JurisWay - Sistema Educacional Online
 
É online e gratuito, não perca tempo!
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Eventos
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

Audiência de Custódia


Autoria:

Orlando Junio Da Silva


Orlando Junio da Silva é advogado em Minas Gerais com registro ativo na subseção da OAB de Belo Horizonte - MG, atuante na área criminal e trabalhista.

envie um e-mail para este autor

Resumo:

Audiência de custodia é uma audiência bem simples, onde estará presente o Juiz o promotor você como advogado e obviamente o acusado. Vejam, nessa audiência não será discutido mérito.

Texto enviado ao JurisWay em 05/07/2022.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

 

Audiência de custodia é uma audiência bem simples, onde estará presente o Juiz o promotor você como advogado e obviamente o acusado. Vejam, nessa audiência não será discutido mérito.

Obs: Caso tenha algum documento pessoal ou importante do acusado para juntar aos autos este é o momento (RG, Comprovante de endereço, CTPS que pode ser muito importante se o acusado tiver trabalho formal pode até ser decisiva em alguns casos).

Primeiro será realizada a leitura do relatório narrando os fatos e também irá relatar se o acusado é primário ou não, se possui outras investigações em curso, etc. e posteriormente o promotor (a) de justiça irá se manifestar pela conversão da prisão em flagrante em preventiva ou em casos específicos pode ser postulado pelo promotor a liberdade provisória, mas são casos bem específicos, em regra a promotoria irá postular pela conversão da prisão em flagrante em preventiva.

Posteriormente você advogado ira fazer a defesa de seu cliente, aqui será de forma oral então converse com seu cliente antes da audiência e dê uma lida nos autos antes, para poder estruturar sua defesa. VALE LEMBRAR DA CORDIALIDADE EM COMPRIMENTAR O I. PROMOTOR(A) E O EXMO. JUIZ(A).

OBS: como se trata de audiência de custódia, ou seja, em regra deve ser realizada em até 24h depois da prisão do autor, aqui muitas vezes você não teve a oportunidade de conversar com seu cliente na delegacia ou no presídio, então chegue com antecedência ao fórum para poder se inteirar dos fatos e conversar com o cliente antes da audiência.

Como não será discutido mérito não se prenda a isso. Faça sua defesa nesse momento sustentado somente a possibilidade do acusado responder em liberdade, ou seja, embase sua sustentação na falta dos pressupostos dos artigos 312 e 313 do CPP, pois nesse momento você quer tão somente a soltura do acusado, alegando a falta dos requisitos para conversão da prisão em flagrante em preventiva e postulando a liberdade provisória.

Depois que você falar será a vez do Magistrado que decidira pela liberdade provisória pedida por você ou pela conversão da prisão em flagrante em preventiva que em regra é o que a promotoria requer.

Por fim será assinada a ata com a decisão fundamentada do juiz.

Em comento ao post com o título “Os mitos da audiência de custódia” publicado em http://www.guilhermenucci.com.br/artigo/os-mitos-da-audiencia-de-custodia-2 site do renomado autor e excelentíssimo Desembargador do Tribunal de justiça de São Paulo, DR. Guilherme de Souza Nucci, ao qual tenho profundo, expus algumas controvérsias que permeiam tal audiência, que colaciono abaixo, mas também pode ser encontrado em

https://www.linkedin.com/posts/orlando-junio-silva-615950137_os-mitos-da-audi%C3%AAncia-de-cust%C3%B3dia-activity-6593508104405610496-875x

 

Os mitos da audiência de custódia

“A Convenção Americana sobre Direitos Humanos (Pacto de San José da Costa Rica) foi aprovada pelo Brasil por meio do Decreto 678/92, entrando em vigor. Lá se vai o longo período de 23 anos em plena vigência. O art. 7o, 5, ali se encontra: “toda pessoa presa, detida ou retida deve ser conduzida, sem demora, à presença de um juiz ou outra autoridade autorizada por lei a exercer funções judiciais (…)”. Deste curto trecho surgiu a polêmica atual a respeito da denominada audiência de custódia, como se fosse algo novo, extremamente relevante e urgente. Noutros termos, como se, em 23 anos, o Judiciário descumprisse cláusula fundamental de direitos humanos e, pior, ninguém percebeu. Nem advogados, nem promotores, nem delegados, nem mesmo a doutrina. Inexistem acórdãos considerando a nulidade da prisão em flagrante lavrada por delegado e fiscalizada por juiz de direito em 24 horas, sem a presença do acusado em audiência de custódia, antes de ter sido levantada a polêmica.

Entretanto, atuando como desembargador na 16a. Câmara de Direito Criminal do TJSP, notei surgir da lavra de alguns defensores públicos, certamente estudiosos da referida convenção, a preliminar de nulidade da prisão em flagrante, com soltura do preso, pois ele não foi apresentado ao magistrado. Não emergiu tal argumento de nenhum grande escritório de advocacia criminal, mas da defensoria pública, no afã de sempre lutar por idéias novas em benefício de seus patrocinados. Até aí cumpre seu papel. Rechacei a preliminar, considerando o flagrante legal, indeferindo o relaxamento, pois o delegado de polícia, no sistema adotado pelo Brasil, é um bacharel em Direito, concursado, que conhece muito bem o Direito Penal e o Processo Penal. Para essa autoridade, segundo o CPP, deve ser o preso imediatamente apresentado. Faz-se um juízo inicial da legalidade – não por um leigo, mas por alguém qualificado. Encontrando razões para detê-lo, a autoridade policial lavra o auto de prisão em flagrante. Pode, segundo defendemos (art. 304, CPP), ao final do referido auto, percebendo a debilidade das provas, relaxá-lo e não recolher o detido ao cárcere. Há, inclusive, quem defenda possa o delegado fazer o mesmo se não vislumbrar, além da tipicidade, os elementos referentes à ilicitude e à culpabilidade.

O delegado de polícia pode, também, arbitrar fiança, para crimes cuja pena máxima não ultrapasse 4 anos. Qual outra autoridade pode fazer isso? Não seria uma função típica de juiz em outros países?

Então, muitos leram o meu voto a respeito e torceram como puderam, somente para ser notícia, dizendo que eu estaria defendendo que o delegado “pode presidir audiência de custódia” ou estava “equiparando o delegado ao juiz” e assim vai. São esses divulgadores de falsas notícias ignorantes ou agiram de má-fé. Disse e insisto que o sistema processual do Brasil, vigente há mais de 70 anos, adotou o critério de apresentar o preso ao delegado, para, na sequência (24 horas), ser avaliado o auto de prisão em flagrante por magistrado togado.

Esse sistema nunca se revelou causa ou fundamento de desrespeito aos direitos humanos, tanto assim que os comentadores da Convenção Americana dos Direitos Humanos jamais o destacaram, vale dizer, não mencionaram a tal audiência de custódia. Por todos, confira-se em Luiz Flávio Gomes: “toda pessoa detida deve ser apresentada, sem demora, à autoridade judiciária competente. A violação dessa garantia torna a prisão arbitrária” (Comentários à Convenção Americana sobre Direitos Humanos, 2a. Ed, p. 57). Essa é a única frase dos comentários que cuida do tema. Apresentar o preso ao juiz, para países onde não há a autoridade policial filtrando a acusação formulada por quem prendeu o suspeito, pode ser, de fato, fundamental. Afinal, será o magistrado o primeiro a tomar contato com aquela prisão e poderá ditar seus rumos: mantê-la, arbitrar fiança, ouvir do suspeito se é culpado ou inocente etc.

No Brasil, o delegado é a autoridade que primeiro toma contato com o preso, mas a sua atividade é devidamente fiscalizada por um juiz em, no máximo, 24 horas. Ilegalidades podem ser sanadas pela simples leitura do auto. Liberdades provisórias podem ser concedidas pelo mesmo caminho. E digo enfaticamente: os juízes responsáveis e cuidadosos concedem fiança ou outras medidas cautelares, afastando o detido da prisão, pela simples leitura do auto. “Conversar com o preso” ajuda em quê? Tenho concedido várias liminares de habeas corpus, soltando presos provisórios, pela simples leitura da peça inicial do writ. Os advogados sabem disso e também os defensores públicos. Noutros termos, a autoridade judiciária que quer soltar, assim o faz, sem necessidade alguma de “ver o preso”. Quem não solta, mantendo quase sempre a prisão cautelar, não vai mudar porque “viu ou conversou alguns minutos com o preso”.

Alguns virão com estatísticas, dizendo que onde foi implantada a audiência de custódia, o volume de solturas elevou-se. Causa-me estranheza tal afirmação pelas seguintes razões: a) os juízes trabalhavam muito mal antes e, porque não viam o preso, mantinham-no preso, ainda que ele merecesse a liberdade provisória?; b) esses magistrados da audiência de custódia, por acaso, são titulares de cargos fixos? Ou são designados pela Presidência de seus tribunais?  A pergunta se deve porque, para um sistema dar certo, em tese, seria possível designar juízes considerados liberais ou bem instruídos a soltar o maior número de presos, quando apresentados na tal audiência de custódia. A experiência de S. Paulo (Capital) conduz para respostas duvidosas quanto a tais estatísticas.

Gostaria de saber se os magistrados das audiências de custódia que se realizam, hoje, no Brasil, são todos titulares de cargos fixos. E eles, somente pelo contato com o réu, mudaram sua posição de manter a prisão para soltá-lo. Se alguém me provar isso, gostaria de ouvir do colega juiz o que o réu lhe contou a ponto de sensibilizá-lo, fazendo-o mudar radicalmente de opinião.

A audiência de custódia, com a devida vênia, é um modismo, trazendo vários mitos para serem explorados. Alguns argumentam que ela é a concretização do próprio instrumento do habeas corpus (toma o corpo). Perfeito. Neste importante instituto, há previsão legal para que o juiz/desembargador convoque o preso à sua frente. Nunca soube disso. Se alguém o fez, entra para a estatística mínima, quase desaparecida.

Em suma: a) durante 23 anos, o texto da Convenção Americana sobre Direitos Humanos é o mesmo; somente agora, alguns descobriram que o Brasil o descumpre seguidamente; b) se é um direito humano fundamental, em todos os lugares onde não há audiência de custódia, os flagrantes devem ser imediatamente relaxados, pouco importando o caso concreto; c) se juízes precisam conversar com o réu para dar-lhe algum benefício, devemos transportar o interrogatório novamente para o início da ação penal; d) o projeto-piloto em S. Paulo (é interessante um experimento com direito humano fundamental indisponível…) vale-se do DIPO (Departamento de Inquéritos Policiais), onde os juízes são designados e removíveis a qualquer tempo; e) o sistema no Brasil não consegue transportar réus para as audiências, mas certamente haverá um imenso número de agentes (policiais?) para levá-los todos os dias à frente do juiz; f) a audiência de custódia, se tão importante, deveria estender-se ao Tribunal, para que também o desembargador/ministro possa conversar com o réu e sensibilizar-se; g) se a avaliação da autoridade policial não vale nada, visto que o preso precisa ir à frente do juiz, o destino dos delegados vai mudar completamente; passarão a sair às ruas para investigar e, prendendo, leva-se direto ao juiz; o auto de prisão em flagrante é inútil; h) os defensores, hoje, da audiência de custódia, como um direito fundamental, demoraram a acordar para isso (apenas 23 anos); mas já que o fizeram e estão despertos, convém levar logo ao STJ e ao STF a questão, por meio do habeas corpus para padronizar para todo o Brasil se sim ou se não a audiência de custódia; h) não há essa previsão no CPP; o STF tem a tendência de equiparar tratados a lei federal; de todo modo, mesmo que se considere a referida Convenção acima de qualquer lei, segundo nos parece, quem deve legislar sobre o procedimento nacional a ser adotado para a audiência de custódia é o Poder Legislativo e não o CNJ, nem qualquer Tribunal Regional ou Estadual. A isto se chama legalidade, que vem sendo vilipendiada por um número excessivo de portarias, resoluções, provimentos e similares, originários dos mais diversos órgãos, sem o menor apego à função do legislador em matéria de direito criminal. Enfim, o mito dessa audiência é que ela é essencial para tirar presos provisórios do seu calvário.

Aliás, a moderna Constituição de 1988 (a Constituição-cidadã) nem percebeu que estava olvidando a audiência de custódia no art. 5o. Outra ironia do destino.

De minha parte, continuarei a ler atentamente as peças escritas de habeas corpus e soltar quem considero merecer, seja pela ilegalidade da prisão, seja porque faz jus à liberdade provisória. E se for esta a vontade do STF, ouvirei sem problema o preso, mas continuarei mantendo a prisão cautelar ou concedendo liberdade provisória, de acordo com a lei – e não com lamúria de pessoa detida, por vezes, autora de crime grave”.

Texto retirado do site do professor e desembargador do Tribunal de Justiça de São Paulo, Dr. Guilherme Souza Nucci: http://www.guilhermenucci.com.br/artigo/os-mitos-da-audiencia-de-custodia-2

Data máxima vênia, respeito a opinião do Excelentíssimo Desembargador e renomado Doutrinador do qual sou leitor assíduo.

Vejo porem, a necessidade de realização da audiência de custódia a fim de um Juiz ratificar ou não a prisão decretada pelo Delegado de Policia, que aqui, sim, tem o dever de prender, em certos casos logicamente, mas, ora, em analogia ao habeas corpus, (tome o corpo), como bem explanado no texto não ha qualquer notícia que o réu tenha ido a frente do desembargador ou do Juiz, para concessão da ordem ou não, e realmente não é necessário, mas em regra no habeas corpus o acusado já esta aprisionado ha semanas ou até meses e por ilegalidade comedida por Magistrado, o que não é o caso da audiência de custódia.

Com a devida vênia, vejo na audiência de custódia necessária sim a presença do acusado, dada a morosidade da nossa justiça.

Vejamos, Em se tratando de uma audiência, necessária se faz as partes, o i. promotor de justiça representando o Estado e o acusado, para exercer seu direito de defesa, mesmo se já tiver advogado constituído. Se extingue a referida audiência passando a peticionar ao juízo requerendo a liberdade do acusado, como no HC, se passará semana ou até meses para essa concessão, figurando total afronta a direitos constitucionais do aprisionado caso ele faça jus a liberdade provisória.

Doutrinadores e jurisprudência contraria a audiência de custódia afirma que tal audiência serviria para elevar, de modo descontrolado, a soltura de presos, que ela seria uma espécie de presunção de que o preso sofreria sempre tortura por parte das autoridades que realizaram sua prisão.

Contudo, sabemos que são reiteradas as notícias de condutas violentas em certas prisões, além de confissões forçadas. Assim, as más práticas das forças de segurança, infelizmente existentes, se não cessam, ficam, ao menos, inibidas, em parte, diante da apresentação célere do preso ao juiz.

Entendo que além de dificultar a tortura, a audiência de custódia permite ao preso rápido acesso ao juiz. Dá a ele direito de falar, de ser visto, de dar a sua versão dos fatos de forma mais humanizada.

Ora, a audiência de custódia, por si só, não determina a soltura de  ninguém, se presentes os requisitos que justifiquem a prisão. Não existe, por parte do juiz, obrigação em soltar ou prender, mas sim de agir nos ditames da lei, ora, o Magistrado está adstrito a lei.

Infelizmente, não são raros os casos de pessoas presas injustamente que relataram não terem sido ouvidas pelos julgadores ou terem sido praticamente ignoradas quando tiveram a chance de falar. Claro que a audiência de custódia não impede a desatenção do Juiz, mas, ao menos, reduz a distância, torna real o que antes era apenas um nome em um papel ou arquivo eletrônico.

Com o advento da lei 13.964, denominada Lei anticrime de 2019, incorporou ao Código de Processo Penal Brasileiro a previsão da realização da audiência de custódia. Anteriormente, sua implementação tinha se dado com base no disposto na Convenção Americana de Direitos Humanos, como supracitado, disciplinada em âmbito nacional, pela resolução 213 de 2015 do Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

Enfim, agora a tão discriminada audiência de custódia foi incorporada ao CPP, por meio de lei federal.

Audiência de custódia e a Covid-19

A profecia se cumpriu

Pelo menos aqui em Belo Horizonte-MG, voltamos a estaca a zero no tocante a referida audiência que como exposto alhures entendo ser importantíssima, com a chegada da pandemia.

Recentemente fui contratado para realizar tal audiência no fórum aqui da cidade, assim como de praxe, me dirigi ao fórum com toda segurança, por entender ser uma medida de urgência, chegando ao fórum fui informado que a audiência seria realizada sem a presença de advogado, sendo que o próprio Juiz ao seu bel prazer iria decidir sobre a soltura ou liberdade do acusado, ai fica as perguntas. A) isso não seria inconstitucional? B) e se eu tivesse que juntar alguma documentação importante a exemplo de comprovante de residência, CTPS com emprego formal, como ficaria? C) em sendo inconstitucional, não seria o próprio TJMG autorizando o Magistrado a cometer tal inconstitucionalidade? D) em sendo assim como ficaria o HC, seria denegado, pois o magistrado ágil corretamente seguindo diretrizes do próprio TJMG? E) teria que fazer recurso especial para o STJ alegando descumprimento de Lei Federal? F) devido a morosidade do judiciário aqui já teria se passado pelo menos uns 2 meses, como ficaria a situação do réu que estaria preso por todo este tempo de forma ilegal? Sem falar custos com advogado que sabemos que muitos não tem condições de arcar, esses questionamentos ficam no ar.

De fato recentemente o CNJ por meio da RECOMENDAÇÃO Nº 68, DE 17 DE JUNHO DE 2020, se redimiu diante de tal atrocidade jurídica.

Mas de fato é a mão pesada do Estado novamente sobre os fracos e vulneráveis.


Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Orlando Junio Da Silva) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2023. JurisWay - Todos os direitos reservados