JurisWay - Sistema Educacional Online
 
Kit com 30 mil modelos de petições
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Eventos
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

Um sistema carcerário falido X Alto custo de um detento


Autoria:

Weliton Amaral Rodrigues Dos Santos


Cursando 5º ano em Direito na Faculdade Doutor Francisco Maeda - FAFRAM.

envie um e-mail para este autor

Resumo:

Breve abordagem demonstrando as falhas encontradas no sistema carcerário brasileiro.

Texto enviado ao JurisWay em 19/10/2017.

Última edição/atualização em 20/10/2017.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?


                Com a evolução da espécie humana, manifesta-se a obrigação de codificar normas que regulam o convívio social. Os avanços e desenvolvimentos da humanidade não extinguiram as penas de cunho cruel para àqueles que transgredissem a lei se envolvendo na prática de algum delito. E este cenário se consolidou por um vasto período.

 

Surgiram mudanças decorrentes de diversas revoluções, objetivando melhorias para o convívio em sociedade. Nesta fase diversos princípios relacionados a humanização das penas passaram a incorporar o direito penal.  

Privar a liberdade do indivíduo é uma alternativa utilizada frequentemente. Esta pena sendo aplicada demasiadamente surgiu a necessidade de desenvolver um local que “abrigassem” esses indivíduos, estes locais se denominariam penitenciárias.

A progressão da legislação penal brasileira, determinou a aplicabilidade da pena privativa de liberdade para o transgressor da lei, com a finalidade de recusar a conduta praticada e consequentemente servir como exemplo para a sociedade. Certo da reprovação da conduta, foi concedido também à privação da liberdade um caráter reparador de natureza psicológica com o intuito de preparar o preso para seu reingresso na sociedade.

O sistema penitenciário brasileiro suporta grandes dificuldades, essas, que o torna ineficaz, impossibilitando resultados suficientemente admissíveis na recuperação do preso.

Há uma notável reversão nos valores sociais do indivíduo. Em um encontro relativo à segurança pública do Estado de Goiás, a ministra Cármen Lúcia afirmou que um detento custa 13 vezes mais do que um estudante do ensino médio. Enquanto um preso no Brasil custa para o Estado R$ 2.400,00 (dois mil e quatrocentos reais) por mês, um estudante do ensino médio custa R$ 2.200,00 (dois mil e duzentos reais) por ano. A diferença é gritante no aspecto econômico.

 

Lamentavelmente, grandes são as falhas e obstáculos encontrados na política criminal brasileira e em uma sociedade repressiva, onde o objetivo principal é punir ao invés de prevenir. 

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Weliton Amaral Rodrigues Dos Santos) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2022. JurisWay - Todos os direitos reservados