JurisWay - Sistema Educacional Online
 
É online e gratuito, não perca tempo!
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Eventos
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

Estudo comparativo entre as leis de licitação Federal e Estadual - Modalidades, Credenciamento, Fases do Processo Licitatório e Dispensa/Inexigibilidade


Autoria:

Max Cardoso Campos


Advogado Tributarista, com MBA em Business & Management pelo Institute of Commercial Management of Ireland, Extensão em Justice - Political Philosophy pela Universidade de Harvard, Pós-Graduado em Direito Público e Tributário pela Universidade Cândido Mendes-RJ, Pós-Graduando em Compliance e Integridade Corporativa pela PUC-MG, Membro da Comissão de Direito Tributário da OAB da Bahia, autor de artigos jurídicos publicados em sites especializados na área, sócio do Oliveira Pinto, Vilela, Santos & Campos Advogados.

envie um e-mail para este autor

Outros artigos da mesma área

A Garantia do Devido Processo Legal na Transgressão Disciplinar Militar

AS VANTAGENS, OBRIGAÇÕES E O INTERESSE DA MUNICIPALIDADE EM SE FAZER PARTE DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA

UM ESTUDO SOBRE AS INOVAÇÕES NO DIREITO ADMINISTRATIVO

APLICAÇÃO DO ART. 59 DO CÓDIGO PENAL PARA FIXAR A RESPONSABILIDADE DO SERVIDOR NA ESFERA DISCIPLINAR ADMINISTRATIVA.

A estabilidade é garantia do empregado público ou este poderá ser demitido sem qualquer fundamentação, mesmo quando tenha ingressado na Administração Pública por meio de concurso.

CUSTO SOCIAL DA MILITARIZAÇÃO PARA OS POLICIAIS

Poder Hierárquico

A influência do direito estrangeiro e o common law no direito administrativo brasileiro

AS PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS À LUZ DO ORDENAMENTO JURÍDICO BRASILEIRO

NOÇÕES QUANTO A ATUAÇÃO EXTRAJUDICIAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO

Mais artigos da área...

Texto enviado ao JurisWay em 18/05/2012.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

De acordo com o artigo 22, XXVII, da CF/88, a União tem competência privativa para legislar sobre as normas gerais de licitação e contratação. Assim, é que o Estado da Bahia, no exercício da sua competência e diante da autonomia constitucionalmente assegurada aos entes da Federação, editou a Lei Estadual nº 9.433/2005, dispondo sobre licitações e contratos administrativos.

É de bom alvedrio salientar que o Princípio da Simetria tem como finalidade nortear os entes federados na elaboração das suas Constituições, estabelecendo aos Estados e Municípios as mesmas limitações impostas à União.

Tal princípio pode ser observado na Lei Estadual 9.433/2005 que disciplinou em seu âmbito as normas especificas acerca da matéria de licitações e contratos administrativos, reproduzindo, entretanto, as normas gerais obrigatórias entabuladas na Lei Federal 8666/1993.

 

I – Modalidades de Licitação

 

O artigo 50 da Lei 9.433/2005 trata sobre as modalidades de licitação, quais sejam, concorrência, tomada de preço, convite, pregão, concurso e leilão. Neste ponto, vale ressaltar que a Lei estadual se mostra mais avançada do que a Federal, uma vez que introduziu em seu rol de modalidades o Pregão, que somente foi instituído pela Lei 10.520/2002, ao contrario daquela Lei, não obstante a utilização do pregão no âmbito federal ocorra de maneira freqüente e pacifica.

 

II - Credenciamento

 

Outra inovação trazida pela legislação estadual foi o Credenciamento, previsto nos artigos 61 e seguintes, cabível quando inexigível a licitação por inviabilidade de competição, seja em virtude da natureza do serviço a ser prestado, seja pela impossibilidade de, na prática confrontar os interessados em um mesmo nível de igualdade. Nestes casos a Lei previu que certas necessidades da Administração podem ser atendidas de maneira mais eficaz com a contratação do maior número possível de prestadores de serviço, hipótese em que a Administração procederá ao credenciamento de todos os interessados que atendam às condições previamente estabelecidas.

 

III – Fases da Licitação

 

No que tange as fases do processo licitatório, a Lei 9.433/2005 trouxe significativas alterações. Vejamos.

A lei 8666/1993 previa, inicialmente, a abertura dos envelopes contendo a documentação relativa à habilitação dos candidatos. Apenas eram abertos os envelopes com as propostas de menor preço dos interessados que fossem considerados habilitados. Por sua vez, a referida Lei estadual preconiza a abertura dos envelopes contendo as propostas de preço, sendo selecionados os três primeiros concorrentes, cujos envelopes relativos à documentação habilitatória, somente nesta oportunidade serão apreciados pela Administração.

 

IV – Dispensa e Inexigibilidade

 

Outrossim, em relação a dispensa da licitação, a norma estadual trouxe as mesmas hipóteses elencadas na Lei Federal, cuidando apenas de formalizar a responsabilidade da autoridade competente em conceituar, através de ato formal, o estado de calamidade pública e a grave perturbação da ordem interna ou guerra.

Cumpre salientar que a Lei 9433/2005, ao dispor sobre inexigibilidade de licitação, também repetiu as hipóteses aventadas na Lei 8666/93, dedicando-se somente a conceituar o produtor, a empresa, o representante comercial ou o revendedor exclusivo, para o caso de aquisição de materiais, equipamentos ou determinados gêneros específicos, consoante norma inserta no inc. I, do art. 60, da legis estadual.

 

V - Conclusão

 

Destarte, resta evidente que a Lei 8666/93, conforme competência constitucional já esposada, abordou as normas gerais relativas aos procedimentos licitatórios, deixando aos Entes Federados a elaboração de leis especificas sobre a matéria. E nesse diapasão, a Lei 9433/2005 cumpriu este papel, pois, moderada nos princípios constitucionais e licitatórios, proporcionou redução do tempo de conclusão das licitações, desburocratizou o procedimento licitatório e vem ensejando a obtenção de melhores preços com maior qualidade, gerando significativa economia para a Administração e trazendo maior rapidez e eficiência nas contratações.

 

 

Bel. Max Campos

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Max Cardoso Campos) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2020. JurisWay - Todos os direitos reservados