JurisWay - Sistema Educacional Online
 
É online e gratuito, não perca tempo!
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

A REALIZAÇÃO DE CIRURGIAS E O FORNECIMENTO DE MEDICAMENTOS POR FORÇA DE MEDIDAS JUDICIAIS


Autoria:

Henrique Lima


Henrique Lima é advogado atuante em defesas de servidores públicos, de trabalhadores da iniciativa privada e de profissionais liberais, em temas envolvendo direito previdenciário (INSS e RPPS), direito administrativo, direito do trabalho, direito tributário e direito do consumidor. É pós-graduado (lato sensu) em direito constitucional, direito do trabalho, civil, consumidor e família. Defende associações de classe e sindicatos. É sócio do escritório Lima, Pegolo & Brito Advocacia (www.lpbadvocacia.com.br) que possui sede em Campo Grande-MS e filiais em Cuiabá-MT, Curitiba-PR, Rio Brilhante-MS e Dourados-MS, mas atende clientes em vários Estados brasileiros. Foi homenageado pela Assembléia Legislativa de Mato Grosso do Sul com a "Comenda do Mérito Legislativo". É autor dos livros "Seus Direitos"; "Paternidade Socioafetiva - Direitos dos Filhos de Criação"; "Tsedacá - Justiça dos Judeus e Boas Obras dos Cristãos" e "Defesa Trabalhista dos Bancários".

Endereço: Rua 15 de Novembro, N. 2270, 2270
Bairro: Jardim dos Estados

Campo Grande - MS
79020-300

Telefone: 67 33256054


envie um e-mail para este autor

Resumo:

Trata-se de artigo que aborda a possibilidade de o cidadão adotar medidas judiciais para pleitear que o Poder Judiciário obrigue o Estado, o Município, o Distrito Federal ou a União a fornecer medicamentos ou a realizar cirurgias, quando houver demor

Texto enviado ao JurisWay em 09/03/2011.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

A REALIZAÇÃO DE CIRURGIAS E O FORNECIMENTO DE MEDICAMENTOS POR FORÇA DE MEDIDAS JUDICIAIS Resumo: Trata-se de artigo que aborda a possibilidade de o cidadão adotar medidas judiciais para pleitear que o Poder Judiciário obrigue o Estado, o Município, o Distrito Federal ou a União a fornecer medicamentos ou a realizar cirurgias, quando houver demora ou resistência desses. Texto: Logo no primeiro artigo da nossa Constituição Federal está previsto como fundamento da República Federativa Brasileira a dignidade da pessoa humana; o que é considerado um princípio a nortear todas as decisões e políticas do Poder Público. Mais adiante, a Constituição Federal garante a saúde como direito fundamental (art. 196), estabelecendo como diretriz o atendimento integral (II, art. 198), sob responsabilidade solidária da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios (I, art. 23). Com base nessas regras constitucionais, são comuns decisões do Poder Judiciário obrigando o Estado e/ou o Município a disponibilizarem ao cidadão o medicamento ou a cirurgia de que comprovadamente necessita. Em ambos os casos, é feita uma preliminar análise acerca da capacidade financeira do requerente, ou seja, se possui condições de realizar a cirurgia ou de adquirir o medicamento com recursos próprios ou não. Por exemplo, existem decisões negando o pedido quando o cidadão possui plano de saúde particular, ou quando iniciou o tratamento pagando-o do próprio bolso. Nessas situações, entendeu-se que não se tratava de pessoa carente, do ponto de vista financeiro. Quando se pleiteia cirurgia, em seguida é avaliado se é caso de procedimento eletivo ou, ao contrário, de urgência. Sendo de urgência, as decisões judiciais têm sido no sentido de determinar a imediata realização. Por outro lado, na hipótese de tratamento cirúrgico eletivo, é avaliado há quanto tempo o cidadão está na fila de espera. Várias decisões judiciais sustentam ser inadmissível o paciente ter que esperar mais de um ano. Portanto, esse pode ser mais um critério para decidir se é caso de buscar os meios judiciais ou não. Com relação aos medicamentos, não é impeditivo o fato de o remédio indicado pelo médico estar fora da relação da ANS - Agência Nacional de Saúde, desde que não seja possível ou aconselhável trocá-lo por outro que esteja inserido nessa relação. Várias decisões judiciais entendem ser desnecessária a prova de que o pedido de medicamento ou de cirurgia foi recusado na esfera administrativa, isso porque a Constituição Federal garante o livre acesso ao Poder Judiciário, em casos de lesão ou de ameaça a direito (XXXV, art. 5º). Existem pessoas que optam, para esses fins, por impetrar Mandado de Segurança com pedido de Liminar, mas, para isso, recomenda-se o máximo de cuidado em ter pré-constituídas todas as provas do direito e da sua ameaça ou lesão, porque assim o exige a lei, eis que, no trâmite dessa espécie de processo, é impossível a apresentação de documentos ou a realização de perícia médica judicial. Por isso é que normalmente se ingressa com Ação de Obrigação de Fazer com Pedido de Tutela Antecipada, pois além de se atingir o mesmo resultado prático, nesse tipo de ação é possível apresentar novos documentos no decorrer do processo, bem como ser realizada perícia médica judicial, a qual pode ser eventualmente necessária dado se tratar de questões relacionadas à saúde. Enfim, com este artigo esperamos ter esclarecido a todos aqueles que necessitam de remédios ou de procedimentos cirúrgicos, sejam eles eletivos ou de urgência, para si ou para alguém de sua família, que em alguns casos é possível adotar medidas judiciais para pleitear que o Poder Judiciário obrigue o Estado, o Município ou a União a garantir o direito fundamental e constitucional ao atendimento integral à saúde. Assim, vale sempre a orientação de que procure advogado de sua confiança ou a defensoria pública para avaliar se é caso de ingressar com pedido judicial e de que forma fazê-lo. * Henrique Lima [Advogado, sócio do escritório Lima, Pegolo & Brito Advocacia S/S (www.lpbadvocacia.com.br), pós-graduado (lato sensu) em Direito Civil, Direito Processual Civil e Direito Constitucional, e pós-graduando (lato sensu) em Direito do Consumidor e em Direito de Família].
Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Henrique Lima) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2019. JurisWay - Todos os direitos reservados