JurisWay - Sistema Educacional Online
 
JurisWay - Produção de Textos com Certificado
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

DIREITOS REAIS SOBRE COISAS ALHEIAS: ENFITEUSE


Autoria:

Eduardo Paulucci Rodrigues Filho


Estudante de direito da UNIVERSIDADE DE RIBEIRÃO PRETO.

envie um e-mail para este autor

Outros artigos do mesmo autor

DIREITO DE FAMÍLIA: ADOÇÃO
Direito de Família

Outros artigos da mesma área

O DIREITO REAL DE SUPERFÍCIE ENTRE PARTICULARES NO CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO: a extinção como modo de aquisição da propriedade plena pelo superficiário em caso de inocorrência de indenização

Alienação Parental

A posse, modos aquisitivos e a possível fundamentação no Direito.

A Importância da Psicologia Jurídica frente à Irrevogabilidade da Adoção

DIREITO À PRÓPRIA IMAGEM E SUAS LIMITAÇÕES NO SISTEMA JURÍDICO BRASILEIRO

Revista Íntima Vexatória Indenizável

ASPECTOS DA REPRODUÇÃO ASSISTIDA E O DIREITO SUCESSÓRIO NA LEGISLAÇÃO BRASILEIRA

A APLICAÇÃO DA TEORIA DA PERDA DE UMA CHANCE NAS AÇÕES DE RESPONSABILIDADE CIVIL COM FUNDAMENTO NO DANO EMERGENTE

Os princípios do Código Civil inerente às faces da sociedade

Erro grosseiro na Responsabilidade Civil do Médico no Direito Brasileiro

Mais artigos da área...

Resumo:

RESUMO: trata do instituto enfiteuse, de suas características bem como formas de extinção. PALAVRAS-CHAVE:enfiteuse; direitos reais

Texto enviado ao JurisWay em 13/12/2010.

Última edição/atualização em 16/12/2010.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

Ao fazer um esboço histórico, o aparecimento da enfiteuse tem origens no Império do Ocidente, e de acordo com PEREIRA, os primeiros contratos enfitêuticos datam do século II da nossa era. Mas foram as condições econômicas do Baixo Império que propiciaram o seu desenvolvimento. Na fase Justiniana, o instituto enfitêutico passou a ser conceituado, onde o uso das terras pertencentes ao Estado, aos Municípios, foram dadas em locação perpétua, constituindo uma modalidade locatícia, e não um direito real, mas devido à sua longa duração, tornou-se mais tarde em perpetuidade. RODRIGUES, coloca que no direito romano aparecem em épocas diversas, dois institutos de natureza muito semelhante que, reunidos por Justiniano em um só, vão constituir a enfiteuse na forma que hoje a conhecemos.São os arrendamentos perpétuos. A enfiteuse foi retirada do rol dos direitos reais do artigo 1.225 do Código Civil, sendo prevista no artigo 2.038, no Livro Complementar, que estabelece as Disposições Finais e Transitórias. A nova regulamentação civil brasileira proíbe a instituição de novas enfiteuses, subenfiteuses e determina que as já existentes sejam disciplinadas de acordo com o Código Civil de 1916. Portanto as enfiteuses já constituídas são direitos reais. Desta maneira, pode a nova lei proibir a sua constituição, mas não pode desconhecer as já existentes. A enfiteuse também chamada de emprazamento ou aforamento, é a relação jurídica por via da qual o senhorio direto (proprietário) autoriza outra pessoa, chamada de enfiteuta, a usar, gozar e dispor da coisa e transmiti-la por herança. O titular do direito real sobre a coisa alheia, o enfiteuta tem um poder muito amplo sobre a coisa. Por isto se diz que a enfiteuse é o mais amplo dos direitos reais sobre coisas alheias. O proprietário praticamente conserva apenas o nome do dono da coisa e alguns poucos direitos sobre ela, que se manifestam em ocasiões restritas. PEREIRA, é de opinião que enfiteuse é um direito real e perpétuo de possuir, usar e gozar de coisa alheia e de empregá-la na sua destinação natural sem lhe destruir a substância, mediante o pagamento de uma pensão anual invariável. Sendo diverso de outros direitos reais, que são parciais e fragmentários, a enfiteuse revela total amplitude que retira do proprietário quase todas as faculdades inerentes ao domínio. Portanto não pode haver enfiteuse sobre bens móveis, prédios construídos e terrenos colonizados. Segundo DINIZ, enfiteuse vem a ser o direito real sobre a coisa alheia que autoriza o enfiteuta a exercer, restrita e perpetuamente, sobre coisa imóvel, todos os poderes do domínio, mediante pagamento. Portanto podemos extrair algumas características básicas deste tipo de direito. Em primeiro lugar, ele requer a presença de duas pessoas, a que tem o domínio do imóvel, também chamado de senhorio direto e da que possui o bem de modo direto, tendo sobre ele uso, gozo e disposição, chamado de enfiteuta.O senhorio direto é titular do domínio direto ou eminente, e está afastado da coisa. O enfiteuta é do domínio útil. A segunda característica é que constitui um direito real imobiliário, só pode recair sobre bens imóveis alheios. Ainda, se caracteriza em não ser temporária, a perpetuidade lhe é essencial. E contém a obrigação do enfiteuta de pagar renda anual e invariável chamada pensão. E o senhorio, tem o direito de preferência, quando o enfiteuta pretende transferir a outrem o domínio útil em caso de venda judicial. Constitui-se a enfiteuse como diz o Código Civil de 1916, por ato entre vivos ou de última vontade.Pode ser estabelecido por contrato ou por testamento.Pelo contrato, tratando-se de imóvel de valor superior ao legal, exige escritura pública, registrando-se, em seguida, na circunscrição imobiliária competente. Pode ainda ser constituída por testamento, sujeita a transcrição, a fim de possibilitar a sua eventual alienação. Alguns autores colocam que se pode constituir-se enfiteuse, por usucapião, desde que concorram os requisitos legais, em três casos: quando estabelecida a enfiteuse por quem não é dono do prédio, verificados os requisitos da prescrição aquisitiva, o enfiteuta adquire o direito real, ainda contra o verdadeiro dono. Pode também, quando alguém na posse do imóvel, sem título de enfiteuse, paga, pensão ao dono. E finalmente quando o dono do imóvel, por ignorância, ou outro motivo, paga, como enfiteuta, pensão a outrem que toma como senhorio. Mas a enfiteuse, não se extingue pelo usucapião em favor do foreiro, que não pode adquirir contra o próprio título. Segundo DINIZ, os direito e deveres do enfiteuta são: - tem o direito de usufruir do bem enfitêutico desde que não lhe destrua a substância; pode tirar do imóvel todas as vantagens que forem de seu interesse, percebendo-lhe os frutos e rendimentos, dentro dos limites estabelecidos pela lei; - os bens enfitêuticos podem ser transmitidos causa mortis aos herdeiros do foreiro, segundo a ordem de vocação hereditária estabelecida a respeito dos bens livres e alienáveis, sem necessidade de autorização de quem quer que seja; - o enfiteuta tem o direito de alienar o imóvel enfitêutico, a título oneroso ou gratuito, no todo ou em partes, desde que comunique o fato, previamente, ao senhorio direto, para que este exerça o seu direito de opção. - tem também o direito de adquirir o imóvel, tendo portanto, direito de preferência, no caso do senhorio direto pretender vender o domínio direto ou dá-lo em pagamento. Este deverá notificá-lo, para que exerça sua preferência dentro de 30 dias, declarando-a por escrito. - o enfiteuta tem o direito de abandonar o bem enfitêutico ao senhorio direto, levando o assento, independente de consentimento do senhorio, no registro imobiliário. Porém não tem direito à remissão do foro, por esterilidade ou destruição parcial do prédio enfitêutico, nem pela perda total de seus frutos; - pode gravar a coisa enfitêutica de servidões, usufrutos e hipotecas, subordinados à condição de se extinguirem com a cessação da enfiteuse; - o enfiteuta podia instituir subenfiteuse, que consistia na transferência que o foreiro fazia de seu direito a outrem, sem desligar-se da relação jurídica; - tem o direito de constituir coenfiteuse, pois a enfiteuse admite a titularidade simultânea de várias pessoas; - tem direito às benfeitorias necessárias em caso de comisso; - o enfiteuta tem direito ao resgate do foro, após dez anos, mediante pagamento de um laudêmio, que será de 2,5 % sobre o valor atual da propriedade plena e de dez pensões anuais; - o enfiteuta tem direito à metade do tesouro achado por terceiro em terreno aforado, mas se for ele o descobridor fará jus ao encontrado por inteiro. Em relação aos deveres temos: - o enfiteuta não pode atingir a substância da coisa com sua fruição. O que envolve a proibição de dividi-la sem autorização do senhorio direto; - não pode vender nem dar em pagamento a coisa sem avisar o senhorio para que possa exercer o seu direito de opção, dentro de trinta dias; - o enfiteuta deve avisar o senhorio quando doar, der em dote ou trocar por coisa não fungível o prédio aforado; - o enfiteuta deverá eleger um cabecel quando houver coenfiteuse; - o foreiro deverá pagar o foro anual, mesmo em estado de transmissão, se não tiver avisado o senhorio direto; - o enfiteuta deverá pagar previamente os credores, quando abandonar gratuitamente ao senhorio o prédio aforado. Em relação aos direitos do senhorio direto temos: - o direito de exigir a conservação da substância da coisa; - o direito de opção, na hipótese de venda do domínio útil por parte do foreiro em igualdade de preços e condições; - o direito de alienar o domínio direto; - o direito de promover a consolidação do domínio, se o foreiro alienar o domínio útil sem notificá-lo para que exerça o direito de preferência, depositando o preço; - o direito de ser citado, no caso de penhora do domínio útil por dívida do foreiro, para assistir a praça e exercer o direito de preferência, no caso de arrematação, sobre os demais lançadores, em iguais condições; - o de consentir ou não na divisão em glebas, do imóvel aforado; - o direito de receber os pagamentos das pensões ou foros anuais; o de receber o do foro de cada gleba na hipótese de divisão da enfiteuse; e o direito de receber o resgate, quando este ocorrer. Dentre suas principais obrigações, segundo DINIZ, temos: a obrigação de respeitar o domínio útil do foreiro; a de notificar o enfiteuta quando for alienar o seu domínio e a de conceder o resgate nos termos do contrato. Como toda relação jurídica, a enfiteuse se extingue das seguintes maneiras: pelo perecimento do objeto, se o imóvel for destruído totalmente, desaparece a enfiteuse, por falta do objeto. Em caso de desapropriação do imóvel, a relação jurídica do aforamento cessa. Também pode cessar a enfiteuse por usucapião do imóvel aforado. Outra maneira de extinção é se o prédio vir a deteriorar-se a ponto de não valer o capital correspondente ao foro e mais um quinto deste. Cessa também a enfiteuse pelo falecimento do enfiteuta, sem deixar herdeiros. Extingue-se também em caso de venda ou dação em pagamento do domínio útil. VENOSA, coloca que a enfiteuse cumpriu seu papel de adequação social no passado, não justificando mais sua manutenção como direito positivo, tanto que não foi contemplado pelo vigente código." Acrescenta ainda que "requer-se do julgador atualidade no tempo que julga e presença efetiva no espaço onde aplica o direito ambos aspectos que apresentam situações fáticas mutantes essencialmente dinâmicas, em face da evolução muito rápida dos padrões sociais e econômicos atualmente". Pode-se afirmar que o atual desinteresse do instituto deve-se ao desaparecimento de grandes porções de terra desocupadas e à valorização das terras, independentemente da inflação, e à impossibilidade do aumento do foro, ressaltando-se que os novos problemas de ocupação do solo improdutivo no país têm sido enfrentados com outros meios jurídicos. Contudo, poucas são as legislações que ainda abrigam esse arcaísmo histórico e o Brasil caminha para a sua total extinção. BIBLIOGRAFIA DINIZ, Maria Helena. Curso de Direito Civil Brasileiro: direito das coisas. v. 4. 25º ed. São Paulo: Saraiva, 2010. GONÇALVES, Carlos Roberto. Direito Civil Brasileiro: direito das coisas. v.5. 5º ed. São Paulo: Saraiva, 2010. HIRONAKA, Gisewa Maria Fernandes. Enfiteuse: instituto em extinção. Disponível em: http://bdjur.stj.gov.br/xmlui/bitstream/handle/2011/20124/enfiteuse.pdf?sequence=1. Acesso em: 01/12/2010. MONTEIRO, Washington de Barros. Curso de Direito Civil: direito das coisas. v.3.39ºed. São Paulo: Saraiva, 2009. PEREIRA, Caio Mario da Silva. Instituições de direito civil: direitos reais. v.4. 20º ed. Rio de Janeiro: Forense, 2009. VENOSA, Sílvio de Salvo.Direito Civil: Direitos Reais. 4º ed. São Paulo: Atlas, 2004.
Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Eduardo Paulucci Rodrigues Filho) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Comentários e Opiniões

1) Gilberto (23/08/2011 às 10:32:44) IP: 189.115.206.12
Excelente artigo, muito esclarecedor.
Parabéns.


Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2019. JurisWay - Todos os direitos reservados