JurisWay - Sistema Educacional Online
 
Será o fim do JurisWay?
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

Audiência Preliminar nos Juizados Especiais Criminais


Autoria:

Thais Rebecchi

Outros artigos da mesma área

Os Limites da Inviolabilidade à Luz da Constituição Federal de 1988: Uma Reflexão dos Artigos 150 a 154B do Código Penal.

A CONSTITUCIONALIDADE OU NÃO DA INDETERMINAÇÃO TEMPORAL DA MEDIDA DE SEGURANÇA

DA NECESSIDADE DA QUEBRA DE PARADGMAS PARA A INSERÇÃO DA POLÍTICA CRIMINAL NA DOGMÁTICA PENAL

APAC: Porque Todo Homem é Marior que Seu Erro

A (in)constitucionalidade do abate de aeronaves (Decreto n. 5.144, de 16 de julho de 2004)

O dolo e a culpa fazem parte da culpabilidade ou da tipicidade ou de ambas?

Roubo e Extorsão e a Malsinada Consideração da Atuação da Vítima Como Forma de Distinção

Contradições entre a Execução da Sentença e a lei de Execuções Penais vigente

DA INCONSTITUCIONALIDADE DA RESOLUÇÃO PAULISTA QUE PROIBE POLICIAIS DE SOCORRER VÍTIMAS DE CRIMES

Calúnia, difamação, injúria e o Juizado Especial Criminal

Mais artigos da área...

Resumo:

Apresenta os aspectos gerais do conteúdo da audiência preliminar realizada em Juizados Especiais Criminais.

Texto enviado ao JurisWay em 08/09/2010.

Última edição/atualização em 11/09/2010.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

JUIZADOS ESPECIAIS CRIMINAIS - Lei 9.099/1995

Da Audiência Preliminar

           A audiência preliminar ou audiência de conciliação é uma das principais novidades advinda da Lei nº 9.099/95, neste ato, que acontece antes do oferecimento da denúncia pelo Ilustre Ministério Público, há a possibilidade das partes transigirem em uma composição civil, seja até na possibilidade de reparar danos provinientes da efetivação do delito em análise, ou a aceitação da transação penal, instituto inovador de medida despenalizadora que constitui benefício oferecido pelo Ministério Público. Nesta audiência poderão ocorrer três hipóteses previstas em lei: a aceitação da proposta de composição dos danos civis pelo autor; a transação penal; oferecimento oral de denúncia.

          A composição civil dos danos - conciliação - está prevista no artigo 72 da Lei 9099/95, e compõe os delitos sujeitos à ação penal pública incondicionada, à ação penal pública condicionada a representação do ofendido e à ação penal privada, cujo escopo a ser alcançado, com celeridade, é a pacificação social. A composição dos danos civis pode alcançar os danos materiais como também os danos morais, e terá eficácia de título executivo judicial, pois este acordo entre as partes valerá de solução imediata da lide, e quando homologado pelo Juiz Competente, ocorrerá a extinção da punibilidade do autor em razão da renúncia do direito de queixa ou de representação, portanto a composição civil na esfera penal repercute em seus efeitos executáveis na esfera cível.

        Quando há a possibilidade de conciliação, será apresentado a uma das partes uma oportunidade dado como benefício para se livrar do delito que lhe é acusado, sendo certo que trata-se de uma grande benefício, denominado de Transação penal, oferecido pelo Parquet. A transação penal consiste em um acordo entre a parte e o Ministério Público na figura do Ilustra Promotor de Justiça, o indivíduo continua sendo primário e de bons antecedentes desde que se comprometa a realizar uma prestação pecuniária ou em serviços a uma entidade filantrópica localizada na região da comarca, logo o Ministério Público se compromete a mandar arquivar os autos processuais. Cabe salientar no tocante à transação penal, que este benefício só pode ser utilizado uma vez a cada 5 (cinco) anos.

       Conclui-se, pois, que a instituição da transação penal nos Juizados Especiais Criminais trará muitos benefícios à persecução penal, evitando processos demorados e custosos. Entretanto, há a necessidade de que os operadores do direito observem a aplicação desta lei, evitando que se transforme em palco de injustiça e impunidade, velando para que possa realmente cumprir o seu escopo de efetividade e pacificação social.

       O que é necessário pensar é o que podemos transacionar,pois todo bem possui caráter natural de pertencer a alguém, e bem jurídico é também sinônimo de coisa própria de alguém, algo que se destina à um dono. Assim, podemos então fazer referência que nossa honra subjetiva ou objetiva constitui bem. Hoje, com tal disposição atribuída pela Lei, com a possibilidade da transação, pode se dizer que honra tem preço que se pague. O que torna mais relevante para a justiça ou para o que busca ser justo e moral? a honra, que fora atacada de males e crimes, os quais doem a alma ou uma boa indenização em espécie por danos morais advinda de uma transação.

 

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Thais Rebecchi) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2019. JurisWay - Todos os direitos reservados