JurisWay - Sistema Educacional Online
 
Kit com 30 mil modelos de petições
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Eventos
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

EXAME CRIMINOLÓGICO PARA CONCESSÃO DE PROGRESSÃO DE REGIME PRISIONAL


Autoria:

Patricia D Araújo


Sou estudante do Curso de Direito da Unisulma - Instituto de Ensino Superior do Sul do Maranhão. Tenho formação em Psicanálise e atualmente trabalho no escritório jurídico da concessionária de energia elétrica do Estado. Escrever é uma arte e como tal requer conhecimento e dedicação.

envie um e-mail para este autor

Resumo:

Artigo elaborado em questionamento à legalidade de cobrança pelo magistrado para exigência de exame criminológico para progressão de regime prisional, face alterações ao artigo 112 da LEP.

Texto enviado ao JurisWay em 06/11/2014.

Última edição/atualização em 20/11/2014.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

 

EXAME CRIMINOLÓGICO PARA CONCESSÃO DE PROGRESSÃO DE REGIME PRISIONAL

 

 

Foi adotada pela atual Lei de Execuções Penais o Princípio da Individualização da Pena, com base no art.5º, XLVI, da CF: “ a lei regulará a individualização da pena e adotará ...” Para que haja a individualização da pena faz-se necessária a classificação do condenado ou preso provisório, em obediência ao princípio já mencionado e a Dignidade da Pessoa Humana, buscando-se a ressocialização do preso.

 

A LEP determina em seu artigo 7º: “ A Comissão Técnica de Classificação, existente em cada etabelecimento, será presidida pelo Diretor e composta, no mínimo, por dois chefes de serviço, um psiquiatra, um psicólogo e um assistente social, quando se tratar de condenado à pena privativa de liberdade.”

 

Observa-se o caráter multidisciplinar da comissão com vistas a criação de um programa individualizado para cumprimento da pena, adequado ao preso e moldado conforme seus antecedentes e personalidade.

 

 Mas a individualização da pena não se encerra com a sentença, outros benefícios são reconhecidos ao presos como a progressão de regime prisional, fazendo-se necessárias adaptações ao longo do cumprimento da pena.

 

 Antes da promulgação da Lei 10.792/2003, que modificou o artigo 112 da LEP, a progressão de regime dava-se da seguinte forma:

 

a)cumprimento de 1/6 da pena no regime anterior;

 

b)ostentar bom comportamento carcerário (comprovado pelo diretor do presídio);

 

c)exame criminológico (feito para avaliar a personalidade do preso, periculosidade e capacidade de ressocialização).

 

 

A redação do referido artigo ficou da seguinte forma: “A pena privativa de liberdade será executada em forma progressiva com a transferência para regime menos rigoroso, a ser determinada pelo juiz, quando o preso tiver cumprido ao menos um sexto da pena no regime anterior e ostentar bom comportamento carcerário, comprovado pelo diretor do estabelecimento, respeitadas as normas que vedam a progressão.”

 

 É indubitável a alteração trazida pelo vernáculo que desautoriza a obrigatoriedade do exame criminológico para obtenção da progressão de regime. Alteração bastante constestada entre doutrinadores como Sá & Alves que apontam para um retrocesso na forma em que os exames são feitos, meros expedientes mecanizados e padronizados, desprovidos de elementos terapêuticos que confirmem evolução do estado do preso quando da sua entrada no estabelecimento.

 

 O exame tem caráter pericial, para tanto deve ser eleborado por profissional legalmente qualificado e designado para tal, compreendendo psiquiatras, psicólogos e assistentes sociais. Nos moldes do Manual de Tratamento Penitenciário Integrado para o Sistema Penitenciário Federal. Como ocorrem com os psicólogos, que são definidos pela resolução 12/2011 do Conselho Federal de Psicologia.

 

 O exame criminológico é obrigatório para o condenado ao cumprimento de pena no regime fechado, e facultativo para o condenado ao regime semiaberto. Diferenciando-se da avaliação psicológica uma vez que analisa a subjetividade do preso e o delito cometido, adotando-se então uma prognose.

 

Para Renato Marcão a alteração não foi a contento, o mesmo afirma: “mudou para pior, resgistre-se, motivo pelo qual advogamos a volta do exame criminológico obrigatório para determinados tipos de crimes, expecialmente em relação aos hediondos e assemelhados e também para aqueles praticados com violência real ou grave ameaça contra a pessoa, mas daí a corrigir 'na caneta' as impropriedades do legislador é algo que não podemos aceitar tranquilamente.”

 

 Das correções mencionadas por Renato Marcão entenda-se a jurisprudência adotada pelo STJ e pelo STF, com base no Princípio do Livre Convencimento Motivado (CF, art. 93, IX), desqualificando o art. 112 e tornando-o ineficaz.

 

 HABEAS CORPUS-EXECUÇÃO PENAL- PROGRESSÃO DE REGIME-AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA E SOCIAL QUE RECOMENDA A NEGATIVA DO BENEFÍCIO-POSSIBILIDADE-ORDEM DENEGADA, COM RECOMENDAÇÃO. 1. O exame criminológico para fim de progressão de regime é, em tese, dispensável, mas se realizada avaliação psicológica e social, com laudos desfavoráveis ao paciente, elas devem ser consideradas. 2. Ordem denegada, com recomendação. (HC nº 94.426 – RS, Rel. Min. Jane Silva, DJ: 03/03/2008).

 

 Diz a Súmula Vinculante 26 do STF: Para efeito de progressão de regime no cumprimento de pnea por crime hediondo, ou equiparado, o juízo da execução observará a inconstitucionalidade do art. 2º da Lei n. 8.072, de 25 de julho de 1990, sem prejuízo de avaliar se o condenado preenche, ou não, os requisitos objetivos e subjetivos do benefício, podendo determinar, para tal fim, de modo fundamentado, a realização de exame criminológico.

 

Das lições do professor Luis Flávio Gomes tem-se que o princípio da legalidade execucional faz necessária: “A jurisdição penal dos juízes ou tribunais de justiça ordinária, em todo o território nacional, será exercida, no processo de execução, na conformidade desta Lei e do Código de Processo Penal”. (LEP, art. 2º, caput. Direito Penal – Parte Geral:volume 2 / Luis Flávio Gomes, Antônio García-Pablos de Molina – 2ª ed. - São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, p. 32/33).

 

A jurisprudência, assim adotada, estará ferindo o princípio da legalidade fundamental à existência do Estado Democrático de Direito. Pois onde há maior vulnerábilidade aos ditames constitucionais, como na execução penal, maior deve ser a tutela aos direitos e à dignidade humana. O livre árbitrio do juiz equivoca-se diante das circunstâncias, uma vez que a reserva legal deve ser respeitada e o Estado de Direito defendido. Para resolver esta questão melhor seria o retorno do exame criminológico, no meu entendimento apenas em relação a alguns crimes sendo estes os definidos na lei penal como hediondos e assemelhados, não sendo suficiente assim a fundamentação do juiz ao caso concreto.

 

 

 

Referências

 

 

1. SÁ, Alvino Augusto de. Alves, Jamil Chaim. Dos pareceres da comissão técnica de classificação na individualização executória da pena: uma revisão interdisciplinar. Boletim IBCCRIM: São Paulo, ano 17, n. 7-9, ago. 2009.

 

2. Brasil. Lei de Execução Penal. LEI Nº 7.210 de 11 de JULHO de 1984.

 

3. Resolução CFP 012/2011. Regulamenta a atuação do(a) psicólogo(a) no âmbito do sistema prisional.

 

4. Direito Penal – Parte Geral:volume 2 / Luis Flávio Gomes, Antônio García-Pablos de Molina – 2ª ed. - São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, p. 32/33.

 

5. MARCÃO, Renato. Execução Penal. São Paulo: Saraiva, 2012. - Coleção Saberes do Direito.

 

 

 

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Patricia D Araújo) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2021. JurisWay - Todos os direitos reservados