JurisWay - Sistema Educacional Online
 
É online e gratuito, não perca tempo!
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Eventos
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

Os avanços do Código de Defesa do Consumidor


Autoria:

Joice Adriana Gonçalves De Freitas


Advogada. 02 anos de estágio em uma Seguradora. 18 meses como estagiária concursada da Defensoria Pública do Estado do Rio de Janeiro.

envie um e-mail para este autor

Resumo:

Este artigo tem por objetivo apresentar de forma sucinta os avanços mais imortantes do Código de Defesa do Consumidor, bem como a sua tamanha relevância dentro do nosso ordenamento jurídico.

Texto enviado ao JurisWay em 25/10/2011.

Última edição/atualização em 27/10/2011.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

 

Instituído no ordenamento jurídico brasileiro pela Lei Nº 8.078, de 11 de setembro de 1990, o Código de Defesa do Consumidor reúne normas criadas com o fito de disciplinar a relação entre fornecedor e consumidor. Tal lei especícifa foi criada para materializar uma garantia já prevista pela Constituição da República Federativa do Brasil de 1988, em seu art. 5º, XXXII, senão vejamos:

Art. 5º - Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes:
XXXII - O Estado promoverá, na forma da lei, a defesa do consumidor.”
Grifos nossos.
            Assim, podemos observar que a Carta Magna não tão somente garante ao consumidor a proteção que lhe é de direito, como também exige que o Estado a promova. Tendo em vista o sistema capitalista adotado em nosso país, inconteste é a grande desigualdade técnica e econômica entre consumidor e forecedor, necessitando portanto o consumidor de proteção especial dos seus direitos.
            Desta feita, exercendo sua competência para legislar prevista no art. 24, §1º da CRFB/88, a União em cumprimento ao art. 48 do ADCT, desenvolveu o Código de Defesa do Consumidor (Lei 8.078/90), estabelecendo portanto normas gerais de proteção deste. Entretanto, haja vista sua competência ser concorrente, cabe aos Estados e ao Distrito Federal exercerem sua competência suplementar e legislarem na forma do art. 24, §2º da CRFB/88, de acordo com as suas necessidades regionais.
            Nesse diapasão, podemos dizer que o Código de Defesa do Consumidor marcou o início de um novo sistema jurídico do ramo do direito privado, qual seja o Direito do Consumidor.
            Ocorre que, em seu Título VII, o CDC previa a aplicação de sanções administrativas no caso de infração das normas de defesa do consumidor. Foi criado então, o Decreto nº. 2.181/97 que disporia sobre a organização do SNDC (Sistema Nacional de Defesa do Consumidor)   que foi criado para que houvesse uma integração entre os Procons (Procuradoria de Proteção e Defesa do Consumidor) objetivando a aplicação não divergente das normas de consumo, e estabeleceria regras gerais de aplicação das sanções administrativas previstas no Título supracitado.
            Mais tarde era instituída a chamada “Lei da Precificação” (Lei nº. 10.962/04), que veio para regulamentar a oferta e afixação de preços de bens e serviços para o consumidor, complementando o disposto no art. 6º, III do CDC que estabelecia que o fornecedor deveria prestar informações aos consumidores de forma clara, precisa e ostensiva, com especificações corretas de quantidade, característica, composição, qualidade  e preço,  bem como sobre os riscos que apresentem.
            Objetivando complementar o texto da Lei supracitada, foi criado o Decreto nº. 5.903/06, que esclareceria os termos utilizados na referida Lei e disporia sobre as práticas infracionais que atentam contra o direito básico do consumidor de obter informação adequada e clara sobre produtos e serviços.
            Podemos concluir então, que desde o momento em que o CDC entrou em vigor no nosso ordenamento jurídico, pudemos acompanhar bem claramente o seu avanço, pois o mesmo vem sendo cada dia mais aprimorado, não permanecendo ‘congelado’ e sem aplicação, como ocorreu com algumas leis que entraram em desuso.
                                                                              _____________________________________
                                                                              Este artigo jurídico é de autoria de Joice Freitas.
Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Joice Adriana Gonçalves De Freitas) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Comentários e Opiniões

1) Marcio (29/10/2011 às 19:51:09) IP: 189.106.3.47
Parabéns! Sucesso!


Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2021. JurisWay - Todos os direitos reservados