JurisWay - Sistema Educacional Online
 
Kit com 30 mil modelos de petições
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Eventos
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

Defesa dos Direitos LGBT


Autoria:

Paola Roberta Batista Nascimento


Estudante de Direito, UniCEUB Formada em Inglês, Aslan e Yázigi Blogueira. Escritora.

envie um e-mail para este autor

Outros artigos do mesmo autor

Sobre uma Possível Guerra e a ONU
Direito Internacional Público

Resumo:

Disserta sobre manifestação da violação e defesa dos direitos da comunidade LGBT ao redor do mundo.

Texto enviado ao JurisWay em 30/10/2016.

Última edição/atualização em 14/11/2016.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

Da Defesa dos Direitos LGBT

Por Roberta Nascimento

 

A defesa dos Direitos Humanos é um tema que pode gerar polêmicas pela abrangência que o termo “Direito Humanos” pode ter e também pelo peso que a defesa de tais direitos tem em âmbito internacional. Entre os tópicos de Direitos Humanos mais defendidos, um dos mais polêmicos está relacionado a comunidade LGBT.

 

A página de combate aos crimes de ódio, True Vision, define como crime de ódio de homofobia “todo aquela ofensa que é percebida pela vítima, ou por outra pessoa, como sendo motivada por hostilidade ou preconceito baseado na orientação sexual de uma pessoa ou a percepção da orientação sexual”. Também define o crime de ódio de transfobia como “toda ofensa criminal que é percebida pela vítima, ou por outra pessoa, como sendo motivada por hostilidade ou preconceito contra uma pessoa transgênero ou percebida como transgênero”.

 

Segundo o site Erasing 76 Crimes, os números de mortes que em identificados crimes de ódio se dão em milhares anuais ao redor do mundo.

  • O Projeto de Monitoração de Assassinato Trans relata a morte de, pelo menos, 1.700 transgêneros e gênero-expansivos desde 2008 na América Central e na América do Sul.

  • A Comissão Inter-Americana de Direitos Humanos  documentou 770 mortes e ataques violentos contra pessoas identificadas como LGBT entre o começo de Janeiro de 2013 até o fim de Março de 2014, incluindo 594 mortes ligadas a crime de ódio a LGBT no Brasil.

  • Nos Estados Unidos, em 2013, 20% dos homicídios se deram baseados na orientação sexual das vítimas, de acordo com o FBI.

  • No Brasil entre 2007 e 2012, 1.341 pessoas da comunidade LGBT foram dadas como mortas.

  • No Peru o número de mortos entre 2006 e 2010 é de 249.

 

A expressão da agressividade contra membros da comunidade LGBT se expressa ao redor do mundo e é propagada através de crimes de ódio ou de meras piadas de bar, havendo uma necessidade de conscientização e educação para o surgimento de respeito e, finalmente, o alcance do ideal de igualdade perante a lei.

 

Apesar das baixas e dos dados alarmantes ligados ao ódio a comunidade em questão, existe uma expressão crescente de apoio em mídias sociais mais ligadas a jovens, a exemplo disso temos Tumblr. e até mesmo o mini blog Twitter, cuja as tendências já tiveram expressões fortes tanto de ódio com hashtags como “#QueimeUmHomossexualPorque…” à  “#RIPLeelahAlcorn”.

Os que oferecem suporte e apoio à comunidade se baseiam em afastar premissas religiosas ligadas ao Cristianismo, Islamismo e Judaísmo, assim como outras religiões agressivas ao grupo; e há grande concentração na demonstração de humanidade de cada um, sendo independente a sexualidade, credo e afins.

Casos famosos como o caso Leelah Alcorn onde o jovem Josh Alcorn de família cristã tradicional cometeu suicídio por motivos de rejeição a sua identificação sexual, como visto em sua carta que se espalhou pela internet causando um protesto em seu nome de transexual Leelah Alcorn que defendia que a morte da moça não seria em vão.

 

O progresso da defesa dos direitos da comunidade LGBT é lento ao redor de todo o mundo, porém existente. De qualquer forma a maior dificuldade na defesa se dá por, como em muitos casos, falta de denúncia por parte das vítimas. A maior parte da motivação que impede essa denúncia está no medo do agressor, assim como está no fato de o agressor está ligado a família da vítima, gerando uma pressão ainda maior para que a denúncia não aconteça.

 

Existe uma expressa quantidade de pessoas que repudia a comunidade LGBT e defende qualquer forma de afastamento de direitos para essa comunidade, o que pode ser expresso em manifestações “Anti-Gay” e ideias de “Cura Gay” e no apoio a candidatos que apresentam esse tipo de ideias como sua forma de campanha direta.

 

Por outro lado há uma manifestação crescente nos jovens de indiferença e aceitação a tais minorias, tais novas gerações não apenas gerando apoio como algumas vezes se identificando com a comunidade, em um processo longo e silencioso que aparenta ser o começo de uma nova era de defesa de tais direitos.

 

 
Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Paola Roberta Batista Nascimento) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2021. JurisWay - Todos os direitos reservados