JurisWay - Sistema Educacional Online
 
Kit com 30 mil modelos de petições
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Eventos
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

Condução Coercitiva: Uma espécie de tortura psicóloga que poderá contaminar as provas do processo.


Autoria:

Danilo Marques Borges


Possui graduação em Direito pela Universidade de Rio Verde (2007) e mestrado em Direto, Relações Internacionais e Desenvolvimento pela PUC/GO(2014).Atualmente é professor da Disciplina de Direito Processual Penal na Universidade de Rio Verde.

envie um e-mail para este autor

Outros artigos da mesma área

O Princípio da Presunção de Inocência no Processo Penal

Prevenção, Punição e Ressocialização: Aspectos do sistema prisional brasileiro.

Existe um direito ao procedimento no processo penal? Quais seriam as dimensões em que ele pode se apresentar?

Da admissibilidade das Cartas Psicografadas como meio de prova no Processo Penal

LEI MARIA DA PENHA: É OBRIGATÓRIA A CITAÇÃO DO REQUERIDO NA MEDIDA PROTETIVA DE URGÊNCIA

DIREITO PENAL DO INIMIGO: Possibilidade de aplicação no Estado Democrático de Direito Brasileiro, análise à luz da obra Na Colônia Penal de Franz Kafka

A INCONSTITUCIONALIDADE DA CARGA PROBATÓRIA MIDIÁTICA

Sistemas Processuais Penais

DESCABIMENTO DA PRISÃO EM FLAGRANTE NO CRIME DE FALSO TESTEMUNHO

Vitimologia e o erro da lei 13718/18

Mais artigos da área...

Resumo:

Uma abordagem sobre a ilicitude das provas produzidas a partir da confissão após a condução coercitiva.

Texto enviado ao JurisWay em 12/11/2016.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

Danilo Marques Borges[1]

Ultimamente temos nos deparado com notícias de que em operações policiais pessoas têm sido conduzidas coercitivamente para prestarem esclarecimentos. O caso mais famoso foi o do ex-presidente da República Luís Inácio Lula da Silva.

                No nosso ordenamento jurídico não há dispositivo que trata expressamente e de forma autônoma dessa forma de produção de provas.

                Sabemos que o Processo Penal admite todos os meios de provas em observância ao princípio da busca da verdade real. Dessa forma, temos as provas nominadas e as inominadas. Porém tal princípio não é absoluto, encontrando nas provas ilegais obstáculos que não devem ser ultrapassados.

                Em tese, a condução coercitiva para esclarecimento pode ser considerada um meio de prova inominada, ou seja, embora não prevista expressamente no ordenamento jurídico brasileiro é admissível desde que não seja ilegal.

                É neste ponto que encontra o grande problema das conduções coercitivas. As pessoas conduzidas coercitivamente a prestarem esclarecimentos são investigadas, e, desta forma, a Constituição Federal os garante o direito de permanecer em silêncio. Então, a condução coercitiva serve para que?

                Esse mecanismo tem sido utilizado para, de forma mascarada, forçar as pessoas a confessarem a prática criminosa ou a efetuarem acordos de colaboração. Uma espécie de tortura psicológica autorizada e acompanhada pela justiça. É o Estado assumindo totalmente a sua incompetência e incapacidade de promover uma investigação, regredindo a tempos remotos de inquisição, onde se busca exclusivamente a confissão do acusado.

                Manoel Carlos Bueno[2], em seu livro que trata sobre Manual dos Inquisidores ao falar sobre assunto diz:

A tortura só era plicada depois que uma maioria do tribunal a votava sob o pretexto de que o crime tornava-se provável, embora não certo, pelas provas. Muitas vezes a tortura era decretada e adiada na esperança de que o medo levasse a confissão. A confissão podia dar direito a uma penalidade mais leve se fosse condenado à morte apesar de confesso, o sentenciado podia “beneficiar-se” com a abolição de um padre para salva-lo do inferno. (Bueno, 2012, pag. 52)

Notamos que hoje seguimos as mesmas regras utilizadas pelos inquisidores, pois se não colaborar, poderá ver sua condução transformada em prisão preventiva.

                Dessa forma, não é ilógico dizer que a confissão ocorrida em decorrência da condução coercitiva pode ser considerada ilícita, pois tratam de uma espécie de tortura psicológica, e dessa forma poderá afetar todas as provas produzidas a partir da confissão, isso porque o nosso ordenamento Processual Penal veda a produção de provas ilícitas e contempla ainda a teoria dos frutos da árvore envenenada onde as provas derivadas das ilícitas devem ser consideradas ilícitas também.

 

 

 



[1] Possui graduação em Direito pela Universidade de Rio Verde (2007) e mestrado em Direto, Relações Internacionais e Desenvolvimento pela Pontifícia Universidade Católica de Goiás (2014). Atualmente é professor da Disciplina de Direito Processual Penal na Universidade de Rio Verde. Tem experiência na área de Direito, com ênfase em Direito Processual Penal.

[2] Bueno, Manoel Carlos. Código de Hamurabi, Manual dos inquisidores, lei das XII Tábulas, Lei de Talião. 2ª edição. CL EDIJUR. Leme-SP. 

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Danilo Marques Borges) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2022. JurisWay - Todos os direitos reservados