JurisWay - Sistema Educacional Online
 
É online e gratuito, não perca tempo!
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Eventos
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

Rescisão por mútuo acordo - A modalidade da reforma trabalhista prevista no artigo 484-A da CLT


Autoria:

Adriano Silverio Luz


Marketing e estudante de direito Formado em Ciência da COmputação

envie um e-mail para este autor

Outros artigos da mesma área

O Processo Judicial eletrônico e o perigo da audiência inicial trabalhista

DISSÍDIO COLETIVO ECONÔMICO E COMUM ACORDO

A Flexibilização dos Direitos trabalhistas como forma de combate ao desemprego

Direito Individual do Trabalho no Mercosul

Não incidência de imposto de renda sobre juros de mora decorrente de Condenação Judicial Trabalhista

ESTABILIDADE PROVISÓRIA DA GESTANTE DURANTE AVISO PRÉVIO INDENIZADO

Responsabilidade do empregador pela assunção do risco: Empregados vítimas dos assaltantes

Obrigatoriedade do descanso de 15 minutos para mulheres antes do início da jornada extraordinária

Exame de Ordem e Poder Judiciário - Episódio III

A amizade nas redes sociais não é suficiente para desqualificar a testemunha na Justiça do Trabalho

Mais artigos da área...

Resumo:

Rescisão por mútuo acordo - A modalidade da reforma trabalhista prevista no artigo 484-A da CLT

Texto enviado ao JurisWay em 07/11/2018.

Última edição/atualização em 23/11/2018.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

Anteriormente, havia somente duas formas de reincidir um contrato de trabalho, uma delas era a " rescisão unilateral" ( com o sem justa causa) e o " pedido de demissão". Todavia, com a reforma trabalhista prevista na lei 13.467/17, agora é possível reincidir um contrato de trabalho em comum acordo ( entre funcionário e patrão).

Na realidade, de maneira ilegal, essa conduta sempre existiu em algumas empresas, onde patrões e empregados faziam o famigerado " acordo" quando o funcionário queria sair da empresa e não estava disposto a abrir mão dos seus direitos pedindo a demissão.

Antes, isso era feito de forma fraudulenta, devido a isso, muitas empresas não ofereciam essa oportunidade para o funcionário de sacar o FGTS e receber as verbas trabalhistas.



O que mudou com a reforma trabalhista?

Atualmente, o empregado tem a liberdade de se dirigir até o empregador e solicitar o seu desligamento da empresa propondo o " comum acordo" e vice versa. Caso, a sinalização seja positiva, o funcionário poderá movimentar 80% do seu FGTS e a multa que antes era 40%, passa a ser 20% sobre o saldo.

Além disso, o empregado tem o direito de receber a metade do aviso prévio e outros valores rescisórios como: Férias, 13º salário e saldo de salário.

No entanto, optando por esse regime de comum acordo, o empregado não tem direto de receber o seguro desemprego, já que ele possui o aporte do FGTS para prover a assistência financeira.

Isso ocorre porque é entendido que a rescisão de comum acordo não aconteceu repentinamente e também houve interesse do trabalhador, portanto, não há razões para que ele tenha o direito à receber o seguro desemprego.

A tal modalidade traz vantagens tanto para o empregador como para o empregado. No geral, quando um funcionário quer se desligar da empresa sem perder os direitos e de forma idônea, essa é uma alternativa viável.

Por sua vez, em alguns casos o empregador também deseja renovar a equipe e não quer forçar uma demissão com o intuito de manter uma boa relação com o funcionário, esse é um jeito condizente para negociar um desligamento.

Como a rescisão por comum acordo é considerada " imotivada", é o empregador que deve pagar todas as verbas trabalhistas estabelecidas em contrato.



Motivação que levou a rescisão por mútuo acordo ser regulamentada

Os juristas entenderam que não havia nenhuma legislação que ficasse no meio entre o empregado pedir as contas ou ser demitido. Pode-se dizer que essa foi uma das soluções intermediárias que visam resolver o problema da ilegalidade nos acordos.

Por mais que houvesse boa fé do empregado e do empregador, não havia uma lei que validasse esse procedimento.

Mesmo assim, alguns juristas acreditam que a rescisão por mútuo acordo ainda trará aumento nas ações trabalhistas, pois o empregado pode alegar que o empregador usou esse recurso para obrigá-lo a aceitar a rescisão de comum acordo porque queria de certa forma demiti-lo de suas funções.

Contudo, se houver qualquer tipo de coação por parte do empregador para que o funcionário aceite a demissão por mútuo acordo, é possível que o mesmo entre com um processo na justiça do trabalho para invalidar essa decisão.

É importante lembrar que a rescisão por mútuo acordo só é válida quando não houver " justa causa", de acordo com os artigos 482 e 483 da CLT.



Esse texto foi uma colaboração da Raiz Nativa

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Adriano Silverio Luz) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2020. JurisWay - Todos os direitos reservados