JurisWay - Sistema Educacional Online
 
JurisWay - Benefícios Previdenciários com Certificado
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

Pais não podem outorgar procuração para criação dos filhos


Autoria:

Carlos Eduardo Rios Do Amaral


MEMBRO DA DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

envie um e-mail para este autor

Outros artigos da mesma área

JUNTADA COMPROVANTE DE RENDA DESVINCULANDO RENDA AUTOR

MEDIAÇÃO FAMILIAR: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL À RESOLUÇÃO DOS CONFLITOS FAMILIARES E A ESTRUTURA DA CENTRAL DE CONCILIAÇÃO DAS VARAS DE FAMÍLIA DE MONTES CLAROS

Separação de Bens e os limites impostos

COBRANÇA DE ALIMENTOS RETROATIVOS PREVIAMENTE FIXADOS EM SENTENÇA: QUANDO PRESCREVE?

Princípios do Instituto Jurídico Adoção

PREOCUPAÇÃO À GUARDA COMPARTILHADA ENQUANTO PERSISTENTE A ALIENAÇÃO PARENTAL

A mediação no abandono afetivo

COM A EDIÇÃO DA EMENDA CONSTITUCIONAL 66, O SISTEMA JURÍDICO NACIONAL CONTINUA A CONTEMPLAR A FIGURA DA SEPARAÇÃO JUDICIAL?

Simulação Plena de Adoção - Risco de Manipulação Para Efeitos Sucessórios e Nulidade

Guia prático - Divórcio, Guarda e Pensão

Mais artigos da área...

Resumo:

Pais não podem outorgar procuração para criação dos filhos

Texto enviado ao JurisWay em 22/09/2018.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

Pais não podem outorgar procuração para criação dos filhos

 

Por Carlos Eduardo Rios do Amaral

 

Cena curiosa e corriqueira que se vê no dia-a-dia é a outorga de instrumento procuratório público lavrado em cartório por genitores em favor de terceiros para que estes exerçam todos os deveres e cuidados na criação de seus filhos.

 

Acontece que, afora os casos do exercício do poder familiar pelo pai e pela mãe, descabe aos genitores eleger quem melhor poderia exercer os cuidados para com seus filhos menores. Qualquer determinação dos genitores nesse sentido não passa de mera recomendação ou sugestão.

 

É que nos termos da legislação brasileira em vigor cabe ao Estado, através do Poder Judiciário, dizer quem poderá exercer todos aqueles deveres inerentes ao exercício do poder familiar sobre os filhos menores no lugar dos genitores. E não há qualquer exceção a esse imperativo legal.

 

E o instituto de direito civil que consubstancia esse autorizativo judicial para criação de filhos menores de terceiros é a guarda de que tratam os artigos 33 a 35 do Estatuto da Criança e do Adolescente, que não se confunde com a conhecida guarda de filhos das varas de família (unilateral ou compartilhada) por ocasião da dissolução do casamento ou da união estável.

 

A guarda do Estatuto da Criança e do Adolescente, que possibilita a terceiros substituir plenamente a figura dos genitores na criação de menores, é da competência dos Juizados da Infância e da Juventude. E conta com a participação e fiscalização do Ministério Público em todas as fases do procedimento judicial.

 

Rigoroso, o Estatuto da Criança e do Adolescente não permite que seja deferida a guarda provisória em sede de liminar antes da realização de estudo social por equipe interprofissional composta por assistentes sociais e psicólogos, recomendando – ou não! – a permanência do menor com terceiros (Art. 167 do ECA).

 

Destarte, toda e qualquer procuração lavrada em cartório transferindo a guarda e criação de filhos menores a terceiros “outorgados” vai muito além da pecha de negócio jurídico manifestamente nulo de pleno direito, constituindo-se mesmo em negócio jurídico inexistente, pois incapaz de produzir qualquer consequência no mundo jurídico.

 

Por derradeiro, cumpre sempre lembrar que o instituto da guarda em nenhuma hipótese se constitui em meio para que os genitores se exonerem do encargo legal de criar, amar e educar seus próprios filhos menores, como determina o Art. 1.634 do Código Civil. O simples – e egoístico! – desejo de não criar os filhos, não escorado em motivo grave de saúde ou força maior, constitui em crime contra a assistência familiar, sem prejuízo da destituição do poder familiar de seu sujeito ativo.

 

__________________________ 

 

Carlos Eduardo Rios do Amaral é Defensor Público do Estado do Espírito Santo

 

 

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Carlos Eduardo Rios Do Amaral) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2019. JurisWay - Todos os direitos reservados