JurisWay - Sistema Educacional Online
 
JurisWay - Benefícios Previdenciários com Certificado
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

CRIMES CONTRA A HONRA NO DIREITO ELEITORAL


Autoria:

Tânia Cristina Capilé Lobo Jawsnicker


Graduada em Direito pela Universidade Federal de Mato Grosso. Mestre em Direito das Relações Sociais pela PUC/SP. Especialista em Educação a Distância e em Direito Eleitoral. Analista Judiciária do TRE/MT. Professora de Direito.

envie um e-mail para este autor

Resumo:

O artigo analisa os crimes contra a honra previstos no Código Eleitoral.

Texto enviado ao JurisWay em 15/07/2009.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

A principal função do Direito Penal é a proteção de bens jurídicos. Não todo e qualquer bem jurídico, porém os mais importantes, sendo certo que a seleção dos bens jurídicos protegidos pelo Direito Penal pode variar no tempo e no espaço, ressalvados, é claro, certos bens reputados fundamentais – a vida e a integridade corporal, por exemplo – protegidos desde sempre e em todo lugar.
A honra é um bem jurídico protegido pelo Direito Penal, tanto no aspecto objetivo quanto no subjetivo. A chamada honra objetiva diz respeito à nossa reputação, ou seja, ao respeito e à consideração de que se goza no meio social. A chamada honra subjetiva concerne à nossa auto-estima, ao nosso sentimento pessoal de dignidade.
O Código Penal prevê três espécies de crimes contra a honra: a calúnia (artigo 138), a difamação (artigo 139) e a injúria (artigo 140). A calúnia e a difamação ofendem a honra objetiva, enquanto a injúria ofende a honra subjetiva.
Caluniar significa imputar a alguém, falsamente, fato definido como crime.
Difamar significa imputar a alguém fato ofensivo à sua reputação.
Injuriar significa ofender a dignidade ou o decoro de alguém.
No Direito Eleitoral encontramos essas mesmas espécies de crime contra a honra, previstas nos artigos 324 a 326 do Código Eleitoral. As ações proibidas são similares, mas há aspectos distintivos.
Para o artigo 324 do Código Eleitoral, constitui crime caluniar alguém, na propaganda eleitoral, ou visando fins de propaganda, imputando-lhe falsamente fato definido como crime (grifamos).
De acordo com o artigo 325 do Código Eleitoral, configura delito difamar alguém, na propaganda eleitoral, ou visando a fins de propaganda, imputando-lhe fato ofensivo à sua reputação (grifamos).
E consoante o artigo 326 do Código Eleitoral, é criminosa a ação de injuriar alguém, na propaganda eleitoral, ou visando a fins de propaganda, ofendendo-lhe a dignidade ou o decoro (grifamos).
Por conseguinte, a literalidade da norma penal comum é igual a da eleitoral, tendo esta última, como diferenciação, o acréscimo da seguinte locução: na propaganda eleitoral, ou visando a fins de propaganda, alcançando, essa expressão, não somente a realização da propaganda, mas também aquela efetuada fora do contexto de propaganda, com intenção de se obter vantagens eleitorais indiretas para aquele que as profere.
Anote-se, também, que os crimes contra a honra mencionados no Código Penal referem-se à lesão de direito do particular, enquanto que no Código Eleitoral o interesse protegido é bem mais amplo, posto que, além da honra do cidadão, são também tutelados os direitos públicos subjetivos dos eleitores, pois as mesmas lesões são praticadas contra as instituições políticas do Estado Democrático de Direito.
Registre-se, ainda, que os crimes contra a honra do Código Penal são, em regra, de ação penal privada e, logo, dependem da queixa do ofendido (artigo 145 do Código Penal). Os crimes eleitorais, inclusive os previstos nos artigos 324 a 326 do Código Eleitoral, são crimes de ação penal pública incondicionada (artigo 355 do Código Eleitoral).
Consigne-se que a partir da escolha de candidatos em convenção, é assegurado o direito de resposta a candidato, partido ou coligação atingidos, ainda que de forma indireta, por conceito, imagem ou afirmação caluniosa, difamatória, injuriosa ou sabidamente inverídica, difundidos por qualquer veículo de comunicação social (artigo 58, caput, da Lei nº. 9.504/95).
Os crimes contra a honra, de um modo geral, são crimes de menor potencial ofensivo e, logo, da competência dos Juizados Especiais Criminais, previstos nas Leis 9.099/95 e 10.259/01. Aos crimes eleitorais contra a honra aplicam-se os institutos previstos nessas leis, conforme orientação do Tribunal Superior Eleitoral.  
Além desses apontamentos jurídicos, vale ressaltar que a prática de crime contra a honra no Direito Eleitoral pode servir como referência ao eleitor. Afinal, se o candidato não se mostra capaz de respeitar a honra de outro candidato, será capaz de respeitar as demais regras do ordenamento jurídico? Com a palavra o eleitor.
Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Tânia Cristina Capilé Lobo Jawsnicker) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2019. JurisWay - Todos os direitos reservados