JurisWay - Sistema Educacional Online
 
JurisWay - Produção de Textos com Certificado
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

Supremo Tribunal Federal, de "guardião" a "inimigo" da Constituição Federal


Autoria:

Jonathan Lopes De Oliveira


Jonathan Lopes de Oliveira. Academico de direito 7º semestre/ Faculdade Facsul Estagiário do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul.

envie um e-mail para este autor

Outros artigos da mesma área

O Acórdão denominado confirmatório e a interrupção da prescrição

Confissão extrajudicial confirmada por testemunhas policiais no crime de tráfico

Caso Bruno Goleiro do Flamengo- A POSSIBILIDADE (OU NÃO) DE PROCESSO ENVOLVENDO CRIME DE HOMICÍDIO SER INICIADO E TER PROSSEGUIMENTO SEM CADÁVER:

FIXAÇÃO DA PENA PROVISÓRIA AQUÉM DO MÍNIMO LEGAL

A Influencia da Religião na Ressocialização do Detento

O CRIME DE TRÁFICO DE CRIANÇA PARA EXPLORAÇÃO SEXUAL E OUTROS FINS

Concurso de Normas, Concurso de Pessoas e Concurso de Crimes

CONSIDERAÇÕES SOBRE A INTERPRETAÇÃO E APLICAÇÃO DA LEI PENAL

Corrupção Política: Uma História Brasileira

EXECUÇÃO DA REPARAÇÃO CIVIL FUNDADA EM SENTENÇA CONDENATÓRIA PELO PRÓPRIO JUÍZO CRIMINAL

Mais artigos da área...

Texto enviado ao JurisWay em 23/05/2016.

Última edição/atualização em 31/05/2016.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

O Brasil em 17 de fevereiro de 2016, assistiu ao julgamento paradoxal do HC 126.292 presidido pelo plenário da suprema corte deste país, tendo como relator o ministro Teori Zavascky, onde era discutido a legalidade de execução provisória antes do trânsito em julgado de processo criminal.

Em breve síntese do mérito do Habeas Corpus impetrado, a defesa alegava desrespeito ao princípio constitucional "da não culpabilidade" previsto no artigo 5º, inciso LVII, da Constituição Federal de 1988, tendo em vista que o paciente fora submetido à execução provisória da pena, antes do trânsito e julgado do processo, execução esta decretada pelo Tribunal de Justiça de São Paulo.

O Pleno do Supremo Tribunal Federal por 7 x 4 votos, entendeu cabível a execução provisória, após a apreciação da demanda criminal pela 2º instância (tribunal de justiça), que por sua vez, reitere a condenação do réu.

Após este julgado paradoxo e contundente inúmeros juristas, dentre eles: advogados, juízes e defensores públicos expressaram sua indignação pela recente decisão do STF. Portanto, se pergunta: É o fim de nossos direitos fundamentais conquistados com muito sofrimento e dedicação? Sim, infelizmente SIM!

É mister que seja entendido na seara jurídica, a agressão despendida pela Corte ao direito fundamental da "não culpabilidade.

A Carta Magna do Brasil, ao estatuir no artigo 5º, inciso LVII que, " Ninguém será considerado culpado até o trânsito e julgado de sentença penal condenatória"; está protegendo expressamente um dos bens mais relevantes do indivíduo: à LIBERDADE. Com isso, em regra, para que o Estado por meio do poder judiciário prive a liberdade de certo indivíduo réu em ação penal, é imprescindível que haja o trânsito em julgado da sentença. Se porventura, o réu ou indiciado venha a atrapalhar as investigações (fase inquisitorial), colocar em risco a ordem pública ou econômica, o juiz ex office poderá decretar a prisão preventiva do mesmo. Com efeito, a prisão preventiva e também outras medidas cautelares, são mecanismos idôneos para serem usados no decorrer do processo.

Levando-se em consideração que processos criminais, raras vezes transitam em julgado após a prolação da sentença de primeira instância, pois a defesa sempre procura reverter a condenação criminal, o réu pode ser preso preventivamente em outras instâncias caso seja necessário, todavia, o poder judiciário deverá fazê-lo de modo fundamentado, demonstrando o preenchimento dos requisitos ensejadores da prisão preventiva ( art. 312 do código de processo penal), caso contrário, o réu só deve ser privado de sua liberdade depois que transitar em julgado a sentença. Se assim não for, amiúde estaríamos encarcerando pessoas inocentes e causando a elas irreversíveis danos.

Portanto, o STF ao decidir que a execução provisória pode ser executada em segunda instância, a constituição foi guilhotinada e aos poucos estamos voltando para o século 17 D.C, onde a arbitrariedade estatal imperava, tendo em vista que os juízes não precisavam observar normas positivadas, por conseguinte, julgando de acordo com seu livre convencimento e condenando pessoas inocentes.

Quem pode rever juridicamente essas decisões do Supremo Tribunal Federal? Infelizmente ninguém! O STF é a corte suprema do nosso país, sendo taxado constitucionalmente como o "guardião" da Carta Magna. Ser chamado de "guardião" após o afogamento de um preceito fundamental, é contraditório!

Por isso, que o advogado por meio de suas atribuições e INCLUSIVE com a égide da Ordem dos advogados do Brasil, devem zelar secundariamente pela adequada aplicação das normas constitucionais, como também pelas infraconstitucionais, evitando decisões "inconstitucionais" como esta do HC 126.292.

Jonathan Lopes de Oliveira

Acadêmico de Direito

Campo Grande, 21 de maio de 2016.

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Jonathan Lopes De Oliveira) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Comentários e Opiniões

1) Jonathan (06/06/2016 às 10:36:54) IP: 186.232.245.4
FICOU ÓTIMO!EXCLENTE DOUTRINADOR1


Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2019. JurisWay - Todos os direitos reservados