JurisWay - Sistema Educacional Online
 
É online e gratuito, não perca tempo!
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

Carnê Leão e o INSS


Autoria:

Alexandre Pereira De Camargo


Técnico Contábil; graduado em Ciências Contábeis pela Universidade Braz Cubas (Mogi das Cruzes); Graduado em Direito pela FMU-SP; Pós-Graduação em Perícia Contábil; Pós-Graduação em Controladoria; Didática do Ensino Superior; todas as Pós-Graduações pela FECAP-SP. Contador e advogado na área tributária em SP

envie um e-mail para este autor

Resumo:

Trata de valores declarados por pessoas físicas a título de receitas como autônomo em que não é pago o INSS, o que a Receita Federa do Brasil passou a autuar por entender ser o mesmo fato gerador.

Texto enviado ao JurisWay em 10/03/2019.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

Em 5 de dezembro de 2017, a Receita Federal do Brasil publicou em seu site a seguimte notícia: “A Receita Federal começou a enviar nesta segunda-feira, 4 de dezembro, 74.442 cartas a profissionais liberais e autônomos de todo o País que declararam rendimentos do trabalho recebidos de outras pessoas físicas mas não recolheram a contribuição previdenciária correspondente. Apenas no estado de São Paulo, serão enviadas 21.485 cartas, das quais 11.269 referentes a contribuintes residentes na capital.” Um dia antes, muitos contribuintes autônomos, como médicos, advogados, psicólogos e os demais de atividades regulamentadas ou não, como pintores, costureiras, mecânicos etc. começaram a receber notificações de cobranças de diferenças ou do valor total não recolhidos a título de contribuição previdenciária.

Na ocasião, o objetivo da RFB foi alertar os contribuintes sobre a obrigatoriedade e eventual ausência ou insuficiência de recolhimento da contribuição previdenciária relativa aos anos de 2013, 2014 e 2015. Os contribuintes notificados poderiam efetuar espontaneamente o recolhimento dos valores devidos, com os respectivos acréscimos legais, até o final do mês seguinte (janeiro de 2018). Mas sem a multa punitiva.

De forma pragmática, o foco da Receita Federal do Brasil, desde tais notificações em “massa”, está nos contribuintes individuais, que são as pessoas físicas remuneradas em contrapartida aos serviços prestados como autônomos (profissionais liberais e demais autônomos) às pessoas físicas. Estes contribuintes são considerados segurados obrigatórios da Previdência Social, com alíquota de 20% sobre o respectivo valor declarado, observando o teto de R$ 5,645,80 do ano base 2018 (2019 o teto é de R$ 5.839,45).

Não é o caso dos autônomos que recebem de pessoas jurídicas, visto que as pessoas jurídicas tomadoras de serviços de autônomos são obrigadas a reterem não só o INSS, mas também o imposto de renda e o ISS quando for o caso. Interessante ressaltar que na prática a Receita Federal nunca autuou, pelo menos em “massa” como autuou conforme acima citado. Bem verdade que, com a Lei a Lei 11.457 que criou a Super Receita, englobando a fusão das estruturas de arrecadação e fiscalização dos ministérios da Fazenda e da Previdência Social, houve uma reorganização na administração tributária federal, o que a cada ano busca consolidar todas as informações declaradas diretamente ou indiretamente dos contribuintes. A então integração dos dois órgãos começou a funcionar no dia 02 de maio de 2007, e a cada dia se aperfeiçoa mais na apuração das informações.

Importante registrar que ao exsurgir a incidência do INSS retroativa, a Receita Federal do Brasil não levou e nem levará em consideração se o autônomo é regular ou irregular no que se refere aos cadastros que um autônomo deve ter nos respectivos órgãos (prefeitura, por exemplo), mas sim nas informações declaradas no Livro Caixa (Carnê Leão) exportado para a declaração de imposto de renda e/ou preenchido diretamente na declaração.

Para 2019, que o contribuinte se atente para mais esses detalhes de base de cálculo do imposto de renda que, também, são utilizados como base para o INSS. Na dúvida, o melhor mesmo é consultar um especialista na área tributária para não incorrer em erros que possivelmente remeterão a Declaração à Malha Fina e autuação.

 

Alexandre Camargo

Advogado e Contador em SP

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Alexandre Pereira De Camargo) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2019. JurisWay - Todos os direitos reservados