JurisWay - Sistema Educacional Online
 
É online e gratuito, não perca tempo!
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

Reforma Política para distrair a opinião pública


Autoria:

Ivo Jeronimo Monteiro Sales


Advogado Graduado na Universidade Estácio de Sá - RJ Pós-Graduado em Direito Civil e Processual Civil pela Universidade Cândido Mendes - RJ

Endereço: Rua Maestro Felício Toledo, 495 - Sala 607
Bairro: Centro

Niterói - RJ
24030-105

Telefone: 21 32474614


envie um e-mail para este autor

Texto enviado ao JurisWay em 16/10/2009.

Última edição/atualização em 28/10/2009.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

No Brasil encontram-se em curso diversos estudos, debates e propostas acerca da intitulada "reforma política". Entretanto, ao contrário do que a maioria da população acredita, e não somente ela, como também grande parte de seus representantes, a reforma não possui caráter eleitoral apenas, sendo esse um entendimento vago sobre sua natureza, existente graças à disputa pelo poder entre os grandes partidos políticos, entrando em pauta no Legislativo e Executivo quase que exclusivamente em momentos de descrédito na classe política, relacionados principalmente a escândalos.

Na história recente, a sociedade brasileira não tem participado das importantes decisões deste país - não como deveria, excetuando-se, é claro, o movimento dos "cara-pintadas", que resultou no impeachment do então presidente Fernando Collor de Melo. Essa acomodação da sociedade é grande barreira para a efetivação de mudanças nacionalmente aplicáveis.

A
sociedade tem se mostrado praticamente inerte ante a tudo o que acontece no país, tendo que ser provocada, instigada pela mídia, para que assim o faça. O que, há de se convir, é algo perigoso, pois a mídia opera nos interesses de quem a comanda, tornando-se a sociedade, por inúmeras vezes, massa de manobra dos poderosos.

A definição do que vem a ser a reforma e a delimitação do que deve ser modificado são os primeiros obstáculos para sua aprovação, uma vez que não há um Projeto de Lei que abarque as diversas propostas de maneira coesa, mas principalmente, que busque verdadeiramente reformar os vários aspectos que envolvem o exercício do Poder no Brasil, até porque, inclusive, a Constituição Federal também deverá ser objeto de reforma, face à magnitude das mudanças esperadas.

A sociedade já se manifestou a favor da "reforma política", apontando-a como primordial. No entanto, não encontra correspondência na vontade de seus representantes, pois buscam singela reforma eleitoral, salvo pouquíssimas exceções. Pois a reforma que a maioria da classe política deseja não é a real busca pela redemocratização do Estado e sim a satisfação dos interesses político-partidários, se arrastando por mais de 15 anos no Congresso.

Na busca pela radicalização da democracia brasileira, deverá se fortalecer a democracia direta, modificando a regulamentação concernente aos mecanismos de participação popular: plebiscito, referendo e iniciativa popular. Como também a democracia participativa, para que a sociedade possa participar de maneira mais efetiva através dos Conselhos Políticos e Conferências, devendo estes serem mais respeitados pelos governantes.

Há que se aprimorar a democracia representativa para que o processo eleitoral se torne mais transparente, mas principalmente para que a vontade soberana do povo, sufragada pelo voto seja respeitada.

Também se faz necessário democratizar o Judiciário, uma vez que sobre este não há qualquer mecanismo de controle social. Bem como a comunicação e informação, pois deve haver o reconhecimento do direito à informação como direito humano e da prevalência do interesse do povo e não das famílias que atualmente controlam a informação no Brasil.

Reorganizar os "poderes" é outra questão das mais importantes, para que se finde com a atual crise de identidade do Estado, e se restabeleça a independência e harmonia das funções estatais. Pois o Legislativo se omite e desrespeita as decisões do Judiciário, estando de mãos atadas pelo Executivo, que legisla com leis quase que exclusivamente originadas do presidente, bem como com o envio de centenas de Medidas Provisórias que trancam a pauta do Congresso. Já o Judiciário decide em casos onde o Legislativo já deveria ter se pronunciado e através de suas súmulas vinculantes "legisla" para todos os três Poderes.

O presidencialismo de coalizão deve ser revisto, objetivando-se uma concepção própria, com identidade brasileira, para a manutençãoo da governabilidade diante das características peculiares inerentes à forma de se fazer política no Brasil.

Fator preponderante para a busca pela democratização do Estado brasileiro é o combate à corrupção, para que a República seja verdadeiramente "coisa pública", ou seja, do povo, e não seja apossada por quem está no poder.

A reforma é um enorme desafio e mostra-se uma necessidade. E para que ocorra e seja eficaz, a sociedade deve se mobilizar, bem como cabe às entidades que a representam fomentar a conscientização política. Mas, principalmente, deve a classe política respeitar a vontade popular soberana e realizar as mudanças que alterarão a maneira de se fazer política no Brasil, através dessa que é uma reforma do Poder, para que se cumpra a Constituição, devolvendo-o ao povo.
Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Ivo Jeronimo Monteiro Sales) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Comentários e Opiniões

1) Joaquim Caldas - Jfpcaldas@gmail.com (14/11/2009 às 12:20:08) IP: 187.78.37.123
Dr. Ivo Geronimo Monteiro Sales,parabéns pelo brilhantismo declarado.Nosso povo,tão sofrido dos meles politicos,estão carentes de um novo Brasil.As reformas constitucionais,politicas,econômicas e Sociais foram bem explanadadas em sua reportagem.Mas é preciso esclarecer em um bom nivel de aceitação,que os próprios politicos fazem questão de confundir o eleitorado.Temo 12 Mi de aposentados,que somados a mais 3 dependentes,podemos modificar o "Brasil",pelo voto direto! São 60% do Vt válidos.
2) Kariny (14/11/2009 às 14:54:37) IP: 187.91.168.253
Parabéns pelo texto! A internet me fez ter acesso ao texto bem escrito de Ivo Sales e cabe a mim elogiar o coerente texto e agradecer a existência da internet. Admiro quem tem a coragem e sabedoria de escrever sobre o controle da midia, admiro mais ainda quem o faz em prol de aletar o povo para que este deixe de ser manobrado. Oxalá sua voz chegue a muitos!
3) Dorival Mendonça (14/11/2009 às 23:38:36) IP: 189.115.151.46
Excelente o texto.Muito oportuno pelo momento que estamos passando e pela aproximação das eleições. Vamos dar o troco nas urnas. Vamos repassar o texto para outros tomarem conhecimento.
4) Allan Ribeiro (15/11/2009 às 09:13:04) IP: 189.53.169.72


Faltou ser um pouco mais específico acerca de quais projetos de reforma política são estes.....

Fala-se de "estudos, debates e propostas","projetos de lei" que não funcionam...Mas que estudos são esses? Qual o número e o ano do projeto de Lei?

O texto é desafiante...peca na falta de especificidade!
5) Ilda (19/11/2009 às 02:39:56) IP: 189.104.106.185
so ganha ele, pois recebem bolsa tudo realmente são estas pessoas achando isso legal, vai da so ele, emprego,trabalho nao. So bolsa tudo e estes infelizmente são maioria se fizer um plebicito ja sabe


Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2019. JurisWay - Todos os direitos reservados