JurisWay - Sistema Educacional Online
 
É online e gratuito, não perca tempo!
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

Política e Politicagem


Autoria:

Sarah Jones Barreto Da Silva


Graduando em Direito pela Universidade Jorge Amado, Salvador/Ba.

envie um e-mail para este autor

Resumo:

Se os nossos políticos utilizassem o tempo que descartam criticando seus oponentes e satisfazendo seus interesses particulares na realização dos seus verdadeiros deveres e obrigações previstos, a nossa realidade social estaria em um nível mais digno

Texto enviado ao JurisWay em 20/09/2010.

Última edição/atualização em 21/09/2010.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

Política e politicagem
 
Em tempos de eleição, não há nada mais natural que os interesses pessoais desprendidos ao longo das carreiras políticas dos nossos governantes pelos seus aliados e auxiliares venham a tona. Acordos milionários, troca de cargos prometidos, prática de atos ilícitos, bem como denúncias das falácias cometidas pelos seus oponentes imprimem bem a prática do que seria a politicagem.
A guerra pelo poder acaba transpassando os valores morais e constitucionais que deveriam planar sobre a sociedade brasileira. O velho patrimonialismo Weiberiano se instaura na política brasileira sem pedir licença, uma vez que o interesse particular dos políticos se sobrepõe ao interesse público tornando o meio político um instrumento hábil à consecução dos seus objetivos pessoais.
Ao revés, o sentido de político na terminologia grega significa aquele que tem origem e compromissos com a polis (cidade), logo, seu labor está voltado para o funcionamento ordenado do país em conjunto com órgãos que compõem o poder púbico. Sendo assim, independentemente da corrente partidária, todos os objetivos a serem implementados devem envolver projetos que abarquem o setor econômico, social e cultural que estejam sob a competência e responsabilidade de cada agente político.
O Brasil possui uma estrutura legislativa composta pelo Congresso Nacional formada por duas casas: a Câmara dos Deputados e o Senado Federal de modo que os primeiros representam os interesses do povo, enquanto que estes representam os interesses dos Estados. Nestas casas legislativas são apresentados e discutidos projetos de lei sob as mais variadas matérias a fim de alcançar a sanção pelo chefe do poder executivo, qual seja o Presidente da República.
Ocorre que não muito raro os representantes da população brasileira pouco comparecem aos debates que são travados diariamente no Congresso Nacional causando muitas vezes a suspensão da pauta em razão da falta de quórum. Outras vezes aprovam projetos ou medidas de seus interesses às escondidas para que qualquer tentativa de vedação seja frustrada. Para não falar que muitas são as provocações e ameaças praticadas mutuamente entre políticos em razão de práticas corruptas e imorais, quando deveriam zelar e por em prática suas obrigações.
Toda esta realidade, que deveria ser repleta da verdadeira política- compromisso com a cidade e o povo que as integram- não passa de práticas rotineiras de politicagem. Não é por outro motivo que encontramos várias cidades brasileiras, principalmente as do interior do Nordeste, marcadas pela miséria, pelo abandono e por crianças vivendo em situações subumanas.
Se os nossos políticos utilizassem o tempo que descartam criticando seus oponentes e satisfazendo seus interesses particulares na realização dos seus verdadeiros deveres e obrigações previstos constitucionalmente e no regimento interno de suas respectivas casas legislativas, a nossa realidade social seguramente estaria em um nível muito mais satisfatório e digno e em harmonia com os objetivos fundamentais previsto no art. 3º da Carta Magna.
Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Sarah Jones Barreto Da Silva) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2019. JurisWay - Todos os direitos reservados