JurisWay - Sistema Educacional Online
 
Kit com 30 mil modelos de petições
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Eventos
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

O Princípio do Direito Empresarial


Autoria:

Ana Carolina Bianchini Bruno


Meu nome é Ana Carolina, sou estudante de direito, estou na 4ª etapa, cursando na UNAERP

envie um e-mail para este autor

Outros artigos da mesma área

Apropriação indébita, o poder dos gatunos

Possibilidade de o sócio examinar, a qualquer tempo, livros e documentos contábeis da empresa

A constituição de empresa como ato administrativo simples realizado pelas juntas comerciais

Direito Dos Sócios Constituídos em Relação Aumento e Redução de Capital Social Nas Sociedades Anônimas

A INEXIGIBILIDADE DAS CERTIDÕES NEGATIVAS DE DÉBITOS FISCAIS NO PROCESSO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL DA PARMALAT

A Habilitação de Créditos na Falência

A INCONSTITUCIONALIDADE DA CLASSIFICAÇÃO DOS CRÉDITOS TRABALHISTAS NA FALÊNCIA.

Aspectos negativos e positivos das Empresas Individuais por Responsabilidade Limitada - EIRELI

Governança Corporativa: soluções para a sucessão e conflitos nas empresas familiares

Da Resolução da Sociedade em Relação a Sócios Minoritários

Mais artigos da área...

Texto enviado ao JurisWay em 05/12/2010.

Última edição/atualização em 08/12/2010.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

 
Hoje bens e serviços que todos necessitam para viver, como vestimentos, alimentação, etc, são produzidos por uma atividade econômica organizada, que são as empresas. Porém estas atividades nem sempre foram organizadas como hoje.
Na antiguidade estes produtos eram produzidos pelos próprios moradores, em suas próprias casas, produziam apenas o essencial e estes produtos eram muitas vezes trocados entre os vizinhos ou em uma praça.
O povo que mais se destacou na Antiguidade pela relação do comercio foi os Fenícios, eles estimularam a produção de bens e os destinaram a venda. Com isso a atividade econômica, o comércio, foi se formando e se expandindo com bastante vigor.
Graças a esta atividade hoje temos intercâmbios entre culturas diversas, desenvolveram então a tecnologia, os meios de transportes...
Com o grande avanço das trocas entre as pessoas incentivadas pelos comerciantes, que elas foram interessando a produzir bens que não eram necessários diretamente.
Na Idade Média o comércio já não era característico só de alguns povos, ele já havfia se difundido por todo o mundo. No Renascimento surgiu então as corporações de oficio, que era a reunião de artesãos, pintores, burgueses que se reuniram para que tenham a autonomia dos senhores feudais.
No inicio do século XIX a França era governada por Napoleão e este era muito ambicioso, patrocinou então a edição do Código civil e Código Comercial. O que ele fez foi com que se inaugurasse um sistema para que disciplinasse os cidadãos, o que repercutiu por muitos paises.
Portanto o Comércio gerou e continua gerando novas atividades econômicas. As pessoas estão cada vez mais consumidoras e querem sempre mais e este querer que movimenta o comércio e o mundo todo.
 
Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Ana Carolina Bianchini Bruno) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.
 
Copyright (c) 2006-2020. JurisWay - Todos os direitos reservados