JurisWay - Sistema Educacional Online
 
É online e gratuito, não perca tempo!
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

Pais, Filhos, ex-Companheiros e Madrastas


Autoria:

Magda Abou El Hosn


MAGDA ABOU EL HOSN, advogada, Diretora do Instituto Brasileiro de Familia - IBDFAM / Doutoranda em Direito Civil pela UBA -Argentina /,Mestra em Direito do Estado pela Universidade da Amazônia -Pará /Pós-graduada em Civil e Processo Civil pela Unesa-RJ/; Especialista em D.da Familia, CV: http://lattes.cnpq.br/5568992334057

envie um e-mail para este autor

Outros artigos do mesmo autor

IMPENHORABILIDADE DA SEPULTURA NA EXECUÇÃO DE DÍVIDA
Direito Civil

Resumo:

Magda Abou El Hosn

Texto enviado ao JurisWay em 07/06/2008.

Última edição/atualização em 10/06/2008.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

 

Desde a aprovação do divórcio no Brasil em 1977, a esmagadora maioria das separações  manteve a guarda das crianças com as mães. Desde então, surgem novas relações afetivas e a partir de então as “segundas núpcias” que formam no seio da sociedade “a nova família”? Ai está o grande problema é que esta “nova família” não vem constituída apenas do “novo casal de pombinhos” que estão começando uma nova relação, ela vem acompanhada via de regra dos filhos dele (a), figuras que surgem no cenário com “enteados”. Dando inicio a um novo capitulo de família, porém com personagens que eu costumo chamar de “vínculos eternos”, que são: os filhos já existentes do primeiro casamento, a ex-mulher ou ex-marido, a madrasta ou o padrasto e os novos filhos da “nova procriação”. A difícil tarefa da convivência entre todos os personagens que compõem essa “nova família” poderia ser a mais harmoniosa e sem quaisquer atritos, terminado até em homicídios, como vimos recentemente no “Caso Isabela”, se não houvesse os interesses individuais de cada um desses personagens, chamando especial atenção ao “novo casal”, que já entra na relação sabendo que o seu atual companheiro (a) tem seus filhos advindos de uma relação que outrora se presumia “que seja infinita enquanto dure”. Infelizmente não é isso que acontece! Os que vão iniciar a “nova relação” e de certo pretendem dar seguimento na procriação, desconhece em sua maioria o verdadeiro sentindo de família, em que os filhos de ambas as relações tanto da primeira como da segunda possuem laços não só de afetividade, de amor e carinho, possuem a consangüinidade e a genética entre eles e (todos são os irmãos) sendo assim não deveriam ser atingidos pelos desentendimentos entre os ex-pares do (a) atual companheira (a). Sejam todos bem-vindos. Segundo os Psiquiatras forenses e os Advogados de Família que trabalham com esses personagens quando nas demandas entre famílias, reportam em sua maioria que os mais atingidos no momento dos conflitos entre os casais, são os filhos do primeiro, que são irmãos dos filhos da atual relação. E assim todos juntos fazem parte do atribulado dia-a-dia, dessa nova família: os filhos do marido, em geral confusos por causa da separação dos pais; a ex-mulher dele, que, por mais que encare a situação com naturalidade, em boa parte dos casos acaba interferindo na nova relação do ex; e o próprio marido, que carrega a experiência de um matrimônio anterior, o dilema de como criar os filhs sem a mãe biológica e a incerteza sobre a aceitação da nova companheira por parte dos pimpolhos, e aqui surge a figura da Madrasta ou Boadrasta? Isso tudo sem contar que, nas adjacências da "trama", há ainda a ex-sogra, a atual sogra, os ex-cunhados, os novos cunhados, os sobrinhos e, quem sabe, até o cachorro, papagaio e o periquito! Não é à toa que as “madrastas” sentem-se perdidas, mesmo porque Madrasta era a mulher que entrava na vida das crianças somente quando a mãe morria. Hoje em dia elas chegaram para ficar e assumem relevante papel na criação dos filhos que ela vier a ter com o pai dos seus enteados. O respeito, a confiança e a cumplicidade devem então partir desse novo casal que terá a delicada missão  de unir os irmãos (seus enteados)  aos  filhos de sua  genética

.

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Magda Abou El Hosn) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Comentários e Opiniões

1) Mariah Santos (11/07/2009 às 09:31:54) IP: 189.81.83.63
Poxa!!! Quanto desabafo!!!
E o homem dentro desse fogo cruzado, o que diz*
2) Mari Angela 30/07/2009 - 22:54 (30/07/2009 às 22:58:24) IP: 200.193.156.164
tenho 31 anos e já tenho esse problema há 5anos.O lance é q o pai acha que a nova esposa deve aceitar e entender o q o(a) filho(a) e a ex-mulher tbém fazem para atormentar a nossa kbça. Tratam -nos como empregadas, coloquei um basta, a filha dele, agora com 15 anos ñ pisa mais em casa, acabou os problemas, ele a vê em outro lugar, ela ñ participa em nada mais. qdo deixar de ser "criança", quem sabe, ela tbém ñ conhece nosso filho.
3) Faith (18/10/2009 às 23:57:31) IP: 69.255.114.123
Acho que tds vcs deveriam se valorizar mais, em vez de ficar reclamando de ex, atual, e criancas, deveriamos nos unir contra estes safados que sempre se fazem de pobre coitados, reclamam de tudo, e ainda por cima ainda se acham no direito de arrumar outras que devem aceitar tudo pacificamete. NAO, nao precisamos aceitar nada. O problema nao somos nos mulheres, sao os homens que se acham o centro do universo.Facam como eu: arrumem um bem mais novo, trabalhador, bonito e ainda se facam de gostosa.


Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2019. JurisWay - Todos os direitos reservados