do dinheiro

0,76%

   

(+) Taxa adicional

1,17%

153,95%

7,70

(=) Taxa de Contrato

1,93%

 

 

 

Ao estabelecer a taxa de juros de contrato o Banco adicionou uma sobretaxa de 1,17% ao mês, que corresponde a um lucro de 153,95%, representando 7,70 vezes a determinação da Lei 1.521.

 

1.5 – Taxa da Tabela Price

 

Para chegarmos ao valor da parcela de contrato, tivemos que utilizar uma taxa nominal para a Tabela Price, acima da taxa de contrato, como abaixo destacado:

 

Descrição

%

Acréscimo

Lei 1.521

 

   

 Custo de captação do dinheiro

0,76%

   

(+) Taxa adicional

1,22%

160,53%

8,03

(=) Taxa da Tabela Price

1,98%

 

 

 

Neste caso o lucro do Banco passou para 160,53% em relação à taxa de captação dos recursos, representando 8,03 vezes o lucro estabelecido pela Lei 1.521.

 

O Código de Defesa do Consumidor em seu art. 39, item XIII, assim conceitua a prática abusiva de taxas de reajuste:

 

 “DAS PRÁTICAS ABUSIVAS

Art. 39 - É vedado ao fornecedor de produtos ou serviços, dentre outras práticas abusivas:

XIII - aplicar fórmula ou índice de reajuste diverso do legal ou contratualmente estabelecido;” (grifo nosso)

 

Neste caso, a taxa de contrato foi de 1,93%, entretanto a taxa para a cobrança ficou em 1,98%, portanto, acima da taxa de contrato.

1.6 – Lucro pela Capitalização dos Juros

 

A legislação brasileira admite a capitalização de juros após a inadimplência, senão vejamos:

 

Decreto 22.626, de 07/04/1933 - Conceito de Capitalização

 

“Art. 4 - É proibido contar juros dos juros: esta proibição não compreende a acumulação de juros vencidos aos saldos líquidos em conta corrente de ano a ano.” (grifo nosso)

 

Veja que a legislação ADMITE a capitalização, porém quando houver inadimplência, por isso ela diz “juros vencidos”, isto é, juros não pagos após o vencimento da parcela, nunca antes.

 

Muito embora o Decreto 22.626 fala “de ano a ano”, a MP 2.170-36, de 23/08/2001 reduz este prazo, como segue:

 

“Art. 5o  Nas operações realizadas pelas instituições integrantes do Sistema Financeiro Nacional, é admissível a capitalização de juros com periodicidade inferior a um ano.”

 

Veja que a MP fala em capitalização com periodicidade inferior a um ano, mas não altera a condição de capitalização que é somente após a inadimplência, de acordo com o Decreto 22.626.

 

A Tabela Price capitaliza os juros por período mensal e na assinatura do contrato, portanto, antes do vencimento. Este processo transfere ao consumidor o ônus da capitalização mesmo ele pagando as parcelas nos seus respectivos vencimentos, como demonstrado em: http://www.reduzindojuros.com.br/Anexo2.pdf

 

No demonstrativo abaixo podemos analisar o custo adicional quando os juros são capitalizados:

 

Descrição

Parcela 1

Parcela 60

 

 

 

 Custo de captação do dinheiro

0,76%

0,76%

 (+) Taxa adicional

2,98%

2,27%

 (=) Taxa capitalizada

3,74%

3,03%

 (=) Lucro

391,81%

299,11%

 

Veja que a capitalização apresenta lucratividade diversificada ao longo dos pagamentos, partindo de um lucro de 391,81% sobre o custo de captação na primeira parcela para 299,11% na última parcela.

 

O Banco terá o menor lucro (mesmo assim exorbitante), quando o devedor pagar todo o contrato.

 

Qualquer interrupção antes de paga a última parcela, quer seja por quitação do contrato, por assinatura de aditamento ou por vencimento antecipado, acarretará ao devedor um custo ainda maior que a própria taxa capitalizada.

 

Além da função da Tabela Price, de auferir lucros acima dos juros simples, também contribui para um maior enriquecimento quando o contrato for interrompido.

 

Este lucro obtido pelo Banco, muito embora possa parecer satisfatório para remunerar seus acionistas, com certeza estará muito acima do lucro razoável para não penalizar o seu devedor.

 

Por todo o exposto, fica claro que houve um excesso de lucro do Banco não só ao estabelecer a taxa de juros de contrato como ao utilizar a Tabela Price para a projeção das parcelas.

 

2 – INCOMPATIBILIDADE NA FORMAÇÃO DOS JUROS

 

A Tabela Price, além de produzir uma excessiva elevação do lucro do Banco, também produz outra incompatibilidade.

 

Nos cheques especiais a capitalização ocorre na medida que ele utiliza os recursos, isto é, no fechamento de um mês calcula-se os juros que são capitalizados em seguida, e assim por diante.

 

A capitalização pela Tabela Price ocorre ao contrário, isto é, do final para o início do contrato, conflitando com a formação dos juros, de acordo com o Professor Dr José Dutra Vieira Sobrinho que em seu livro Matemática Financeira, 7ª edição, fls. 19, assim nos ensina:

 

 “Juro é a remuneração do capital emprestado, podendo ser entendido, de forma simplificada, como sendo o aluguel pago pelo uso do dinheiro.” (grifo nosso)

 

O que faz a Tabela Price é capitalizar a taxa de juros do final para o início do contrato, incidindo sobre o período em que o dinheiro ainda não foi utilizado, vide item 8 de: http://www.reduzindojuros.com.br/Anexo1.pdf

 

3 – REDUÇÃO PROPORCIONAL DOS JUROS

 

O Código de Defesa do Consumidor, ao tratar do pagamento antecipado da dívida, assim estabelece em seu artigo 52, §:

 

“§ - É assegurada ao consumidor a liquidação antecipada do débito, total ou parcialmente, mediante redução proporcional dos juros e demais acréscimos.”

 

O pagamento antecipado se assemelha à interrupção do contrato também por vencimento antecipado.

 

Em: http://www.reduzindojuros.com.br/Anexo2.pdf, na coluna 14, pode-se verificar que os juros são cobrados sempre em maior taxa da primeira parcela para as demais. Neste caso nunca haverá uma média de juros a ser descontada do saldo devedor, caso o contrato seja interrompido antes do seu vencimento, pela liquidação antecipada.

 

4 – O MOMENTO DE CAPITALIZAR

 

A capitalização de juros, ao ser admitida pela legislação brasileira teve por objetivo não prejudicar o credor em função da inadimplência do devedor, como veremos a seguir:

Decreto 22.626, de 07/04/1933 - Conceito Capitalização

 

“Art. 4 - É proibido contar juros dos juros: esta proibição não compreende a acumulação de juros vencidos aos saldos líquidos em conta corrente de ano a ano.” (grifo nosso)

 

Veja que a legislação ADMITE a capitalização, porém quando houver inadimplência, por isso ela diz “juros vencidos”, isto é, juros não pagos após o vencimento da parcela, nunca antes.

 

Decreto-Lei 167 de 14/02/1967 - Financiamento Rural

 

“Art 5º As importâncias fornecidas pelo financiador vencerão juros as taxas que o Conselho Monetário Nacional fixar e serão exigíveis em 30 de junho e 31 de dezembro ou no vencimento das prestações, se assim acordado entre as partes; no vencimento do título e na liquidação, por outra forma que vier a ser determinada por aquele Conselho, podendo o financiador, nas datas previstas, capitalizar tais encargos na conta vinculada a operação.” (grifo nosso)

 

As datas previstas são aquelas que os juros se tornam exigíveis, isto é, vencem.

 

Novamente, a legislação ADMITE a capitalização somente quando os juros estão vencidos. Até o vencimento eles devem ser Juros Simples.

 

Decreto-Lei 413 de 09/01/1969 - Crédito Industrial

 

“Art 11. ...

§ 2º A inadimplência, além de acarretar o vencimento antecipado da dívida resultante da cédula e permitir igual procedimento em relação a todos os financiamentos concedidos pelo financiador ao emitente e dos quais seja credor, facultará ao financiador a capitalização dos juros e da comissão de fiscalização, ainda que se trate de crédito fixo.”(grifo nosso)

 

Neste Decreto, a inadimplência, além de acarretar uma série de transtornos para o devedor, também faculta ao credor capitalizar os juros.

Novamente os juros deverão ser calculados como Juros Simples até o seu vencimento e só a partir daquela data (inadimplência) é que ficará facultado ao credor, capitalizá-los.

Lei 6.313, de 16/12/1975 – Crédito à Exportação

Art 3º Serão aplicáveis à Cédula de Crédito à Exportação, respectivamente, os dispositivos do Decreto-lei número 413, de 9 de janeiro de 1969, referente à Cédula de Crédito Industrial e à Nota de Crédito Industrial.

Art 4º O registro da Cédula de Crédito à Exportação será feito no mesmo livro e observados os requisitos aplicáveis à Cédula Industrial.

Art 5ºA Cédula de Crédito à Exportação e a Nota de Crédito à Exportação obedecerão aos modelos anexos ao Decreto-Lei nº 413, de 9 de janeiro de 1969, respeitada, porém, em cada caso, a respectiva denominação.” (grifo nosso)

 

A Cédula de Crédito à Exportação, além de adotar os dispositivos do Decreto-Lei 413, portanto, ADMITIR a capitalização somente após a inadimplência do devedor, também adota os mesmos modelos daquele Decreto-Lei.

Lei 6.840 de 03/11/1980 - Títulos de Crédito Comercial

 

“Art. 5º Aplicam-se à Cédula de Crédito Comercial e à Nota de Crédito Comercial as normas do Decreto-lei nº 413, de 9 de janeiro 1969, inclusive quanto aos modelos anexos àquele diploma, respeitadas, em cada caso, a respectiva denominação e as disposições desta Lei.”

 

Esta Lei adota os mesmos critérios do Decreto-Lei 413, assim como seus modelos.

Novamente estamos diante de uma Lei que ADMITE a capitalização somente se houver a inadimplência do devedor.

 

Lei 10.931 de 02/08/2004 - Cédula de Crédito Bancário

 

“Art. 28. ...

§ 1o Na Cédula de Crédito Bancário poderão ser pactuados:

I - os juros sobre a dívida, capitalizados ou não, os critérios de sua incidência e, se for o caso, a periodicidade de sua capitalização, bem como as despesas e os demais encargos decorrentes da obrigação;” (grifo nosso)

 

Esta Lei ADMITE que os juros capitalizados poderão ser pactuados entre credor e devedor, quanto à sua incidência e a periodicidade.

A Lei não modifica o conceito da capitalização, portanto, continua o que a legislação anterior ADMITE: capitalização somente após a inadimplência do devedor.

Como se verifica, toda legislação ADMITE a capitalização de juros, isto é, o acréscimo de juros ao Saldo Devedor, para ser base de novos juros, somente se houver a inadimplência do devedor.

A Lógica do Legislador

Parece lógico o procedimento, pois se o credor recebesse o valor dos juros no seu vencimento, poderia emprestá-lo e ganhar mais juros do novo devedor. Não recebendo os juros ele estaria sendo penalizado, daí a legislação ADMITIR a sua capitalização quando ocorrer a inadimplência.

Por outro lado, assim como o credor não pode ficar prejudicado pela inadimplência do devedor, também não pode lançar mão de juros cujo fato gerador ainda não tenha ocorrido para criar novas riquezas e com isso prejudicar o devedor.

5 – A SEGUNDA CAPITALIZAÇÃO

 

Ao utilizar a Tabela Price o credor já capitaliza os juros por ocasião da assinatura do contrato. Esta é a primeira capitalização, que está incompatível com a legislação.

A segunda capitalização adotada pela utilização da Tabela Price é quando o devedor fica inadimplente. Aliás, está é a primeira pela legislação.

 

Na inadimplência, o credor que utiliza a Tabela Price (onde a parcela já está formada pela amortização do principal + juros capitalizados), agora soma estes 2 elementos para formar a base para aplicação da chamada Comissão de Permanência, que já é a segunda capitalização, quando deveria ser a primeira, de acordo com o que determina a legislação brasileira.

 

Neste caso, pela Tabela Price já é a capitalização de juro sobre juro (na projeção das parcelas) e sobre juro (agora na inadimplência).

 

6 – QUITAÇÃO DA DÍVIDA

 

Quando o devedor procura o Banco para quitar sua dívida, geralmente ouve do gerente que o Banco vai lhe dar “um desconto” sobre o Saldo Devedor.

Na realidade, o “desconto” só ocorrerá se a Taxa Selic da época que você assinou a dívida até agora, decresceu.

Isto porque o Banco vai se valer da Resolução 3.516 do Banco Central que lhe garante o spread de quando você assinou o contrato + a Taxa Selic da data da quitação: http://www.reduzindojuros.com.br/VPBacen.pdf

 

Lógico que este “desconto” só vai ocorrer se a Taxa Selic decresceu; caso contrário, você vai pagar o Saldo Devedor com juros + o acréscimo da Taxa Selic.

Nesta Resolução o Banco Central chama o processo de “Valor Presente”, mas o que ele está fazendo é dando um Presente para o Banco.

 

7 – O ADITAMENTO

 

O Aditamento é um processo de “esticar” o Saldo Devedor quando o devedor encontra-se em dificuldade para pagar as parcelas.

Muito embora vem aquela frase: “nova parcela que cabe no seu bolso”, na realidade é a oportunidade de iniciar o pagamento de uma nova dívida, agora com juros maiores, pois começa tudo de novo.

Quando você inicia o pagamento de uma dívida, os juros são altíssimos e na medida que você vai pagando, os juros vão diminuindo proporcionalmente, uma vez que a capitalização inicia no final do contrato e termina na primeira prestação.

Muito embora o Código de Defesa do Consumidor garanta a redução proporcional dos juros na liquidação antecipada do débito (e no Aditamento você está quitando o débito anterior), a Resolução 3.516 do Banco Central vem em sentido contrário e garante ao Banco a taxa de lucro que ele havia arbitrado na assinatura do contrato + a atualização pela Taxa Selic a partir da data do Aditamento.

 

8 – A ORIGEM DA TABELA PRICE

 

A Tabela Price foi produzida por Richard Price, com base na probabilidade de vida e morte na Inglaterra e serviu de cálculo do seguro de aposentadoria.

Mais tarde descobriu-se que a base tinha graves erros, com o resultado de que os prêmios de seguro de vida foram muito maiores do que o necessário, beneficiando muito a seguradora: http://www.reduzindojuros.com.br/Doc. 1.pdf

 

Portanto, até a base para a Tabela Price já beneficiava muito o credor, em detrimento do devedor.

 

ANTONIO CARREGARO

Perito Contador

CRC 1SP090639/O4

MARÍLIA - SP

 

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Antonio Carregro) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2021. JurisWay - Todos os direitos reservados