JurisWay - Sistema Educacional Online
 
Será o fim do JurisWay?
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

INSTRUMENTO ECONÔMICO DE SUCESSO DA POLÍTICA DE RECURSOS HÍDRICOS


Autoria:

Tatiana Takeda


Tatiana de Oliveira Takeda é advogada, professora do curso de Direito da PUC/GO, assessora do Tribunal de Contas do Estado de Goiás, articulista de sites e revistas jurídicas, mestre em Direito, Relações Internacionais e Desenvolvimento, especialista em Direito Civil, Processo Civil e Gestão Ambiental e Pós-graduanda em Direito Imobiliário.

envie um e-mail para este autor

Texto enviado ao JurisWay em 22/10/2009.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

 

As poucas fontes disponíveis de água estão comprometidas ou correndo risco de tornarem-se impróprias para o consumo humano em razão do crescimento demográfico, desenvolvimento industrial e tecnológico acelerados, poluição dos mananciais, desmatamento, assoreamento, uso de técnicas inadequadas e irrigação, impermeabilização do solo e outras ações emanadas do homem moderno.

Um instrumento dinâmico encontrado para tentar mitigar a poluição resultante das ações citadas é a cobrança pelo uso da água.

Do estudo da aplicação de tal procedimento em países como Inglaterra e Estados Unidos, pode-se vislumbrar que o sucesso é inconteste, pois em ambos a poluição dos rios diminuiu e o usuário não se opôs a uma tarifação que, num primeiro momento, poderia ter sido encarada com maus olhos pela população.

Na Inglaterra, a cobrança pelo uso da água foi introduzida em 1991 visando o lançamento de efluentes e em 1993 por captação de águas superficiais e subterrâneas, sendo que a gestão era realizada por órgãos de regulamentação até 1996, quando foi criada uma Agência Ambiental visando estabelecer uma abordagem integrada no controle ambiental para os diferentes meios.

A atribuição de valor econômico se deu por duas formas: a) Cobrança por captação de águas superficiais e subterrâneas e por lançamento de efluentes; b) Política de recuperação integral de custos nas tarifas de água e esgoto.

A primeira tem o escopo de cobrir os custos administrativos, de gestão e monitoramento e trata-se de parcela fixa, cobrada no momento da emissão da outorga, e a outra é variável em função do uso, cobrada anualmente. Também se leva em conta o tipo de fonte, estação do ano e parcela de consumo e o preço unitário básico é fixado regionalmente em função da escassez do recurso.

Quanto à tarifação referente ao lançamento de efluentes pelo esgoto, o valor cobrado tem o objetivo de induzir a empresa de saneamento a buscar uma constante ampliação do tratamento e maior eficiência dos serviços. De modo geral, o cálculo da tarifa baseia-se em coeficientes que variam conforme o objetivo, região e o período que a água atendendo a requisitos de aprovação do governo central.

Já nos Estados Unidos, país que se destaca pela capacidade de intervenção dos cidadãos, haja vista que a gestão de informação é abrangente e eficiente em que aqueles podem propor ações civis em face de qualquer entidade, inclusive governamentais, se vislumbrarem que não está sendo cumprido o que estabelece a legislação ambiental, a cobrança pelo uso da água veio açambarcar, principalmente, os serviços prestados de fornecimento de água potável para uso doméstico, das indústrias e da irrigação e coleta e tratamento de efluentes urbanos.

A água é fornecida para o usuário final através de vários dispositivos institucionais. As indústrias podem auferir água de uma região urbana ou podem ter suas próprias fontes de oferta. Quanto aos fazendeiros, recebem água para a irrigação de uma região destinada somente ao fornecimento de água para irrigação. Já os residentes urbanos, convencionalmente, recebem água de uma região local. É comum que nas regiões que fornecem água para o consumo urbano e para a agricultura sejam regulamentadas por leis estaduais às quais limitam a cobrança para que não ultrapassem os custos médios.

A arrecadação auferida com a cobrança em comento é responsável pela manutenção e operação do sistema de tratamento, enquanto a despesa com monitoramento, fiscalização e investimento é da alçada dos governos estadual e federal.

Assim, como questão amplamente discutida em todo o globo, pode-se destacar que a cobrança pelo uso da água é o instrumento econômico da política de recursos hídricos que tem conseguido auferir sucesso, haja vista que na maioria dos países em que se adota tal procedimento tem se alcançado o escopo de buscar proteger as águas, diminuindo a poluição via de alteração de comportamento do usuário.

Pela apresentação das considerações acerca da Inglaterra e Estados Unidos percebe-se que ambos têm em comum uma estrutura de gestão baseadas em Agências e no próprio governo, sendo que a aplicação da renda é praticamente a mesma, financiar obras de saneamento para as bacias, municípios e agências de gerenciamento de águas.

É importante conceber que a questão da valoração deve estar ligada à quantidade de recursos hídricos consumidos, pois não é de difícil constatação que usuários que dispõem de vastos recursos financeiros podem não primar por um dos objetivos precípuos do instituto da cobrança, a contenção do desperdício.

Todavia, mister se atentar que este tipo de cobrança, se utilizada somente como instrumento financeiro, enseja risco de inverterem-se as prioridades da gestão. Portanto, deve-se observar a gestão de forma a fiscalizar-se com eficiência o valor e aplicação dos recursos auferidos, haja vista que devem ser utilizados, tão somente, no combate à deteriorização dos recursos hídricos.

Desta forma, a experiência internacional, embasada em países que possuem sistemas implantados e consolidados, mostra que o procedimento de cobrança pelo uso da água pode sim ser um avanço na luta contra a poluição e desperdício dos recursos hídricos com fundamento em uma busca de alteração do comportamento dos agentes poluidores e na arrecadação de fundos para viabilizar os investimentos necessários para obras de saneamento.

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Tatiana Takeda) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2019. JurisWay - Todos os direitos reservados