JurisWay - Sistema Educacional Online
 
Kit com 30 mil modelos de petições
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Eventos
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

Lei do Caminhoneiro e a jornada de trabalho dos motoristas


Autoria:

Yamamoto Advogados


A Yamamoto Advogados é um escritório de advocacia com sedes em Curitiba e Londrina especializado em várias áreas do Direito.

envie um e-mail para este autor

Resumo:

Você sabe o que mudou em relação à jornada de trabalho dos motoristas com a nova Lei do Caminhoneiro? Conheça os detalhes da legislação na Yamamoto!

Texto enviado ao JurisWay em 14/10/2015.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

No presente artigo se procurará analisar as diversas modificações legislativas quanto à jornada de trabalho do caminhoneiro. O mesmo se justifica, tendo em vista as inovações trazidas pela Lei nº 12.619 de 2012 e pela Lei nº 13.103 de 2015, popularmente chamada de Lei do Caminhoneiro.

 

1. Como era anteriormente

Para situações passadas, os Tribunais do Trabalho enfrentavam a questão legal da jornada do motorista sob o prisma do artigo 62, inciso I, da CLT, o qual dispõe o seguinte:

Art. 62 – Não são abrangidos pelo regime previsto neste capítulo: (Redação dada pela Lei nº 8.966, de 27.12.1994)

I – os empregados que exercem atividade externa incompatível com a fixação de horário de trabalho, devendo tal condição ser anotada na Carteira de Trabalho e Previdência Social e no registro de empregados; (Incluído pela Lei nº 8.966, de 27.12.1994)

 

É que o caminhoneiro costumava ser contratado pelas transportadoras como trabalhador externo, não sujeito a controle de horário. Com isso, não eram pagas horas extras e tampouco observados intervalos de descanso.

A exceção a esta regra se dava nos casos em que, mediante ação trabalhista, se conseguia comprovar de que de alguma maneira a empresa conseguia controlar a jornada do caminhoneiro.

Era essencial demonstrar que haviam meios de se controlar quando o caminheiro estava trabalhando, podendo ser mencionado o emprego de Tacógrafos, Rastreadores Eletrônicos, equipamentos de posicionamento e funcionamento do caminhão.

Outra forma de comprovação da jornada se dava mediante a análise das viagens cumpridas pelo caminhoneiro, calculando-se, pela velocidade média, o tempo estimado do percurso.

O problema da jornada de trabalho não era só uma questão financeira, pertinente ao pagamento ou não de horas extras, mas também um problema de saúde do caminhoneiro e de segurança na estrada.

Muitos caminhoneiros foram submetidos por anos a jornadas de trabalho extenuantes sem recebimento de horas extras, e alguns sucumbiram a doenças e processos depressivos, inclusive relacionados ao uso de estimulantes.

O número de acidentes também preocupava as autoridades.

Nesse contexto, foi editada a Lei nº 12.619/2012.

 

2. Como ficou após a Lei nº 12.619/2012 (Lei do Descanso)

Conhecida como a Lei do Descanso, por estabelecer limites de jornada e intervalos para repouso, a Lei nº 12.619 introduziu uma série de direitos trabalhistas para o caminhoneiro, podendo serem destacados os seguintes:

– Jornada de Trabalho sujeita aos limites da Constituição Federal (8 horas diárias e 44 semanais), com possibilidade de prorrogação por até 2 (duas) horas extraordinárias;

– Consequente imposição ao empregador do ônus jurídico do controle de jornada, uma vez que limitada;

– Tempo à disposição do empregador considerado como jornada de efetiva de trabalho, excetuados período de refeição, repouso, espera e descanso;

– Direito ao pagamento de horas extras;

– Possibilidade de compensação de horas extras com horas de folga;

– Direito à hora noturna reduzida de 52min30s entre as 22h00 e término da jornada;

– Direito ao adicional noturno;

– Pagamento do valor da hora, acrescido de adicional de 30% (trinta por cento) para os períodos de espera para carga e descarga;

– Viagens de mais de 24 (vinte e quatro) horas fora da base da empresa ou residência: intervalo de descanso de 30 (trinta) minutos a cada 4 (quatro) horas de direção; intervalo de 1 (uma) hora para refeição e período de repouso diário com caminhão parado;

– Viagens com duração superior a 1 (uma) semana: descanso semanal de 36 (trinta e seis) horas por semana quando do retorno à base;

– Proibição da remuneração do motorista em razão da distância percorrida ou quantidade de produtos transportados quando implicar em violação de segurança;

– Intervalo de descanso de, no mínimo, 11 (onze) horas, a cada período de 24 (vinte e quatro) horas.

 

Passados pouco menos de três anos da promulgação da Lei do Descanso, sobreveio a Lei nº 13.103/2015, introduzindo modificações.

 

          3. O que mudou com a Lei nº 13.103/2015

– A obrigatoriedade de controle de jornada passou a ser expressamente exigida, obrigando as transportadoras a implementar controle mediante anotação em diário de bordo, papeleta ou ficha de trabalho externo, ou sistema e meios eletrônicos instalados nos veículos;

– Consideração como tempo de espera o tempo gasto na fiscalização da mercadoria transportada;

– Redução da remuneração dos períodos de espera, para indenização de apenas 30% (trinta por cento) do salário-hora normal (antes era o valor da hora mais um adicional de 30%);

– Garantia de salário básico independentemente dos períodos gastos em espera;

– Possibilidade de consideração como período de intervalo ou repouso durante a espera se houver instalações adequadas para tanto;

– Responsabilidade civil do Caminhoneiro pela guarda, preservação e exatidão das informações contidas nas anotações em diário de bordo;

– Modificação do intervalo de repouso semanal de 36 (trinta e seis) horas após viagens de duração superior a 7 (sete dias), para repouso de 24 (vinte e quatro) horas, sem prejuízo de repouso diário de 11 (onze) horas, usufruído pelo Caminhoneiro quando do retorno da viagem;

– Possibilidade de tempo de repouso ser efetuado mediante revezamento quando houver 2 (dois) motoristas trabalhando em cada veículo, garantindo-se repouso de 6 horas com o veículo estacionado;

– Proibição de condução ininterrupta por mais de 5 horas e meia;

– Intervalo de 30 (trinta) minutos de descanso a cada 6 (seis) horas de condução.

Houve uma diminuição dos direitos pelo advento da Lei nº 13.103/2015. Ainda assim, foram preservados institutos importantes para o caminhoneiro, a quem foi reconhecido o valor pelo trabalho dedicado nas rodovias, não só durante a condução, como nos processos de espera para carga, descarga e fiscalização.

Percebe-se que na prática as transportadoras estão tendo dificuldade para efetiva implementação e respeito a estes direitos básicos.

No entanto, os mesmos devem ser respeitados, sendo cabível ação trabalhista indenizatória em caso de descumprimento.

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Yamamoto Advogados) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2021. JurisWay - Todos os direitos reservados