JurisWay - Sistema Educacional Online
 
É online e gratuito, não perca tempo!
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

JUROS CONSCIENTES


Autoria:

Andhrey Nunes Penha


Estudante do 2º semestre de Direito da Universidade Estácio de Sá, Campo Grande MS

envie um e-mail para este autor

Resumo:

As instituições financeiras oferecem crédito de forma cada vez mais facilitada e os consumidores enxergam nessa oferta a promessa para solução dos problemas em curto prazo, deixando de observar as taxas de juros e sem fazer qualquer planejamento...

Texto enviado ao JurisWay em 09/05/2014.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

As nações, em sua busca incessante pelo progresso e estabilidade financeira, estão sempre reinventando mecanismos que movimentem a economia, exemplo disso é o Capitalismo, um sistema “novo” levando em consideração o feudalismo, que durou praticamente 1.000 (mil) anos.

A necessidade de um novo estilo de vida que inicialmente foi influenciado e financiado pela burguesia, e a forte introdução dos pensadores iluministas aos Direitos Humanos mobilizaram todo o mundo para uma nova era da economia.

Chegamos ao século XXI, com o capitalismo identificado pela venda de dinheiro, pelo consumo absurdo de bens não duráveis ou de qualquer outro bem, lucros, juros, vendas e mais vendas. Como comprar tanto, se eu não possuo condições financeiras?

Foi pensando nisso que nasceram os créditos bancários, empréstimos, etc., tornando-se um dos grandes causadores de litígios na sociedade. São assuntos dessa espécie que lotam o poder judiciário com suas demandas incessantes.

As instituições financeiras oferecem crédito de forma cada vez mais facilitada e os consumidores enxergam nessa oferta a promessa para solução dos problemas em curto prazo, deixando de observar as taxas de juros e sem fazer qualquer planejamento em longo prazo.

Portanto, o capitalismo nos condiciona a entrar nessas armadilhas, essa grande ratoeira do consumo, e volta e meia, nos deparamos afundados em dívidas por falta de atenção, restando ao consumidor culpar quase sempre as instituições financeiras e buscar o poder judiciário.

Não obstante o ajuizamento de inúmeras ações em desfavor das instituições financeiras, os contratos são firmados em estrita conformidade com a lei e no caso de controvérsia com a legislação, as instituições são severamente penalizadas.

Enfim, há dois lados nessa história, é preciso haver a reeducação financeira para consumidores e mais critério por parte das instituições no fornecimento do crédito.

A conscientização do cliente deve ser intensa, pois grande parte da população não sabe utilizar os recursos disponíveis, e os inadimplentes cada vez mais jovens, infelizmente, pensam da seguinte forma: “irei sujar meu nome”, literalmente isso, e usam a seguinte desculpa para deixar de pagar os débitos: “quando a dívida caducar, sujo de novo.” Isso não é generalizar, mas é uma atitude cada vez mais comum.

Falta uma gestão maior por parte das instituições, e quando digo gestão não quero dizer só interna, falo de gestão externa, aquela que não visa grandes lucros e quantidade de clientes ou quaisquer outros motivos relacionados apenas aos rendimentos. Interessante seria que fosse oferecida uma espécie de consultoria para todos os clientes, uma “Prevenção de Ações de Créditos”. Uma divisão na própria empresa, que auxilie o cliente para uma solução mais apropriada para o seu tipo de problema.

Evitariam assim, futuros problemas de demandas envolvendo a revisão de cláusulas contratuais, que consistem em altos custos judiciais e principalmente, muito tempo até serem resolvidas.

 

 

  Andhrey Nunes Penha – estudante do 2º semestre de direito na Universidade Estácio de Sá.

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Andhrey Nunes Penha) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2019. JurisWay - Todos os direitos reservados