JurisWay - Sistema Educacional Online
 
JurisWay - Recursos no Novo CPC com Certificado
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

O QUE VOCÊ TEM A VER COM A POLÍTICA?


Autoria:

Marco Antonio Martins


Estudante do 5º ano de Direito da Faculdade Dr. Francisco Maeda - FAFRAM.

envie um e-mail para este autor

Resumo:

Quando se fala de política, geralmente pensamos nela como uma coisa ruim e distante, como se fosse assunto apenas para os especialistas ou políticos. Afinal, o que você tem a ver com a política?

Texto enviado ao JurisWay em 08/08/2017.

Última edição/atualização em 12/08/2017.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

         É muito comum ouvirmos nos dias de hoje as pessoas falarem que não gosto de política”, “prefiro não me envolver com essas questões”, “todos os políticos são ladrões”, “sempre que um político aparece na televisão eu desligo a TV”, horário eleitoral é um saco” ou política envolve corrupção e desvio de verba”.

         No dia a dia, quando se fala de política, geralmente se pensa nela como uma coisa ruim e distante, como se fosse assunto apenas para os especialistas ou políticos. Ou então até mesmo, pensamos que a política só se restringe ao voto. Mas será que é isso mesmo? Afinal, o que você tem a ver com a política?

         Bom, apesar da existência de corrupção e de manipulação de ações para atender interesses específicos no ato político, temos que entender que esse quadro negativo só poderá mudar através da própria política. Isso porque a política é o instrumento de ação de transformação da sociedade.

         Quem nunca ouviu na escola a frase: o homem é um animal político”? Pois bem, quando Aristóteles declamou essa frase, ele quis dizer que todo homem precisa um do outro, que é da natureza humana viver em sociedade e que através da busca pelo bem comum é que se tem a constituição da polís, ou seja, a cidade, o lugar onde é compartilhada a vida pública.

         Portanto, podemos entender que política está relacionada com aquilo que diz respeito ao bem público, à vida em comum, às regras, leis e normais de conduta dessa vida, nesse espaço, e, sobretudo, ao ato de decisão que afetará todas essas questões.

         Assim, o que distingue o ser humano das outras espécies é a sua capacidade de raciocinar. E foi por meio desta habilidade que ele compreendeu a importância da vida comunitária e de conviver nesse meio de forma harmônica. E foi para isso que a Política foi criada: para regular os conflitos.

         Por exemplo: uma associação de moradores que consegue uma vitória com a instalação de um semáforo em uma rua que é bem movimentada e famosa pelo alto índice de acidentes, devido à imprudência de motoristas que não respeitam o limite de velocidade.

         Para resolver esse problema, dificilmente você conseguiria sozinho alguma resposta do poder público, mas graças à organização dos moradores, que possuem uma representação política, o problema é solucionado. Depois de algumas manifestações e protestos foi reivindicado junto à prefeitura a instalação de um semáforo na localidade. Juntos, os moradores tem um peso muito maior.

         Portanto, a política não se limita aos governantes e à profissão em si, mas abarca também uma participação na associação dos moradores do seu bairro, por exemplo, para debater sobre problemas existentes e possíveis soluções para melhorar a vida daquele local, ou quando você articula com seus amigos de escola para tentar deliberar sobre assuntos relacionados ao bem comum, como contribuir com a limpeza da escola, propondo a instalação de lixeiras de reciclagem e, consequentemente, facilitar o trabalho dos catadores de materiais recicláveis.

         A política é tão presente na vida das pessoas que até quando você decide não participar da política, você também está agindo politicamente, pois está deixando que as coisas permaneçam do jeito que elas estão e não vê necessidade de mudança.

         Daí a importância da participação cidadã. Se muitos permanecerem apáticos, deixando as decisões para terceiros, um grupo limitado acabará comandando sem oposição as decisões mais importantes do nosso país e os nossos interesses poderão não ser atendidos. Dessa forma, temos uma responsabilidade política e exercê-la também é uma forma de participação.

         Assim, nós fazemos a política, através da participação em associação de bairro, colegiado, partidos, manifestações, passeatas, nas eleições, por exemplo. Mas será que é só assim que se “faz política”?

         A política é tão presente na vida das pessoas que até quando você decide não participar dela, também age politicamente, pois está deixando que as coisas permaneçam do jeito que elas estão e não vê necessidade de mudança.

         Já parou para pensar que nós experimentamos e praticamos a política a todo o momento em nossas vidas? Na verdade, e isto é mais corriqueiro do que parece.

         As relações sociais são permeadas pela política, seja no âmbito familiar – quando queremos ir numa festa e para isso precisamos dialogar e convencer os nossos pais a nos deixar ir (lembrando que política refere-se a relações de poder, de interesse e tomada de decisão) – como na formação de um time de futebol do bairro – quando são atribuídas responsabilidades para alguns, através de candidaturas e eleições. Nesses casos também ocorrem miniprocessos políticos.

         Quando estamos parados em um ponto de ônibus para irmos à escola, enquanto alguém com melhores condições está indo de carro, não estamos pensando em política. Contudo, se pensarmos que para conseguir o nosso pé-de-meia é necessário algumas condições, aí sim, estamos vivendo a política.

         Ora, mas como assim? Vamos explicar: para adquirir um automóvel de luxo, provavelmente seja necessário um trabalho que pague bem. Isso envolve ter oportunidade de planejarmos a nossa própria vida, de juntar dinheiro, de investir. De uma maneira ou de outra, essa condição está relacionada a fatores políticos, pois é um processo político que vai definir as condições para a acumulação do pé-de-meia.

         Por exemplo, se não há oportunidade de educação para todos, consequentemente, uns terão mais dificuldade para atingir os objetivos do que outros. Se não há uma política econômica que favoreça o desenvolvimento e o acesso a oportunidades de trabalho bem remunerado, é grande a chance de que apenas alguns poucos tenham essa oportunidade.

         Por isso, é importante você se informar e participar da política, pois ela é a condução da nossa própria existência coletiva, que será refletida na nossa experiência individual, ou seja, na nossa educação ou não, na nossa saúde ou não, na nossa oportunidade de acesso ou não.

         Dessa forma, a política não é um mecanismo exclusivo de políticos e muito menos envolve apenas discursos, eleições e promessas falsas. Não é algo distante de nós; pelo contrário, faz-se presente em nossas vidas, por menor que seja o assunto abordado. A política foi criada para que possamos debater discutir e questionar questões, sem que seja preciso a utilização da violência. Através dela, foram estabelecidas regras, leis e normas, bem como o estabelecimento de direitos e deveres para conduzir as nossas ações.

         A natureza, a essência e o funcionamento da política têm que ser voltadas para a busca do interesse e bem comum. E cabe a nós participar desse processo, para contribuir e construir uma política mais desejável, afinal, no sentindo mais amplo da palavra, somos todos políticos.

         E agora, ainda acha que você e a política não têm nada a ver?


Fonte:

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Marco Antonio Martins) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2019. JurisWay - Todos os direitos reservados