JurisWay - Sistema Educacional Online
 
Será o fim do JurisWay?
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

Sucumbência recíproca e compensação de honorários advocatícios: é preciso separar o joio do trigo.


Autoria:

Frederico Armando Teixeira Braga


Frederico Armando Teixeira Braga - Advogado

envie um e-mail para este autor

Outros artigos do mesmo autor

O PRINCÍPIO DO DUPLO GRAU DE JURISDIÇÃO E SUA GARANTIA CONSTITUCIONAL.
Direito Processual Civil

Outros artigos da mesma área

O Recurso de agravo depois da Lei 11.187, de 19 de outubro de 2005

Modelo de Embargos de Declaração de Embargos de Declaração - Omissão em Sede de Agravo de Instrumento

A Exigência Das Peças Essenciais Para A Interposição do Agravo De Instrumento

Arbitragem e Direito Processual Civil

PECULIARIDADES DA EXECUÇÃO CÍVEL NO ÂMBITO DOS JUIZADOS ESPECIAIS ESTADUAIS

A SÚMULA IMPEDITIVA DE RECURSO SOB O ENFOQUE DA DISTINÇÃO ENTRE REGRAS E PRINCÍPIOS EM DWORKIN E ALEXY

A SÚMULA VINCUNLANTE ANTES E APÓS A LEI N 11.417 DE 19.02.2006: análise do efeito das súmulas 282 e 356 no âmbito do recurso extraordinário

Debates sobre a relativização da coisa julgada

POSSIBILIDADE DE IRREVERSIBILIDADE DAS MEDIDAS DE URGÊNCIA E EXECUÇÃO DAS ASTREINTES.

LEGITIMIDADE PASSIVA DAS SEGURADORAS EM PROCESSOS MOVIDOS POR TERCEIROS PARA RESSARCIMENTO DE DANOS CAUSADOS EM ACIDENTES DE TRÂNSITO

Mais artigos da área...

Texto enviado ao JurisWay em 31/01/2010.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

Sucumbência recíproca e compensação de honorários advocatícios: é preciso separar o joio do trigo.
Prevalece no tema da sucumbência, como critério para atribuir o custo final do processo a uma das partes, o princípio da causalidade, ou seja, deve responder pelo custo do processo aquele que tiver dado causa a ele ao propor demanda improcedente ou sem necessidade, ou resistir a ela sem ter razão. No entanto, há a possibilidade da sucumbência recair de forma parcial entre as partes do processo, neste caso há a sucumbência recíproca ou parcial, como é chamada.
Foi o artigo 21 do Código de Processo Civil, Lei federal nº. 5.869/73, que trouxe a possibilidade da sucumbência recíproca, permitindo a distribuição e a compensação das despesas processuais e honorários advocatícios, fundamentando os precedentes jurisprudenciais a sua época.
Com o advento da Lei federal nº 8.906/94, que estabeleceu o Estatuto da Advocacia e a Ordem dos Advogados do Brasil, “em tese” introduziu-se nova sistemática aos honorários de sucumbência, reafirmando-os como direito do advogado, sendo nula qualquer disposição, cláusula, regulamento ou convenção individual ou coletiva que retire do advogado o direito ao seu recebimento.
A partir daí, imaginou-se a possibilidade de uma antinomia entre os dispositivos legais que regulam o tema, que na verdade nunca existiu, haja vista que a Lei nº 8.906/94 expressamente revogou todas as disposições contrárias aos seus dispositivos (art.87).
Não bastasse isso, o parágrafo 1º do artigo 2º da Lei de Introdução ao Código Civil tem perfeita aplicação: “A lei posterior revoga a anterior quando expressamente o declare, quando seja com ela incompatível ou quando regule inteiramente a matéria de que tratava a lei anterior”. Portanto, sendo o novo Estatuto da Advocacia posterior ao Código de Processo Civil, revogou-o naquilo que é com ele incompatível.
Nem a expressa revogação em comento conteve a força dos precedentes jurisprudenciais fundados no artigo 21 do Código de Processo Civil, que acabou sendo sumulada pelo Superior Tribunal de Justiça, por meio da súmula 306, que continuou permitindo a compensação dos honorários sucumbenciais. Eis seu teorOs honorários advocatícios devem ser compensados quando houver sucumbência recíproca, assegurando o direito autônomo do advogado à execução do saldo sem excluir a legitimidade da própria parte.”
É evidente que a súmula 306 do Superior Tribunal de Justiça, editada quatro meses após a promulgação da Lei 8.906/94, só deveria possuir aplicação em casos suscitados anteriores a esta lei, pois os precedentes que levaram a sua edição foram fundamentados no artigo 21 do Código de Processo Civil, enquanto este ainda vigorava. Portanto, não tem eficácia a sua aplicabilidade em casos posteriores a vigência da Lei 8.906/94.
Em que pese todas essas considerações, as decisões dos tribunais superiores tem caminhado em sentido contrário, em não raros casos até com aplicação de multa protelatória na interposição de recursos visando a não compensação de honorários sucumbenciais recíprocos.  
 
 
Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Frederico Armando Teixeira Braga) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2019. JurisWay - Todos os direitos reservados