JurisWay - Sistema Educacional Online
 
É online e gratuito, não perca tempo!
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

Regime de tributação de atividades gráficas desenvolvidas por empresa de jornalismo.


Autoria:

Thiago Barreto Paes Lomes


Bacharelando em direito pelo Centro Universitário Jorge Amado

envie um e-mail para este autor

Resumo:

Trabalho destinado a esclarecer o regime de tributação de PIS e de COFINS a que serão submetidas receitas oriundas de atividades gráficas realizadas por empresas jornalísticas

Texto enviado ao JurisWay em 17/09/2008.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

Regime de tributação de atividades gráficas desenvolvidas por empresa de jornalismo.

 

 

Thiago Barreto Paes Lomes - Bacharelando em Direito pelo Centro Universitário Jorge Amado - Salvador (BA)

 

 

I – Introdução

 

O presente trabalho visa o esclarecimento de questões atinentes ao regime de tributação de PIS e COFINS a que estarão sujeitas as receitas de empresas atuantes nas atividades inerentes à comunicação jornalística, que em conjunto a estas atividades realizam também atividades gráficas.

 

Qual deve ser o regime de tributação do PIS e da COFINS (cumulativo x não cumulativo) ao qual estão sujeitas atividades gráficas desenvolvidas por empresas jornalísticas, dentre elas, impressão de jornais de terceiros, encartes, folders, convites, livros, revistas, dentre outras.

 

O tema gera inquietação na medida em que alguns empresários relacionados a estas atividades levantam dúvidas devido ao fato de, por serem as atividades jornalísticas, por vezes desempenhadas predominantemente pela empresa, submetidas à exceção legal da regra de não-cumulatividade do PIS e da COFINS, tal situação acarretaria no enquadramento das receitas de demais atividades por ventura desempenhadas nessa mesma sistemática de apuração, ou se, independente do enquadramento legal dado à atividade predominante, poderiam receitas diversas ser submetidas ao regime de exceção legal das referidas exações (cumulativo).

 

Merece destaque também a questão relativa às receitas oriundas de venda avulsa de jornais, ou seja, as vendas realizadas a revendedores, caso em que poderiam ser consideradas tais operações venda de produto, o que em tese poderia enquadrar tais receitas na regra geral da não-cumulatividade de PIS e COFINS.

 

Antes de adentrarmos ao cerne da questão, cumpre traçar um breve escorço histórico acerca dos regimes de tributação do PIS e da COFINS.

 

Conforme é sabido, as empresas exploradoras de atividades jornalísticas estão sujeitas tributação do PIS e da COFINS pelo sistema cumulativo, mesmo após a edição das Leis n.º 10.637/2002 e 10.833/2004.

 

Nesse ínterim apresenta-se a controvérsia sub studio, já que nessa situação não fica devidamente claro qual a forma correta de tributação das receitas para o PIS e a COFINS se, por ventura uma empresa concomitantemente com a atividade jornalística, realize também (para si e para terceiros) atividades gráficas.

 

Tendo relevância ainda a situação do regime de tributação a que serão submetidas receitas de venda avulsa de jornais, que são as receitas auferidas com a venda do jornal para as bancas e que podem ser entendidas como venda de produto, o que gera dúvidas acerca do correto o regime de tributação a ser utilizado.

 

Para facilitar a abordagem da questão posta, podemos sumariar o enfoque do presente em dois pontos:

 

1 – Os serviços gráficos, em parte, prestados a terceiros, e nem sempre relativos a impressão de jornais e/ou periódicos suscita dúvidas, já que a atividade pode ser considerada como de prestação de serviço/venda de produtos.

 

2 – As vendas avulsas de jornal, como não representam transação travada diretamente com o consumidor final do produto, poderiam da mesma forma, assemelhar-se a vendas de produtos, o que em tese descaracterizaria a situação legalmente prevista de tributação pelo sistema cumulativo.

 

Nesse passo, estando as empresas do ramo sujeitas à tributação do PIS e da COFINS na forma já mencionada, passaremos a esclarecer a forma de tributação das receitas relativas a vendas avulsas de jornais e demais receitas relativas aos serviços gráficos prestados a terceiros.

 

Ante a estas breves considerações, podemos sumariar as questões relevantes à presente análise em:

 

1) Qual o regime de tributação das receitas relativas a impressão de jornais de terceiros, encartes, folders, convites, livros, revistas, etc.?

 

2) Qual o regime de tributação das receitas relativas às vendas avulsas de jornal?

 

Passamos então ao nosso entendimento sobre cada quesito específico, mas antes, como intróito aos nossos entendimentos, é importante tecer um breve comentário acerca dos critérios determinantes do regime de tributação do PIS e da COFINS.

 

Para uma análise mais detida da questão, cumpre-nos trazer à baila os dispositivos das Leis n.º 10.637/2002 e n.º 10.833/2004 que estabelecem as situações em que a tributação do PIS e da COFINS permanece nos moldes da legislação anterior, ou seja, no regime cumulativo:

 

Previsão legal quanto ao PIS:

 

Lei 10.637/2002

 

Art. 8o Permanecem sujeitas às normas da legislação da contribuição para o PIS/Pasep, vigentes anteriormente a esta Lei, não se lhes aplicando as disposições dos arts. 1o a 6o:

 

(...)

 

XI - as receitas decorrentes de prestação de serviços das empresas jornalísticas e de radiodifusão sonora e de sons e imagens. (Incluído pela Lei n.º 10.684, de 30.5.2003)

 

 

Previsão legal da COFINS:

 

Lei 10.833/2004

 

Art. 10. Permanecem sujeitas às normas da legislação da COFINS, vigentes anteriormente a esta Lei, não se lhes aplicando as disposições dos arts. 1o a 8o:

 

(...)

 

IX - as receitas decorrentes de prestação de serviços das empresas jornalísticas e de radiodifusão sonora e de sons e imagens;

 

IX - as receitas decorrentes de venda de jornais e periódicos e de prestação de serviços das empresas jornalísticas e de radiodifusão sonora e de sons e imagens; (Redação dada pela Lei n.º 10.865, de 2004)

 

Ante à legislação retro colacionada percebemos que estamos aqui diante de uma situação em que o legislador, por questões de política fiscal, decidiu manter o regime de tributação em determinadas situações na sistemática cumulativa para o PIS e a COFINS, sendo fator determinante de sua opção a natureza da receita  auferida pela Pessoa Jurídica.

 

Em outras palavras, a opção do legislador ordinário de, em determinados casos, manter a sistemática de tributação cumulativa do PIS e da COFINS se deve à natureza da atividade ou da receita auferida, não se constituindo em uma prerrogativa inerente à pessoa jurídica em si que predominantemente explora uma determinada atividade.

 

Feitas essas considerações preliminares passamos a responder os quesitos na ordem que se apresentam:

 

 

1) Qual o regime de tributação das receitas relativas a impressão de jornais de terceiros, encartes, folders, convites, livros, revistas, etc.?

 

Conforme as considerações acima delineadas, fica claro que nosso atual sistema de tributação através das contribuições ao PIS e à COFINS adotou como regra o sistema da não-cumulatividade e, em casos excepcionais, admitiu a permanência da tributação com base na legislação anterior (Lei 9.718/98), a cumulatividade.

 

Nesse aspecto, é importante destacar que tanto a Lei n.º 10.637/2002 quanto a Lei n.º 10.833/2004 adotaram como critério de exceção, a comercialização de um determinado tipo de mercadoria ou a prestação de um determinado tipo de serviço.

 

Estando essa receita decorrente de venda de mercadoria e/ou prestação de serviço dentre as hipóteses de exceção dispostas nas r. leis, há que ser aplicada a cumulatividade exclusivamente com relação àquela determinada receita. E dentre essas exceções restam expressamente consignadas, as receitas de venda de jornais e periódicos e serviços das empresas jornalísticas.

 

Portanto, tratando a questão da tributação das receitas relativas a jornais e periódicos e serviços prestados por empresas jornalísticas como exceções à regra, nos permite concluir que as empresas devem tributar as receitas relativas à venda de jornais e periódicos ou serviços ligados à sua produção (serviços jornalísticos), pela sistemática da cumulatividade, enquanto que as demais atividades não enquadradas na legislação sob comento, pela sistemática não-cumulativa.

 

Tal conclusão decorre do fato de ser o regime de tributação nesse caso definido, repita-se, pela natureza da receita auferida nas operações da Pessoa Jurídica.

 

Com efeito, o fato de todas as receitas oriundas de atividades gráficas serem prestadas, por exemplo, como empresa jornalística, em nada altera a natureza da receita, sendo, portanto esse fato irrelevante para o enquadramento acerca do regime de tributação.

 

Assim, fazendo uma análise da legislação pertinente, podemos concluir que:

 

1)     Devem ser tributados pelo sistema cumulativo: (i) as receitas auferidas com a venda (atividade comercial) de jornais e periódicos, e (ii) com a prestação de serviço jornalístico, assim entendida como “Atividade profissional da área de Comunicação Social que visa à elaboração de notícias para publicação em jornal, revista, rádio, televisão, etc., acompanhadas ou não de comentários”(Dicionário Aurélio);

 

2)    Devem ser tributados pelo sistema não-cumulativo: (i) receitas auferidas com a venda de qualquer outra mercadoria que não jornais e periódicos; (ii) receitas decorrentes de prestação de serviço de impressão de jornais e periódicos de terceiros, bem como receita auferida por atividade não arrolada na legislação (impressão de livros, convites, folders, banners, panfletos, etc.).

 

Por fim, salientamos que a Receita Federal já regulou a hipótese de um determinado contribuinte auferir receitas provenientes da venda de uma mercadoria sujeita ao sistema cumulativo e outra mercadoria sujeita ao sistema não-cumulativo, devendo ainda em relação às receitas a serem tributadas pela sistemática não-cumulativa, ser adotadas providências  para sua regularização na escrita fiscal.

 

Nesse sentido é a previsão contida no art. 40 da Instrução Normativa SRF n. 594 abaixo transcrita, Vejamos:

 

Art. 40.  Na hipótese de a pessoa jurídica sujeitar-se à incidência não-cumulativa da Contribuição para o PIS/Pasep e da Cofins em relação apenas a parte de suas receitas, o crédito deve ser apurado, exclusivamente, tendo por base os custos, as despesas e os encargos vinculados a essas receitas, que deverão ser registrados separadamente daqueles vinculados às receitas sujeitas à incidência cumulativa das contribuições.

 

§ 1º Para efeito do disposto no caput, os valores a serem registrados devem ser determinados, a critério da pessoa jurídica, pelo método de:

 

I - apropriação direta, inclusive em relação aos custos, por meio de sistema de contabilidade de custos integrada e coordenada com a escrituração, com a utilização do método de custo real de absorção, mediante a aplicação de critérios de apropriação por rateios que dêem uma adequada distribuição aos custos comuns; ou

 

II - rateio proporcional, aplicando-se aos custos, às despesas e aos encargos comuns a relação percentual existente entre a receita bruta sujeita à incidência não-cumulativa e a receita bruta total, auferidas em cada mês.

 

§ 2º O método referido no § 1o, eleito pela pessoa jurídica, deve ser aplicado consistentemente por todo o ano-calendário para a Contribuição para o PIS/Pasep e para a Cofins.

 

Assim, as empresas que se enquadrarem na situação sob comento deverão:

 

1 – Abrir duas contas distintas para as receitas tributadas na sistemática cumulativa e na não-cumulativa, pois essa segregação torna-se essencial na apuração da base de cálculo a ser considerada em uma sistemática e noutra.

 

2 – Criação de uma outra conta, destinada a apurar os créditos gerados pelas operações tributadas pela sistemática não-cumulativa (custos).

 

 

2) Qual o regime de tributação das receitas relativas às vendas avulsas de jornal?

 

Ante às conclusões já delineadas, verificamos que também nesta situação as receitas atinentes às vendas de jornais (editados e impressos pela Pessoa Jurídica) serão tributadas por PIS e COFINS em sua sistemática cumulativa, pois o fato da empresa vender diretamente ao consumidor final, ou a um terceiro intermediário que revende ao consumidor final, em nada altera a natureza da receita auferida, que conforme já evidenciado, é o que define a sistemática de tributação.

 

 

II – Conclusões:

 

Deste modo, por todo o exposto, podemos concluir que o regime de tributação das receitas auferidas a partir das atividades de serviços gráficos assumidas por empresas que, por ventura, desempenhem também atividades jornalísticas, vai depender da atividade realizada.

 

Se o produto da atividade gráfica estiver consignado dentre as exceções à regra da não-cumulatividade previstas na legislação específica, pela sistemática cumulativa deve ser tributado, caso contrário, seguirá a regra da não-cumulatividade.

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Thiago Barreto Paes Lomes) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2019. JurisWay - Todos os direitos reservados