JurisWay - Sistema Educacional Online
 
É online e gratuito, não perca tempo!
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

INDÚSTRIAS QUE FABRICAM RAÇÕES COMPLETAS PARA CÃES E GATOS PODEM PEDIR A ISENÇÃO DO IPI SOBRE ESSES PRODUTOS


Autoria:

Carlos Henrique Rodrigues Nascimento


Bacharel em Direito pelas Faculdades Integradas de Ourinhos. Advogado tributarista. Consultor jurídico.

envie um e-mail para este autor

Resumo:

Indústrias de rações completas podem pedir a isenção do IPI referente ao produto.

Texto enviado ao JurisWay em 03/03/2015.

Última edição/atualização em 20/03/2015.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

 

INDÚSTRIAS QUE FABRICAM RAÇÕES COMPLETAS PARA CÃES E GATOS PODEM PEDIR A ISENÇÃO DO IPI SOBRE ESSES PRODUTOS

 

 

A Quarta Turma do TRF3 (Tribunal Federal da 3ª Região), por unanimidade, confirmou decisão da 2ª Vara Federal de Marília que julgou procedente mandado de segurança impetrado pela empresa Manfrim Industrial e Comercial Ltda., que fabrica rações para cães e gatos. A referida decisão isentou os produtos “Special Dog”, “Dog Junior”, “Dog Gold”, “Special Dog Vegetais”, “Special Cat Carne” e “Special Cat Mix” do IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) pelo fato de serem produtos completos para animais e, por essa razão, enquadram-se na Tabela do IPI no código 2309.90.10, cuja alíquota é zero.

 

 

Por meio de recurso, a União alega que tais produtos enquadram-se no código 2309.10.00, afirmando que o legislador pretendeu incluir nesse código todos os alimentos para cães e gatos desde que acondicionados para a venda a retalho (varejo), quer sejam ou não alimentos completos. A União afirma ainda que a destinação do produto também é critério distintivo na classificação.

 

 

A desembargadora Federal Monica Nobre, relatora do acórdão, explica que alimentos para cães e gatos acondicionados para a venda a retalho enquadram-se, verdadeiramente, no código 2309.10.00 na Tabela de Incidência de Produtos Industrializados e apresentam alíquota de 10% de IPI. Entretanto, a mesma tabela elenca, no código 2309.90.10, “que preparações destinadas a fornecer ao animal a totalidade dos elementos nutritivos necessários para uma alimentação diária racional e equilibrada (alimentos compostos completos) têm alíquota 0% de IPI”.

 

 

A magistrada explicou que o Brasil adota o Sistema Harmonizado de Designação e de Codificação de Mercadorias, conhecido como Sistema Harmonizado, que trata-se de “um método internacional de classificação de mercadorias baseado em uma estrutura de códigos e respectivas descrições, criado para promover o desenvolvimento do comércio internacional, assim como a comparação e análise das estatísticas”.

 

 

Além disso, afirmou que as alíquotas de IPI fazem parte da Tabela de Incidência de Produtos Industrializados, que é vinculada ao Sistema Harmonizado, observando critérios estabelecidos em convenções internacionais. A desembargadora ressaltou ainda que a regra de interpretação adotada pela tabela “estabelece que a posição mais específica prevalece sobre a mais genérica e os produtos que possam ser enquadrados em mais de uma posição específica devem ser classificados pela sua finalidade e característica essencial”.

 

 

Por assim ser, a relatora decidiu, com base em documentos juntados ao processo e relatório expedido pelo Ministério da Agricultura, que, no caso concreto, “depreende-se que os produtos citados são considerados ‘alimentos completos’ para cães e gatos”, por isso, a posição mais específica na Tabela de Incidência de Produtos Industrializados deverá prevalecer sobre a mais genérica, devendo a classificação se dar sob o código 2309.90.10, com alíquota zero de IPI.

 

 

Esse julgamento abre espaço para que as indústrias fabricantes de rações completas para cães e gatos ingressem com pedido judicial a fim de os produtos serem isentados do pagamento de IPI, economizando significativo valor no que diz respeito a tributos.

 

 

Apelação/Reexame necessário nº 0004210-60.2009.4.03.6111/SP.

 

 

Fonte: http://www.trf3.jus.br/

  

 

 

Carlos Henrique Rodrigues Nascimento

 

 

O autor é advogado tributarista e sócio do escritório de advocacia Dr. André Luiz Batista Cardoso e Dr. Carlos Henrique Rodrigues Nascimento.



Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Carlos Henrique Rodrigues Nascimento) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2019. JurisWay - Todos os direitos reservados