JurisWay - Sistema Educacional Online
 
Kit com 30 mil modelos de petições
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Eventos
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

REFORMA ELEITORAL


Autoria:

Tânia Cristina Capilé Lobo Jawsnicker


Graduada em Direito pela Universidade Federal de Mato Grosso. Mestre em Direito das Relações Sociais pela PUC/SP. Especialista em Educação a Distância e em Direito Eleitoral. Analista Judiciária do TRE/MT. Professora de Direito.

envie um e-mail para este autor

Resumo:

O artigo analisa o Projeto de Lei nº. 5.498/09, que propõe alterações ao Código Eleitoral, à Lei dos Partidos Políticos e a Lei das Eleições.

Texto enviado ao JurisWay em 15/07/2009.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

Na semana passada, dia 08 de julho, a Câmara dos Deputados aprovou o Projeto de Lei nº. 5.498/2009, que altera a Lei nº. 4.737, de 15 de julho de 1965 (Código Eleitoral), a Lei nº. 9.096, de 19 de setembro de 1995 (Lei dos Partidos Políticos), a Lei nº. 9.504, de 30 de setembro de 1997 (Lei das Eleições).
O projeto foi apresentado em 30 de junho de 2009 por diversos líderes partidários, com requerimento de regime de urgência, tendo recebido durante a tramitação 136 (cento e trinta e seis emendas). A redação final foi assinada pelo Deputado Flávio Dino (PCdoB-MA).
Segundo a imprensa, o Presidente da Câmara, Deputado Michel Temer (PMDB-SP), cumprimentou os líderes por terem sido persistentes na votação, disse que a aprovação do projeto foi um sucesso absoluto e que a Câmara merece, mais uma vez, aplausos.
Apesar do entusiasmo do Deputado Michel Temer, o projeto tem sido alvo de severas críticas, inclusive no tocante à exagerada pressa em sua aprovação.
De acordo com Marcos Lourenço Capanema de Almeida, professor de Direito Eleitoral do Curso de  Direito da PUC/MG, o projeto de lei “fragiliza consensos como a fidelidade partidária e o fortalecimento das agremiações partidárias”. Além disso, “institui o calote”, ao isentar os órgãos nacionais de direção partidária de qualquer responsabilidade por dívidas e despesas realizadas pelos diretórios de âmbito estadual e municipal, nos termos dos §§ 5º e 6º, do artigo 28, da Lei nº. 9.096/95, acrescentados pelo projeto (Fonte: Blog do Frederico Vasconcelos).
O Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral (MCCE), por sua vez, considera um retrocesso que a certidão de quitação eleitoral, apresentada no registro da candidatura, mencione somente a apresentação da prestação de contas de campanha eleitoral, sem exigir a aprovação delas (artigo 11, § 7º, da Lei nº. 9.504/97, conforme o projeto). Essa omissão, segundo o Juiz Márlon Reis, membro do MCCE, “torna possível a candidatura de pessoas que comprovadamente fraudaram contas apresentadas à Justiça Eleitoral”.
O MCCE também crítica a redação dada pelo projeto à parte final do § 10, do artigo 11, da Lei nº. 9.504/97, pois faz ressalva que “torna possível que mesmo candidatos inelegíveis participem do processo eleitoral(Fonte: Blog do Frederico Vasconcelos).
O Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil, por meio da Coordenação de Direito Eleitoral, acredita que o projeto “irá engessar de imediato o controle que o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) poderia exercer sobre doações de campanha e acabará por liberar institucionalmente doações ocultas ilimitadas a partidos políticos”. Dessa forma, a prática da doação oculta, que já funcionava como praxe em campanhas políticas, foi institucionalizada no projeto aprovado pela Câmara (Fonte: Site do Conselho Federal da OAB).
O Ministro Carlos Ayres Britto, atual Presidente do Tribunal Superior Eleitoral, considera “provinciana” a regulamentação da propaganda eleitoral na Internet, que “é o espaço da liberdade absoluta, para além da liberdade de imprensa” (Fonte: Site Último Segundo).
Apesar dessas críticas, que são pertinentes, o projeto contém pontos positivos.  
Na Lei nº. 9.096/95, por exemplo, o projeto acrescenta ao artigo 44 o inciso V, determinando que parte dos recursos partidários seja aplicada na criação e manutenção de programas de promoção e difusão da participação política das mulheres conforme percentual que será fixado pelo órgão nacional de direção partidária, observado o mínimo de 5% (cinco por cento) do total.
Com o mesmo objetivo, o projeto acrescenta ao artigo 45 o inciso IV, determinando que a propaganda partidária promova e divulgue a participação política feminina, dedicando às mulheres o tema o tempo que será fixado pelo órgão nacional de direção partidária, observado o mínimo de 10% (dez por cento).
Nesse artigo, contudo, o projeto faz uma previsão de constitucionalidade duvidosa, na medida em que o § 3º confere apenas ao partido político legitimidade para representar contra propaganda partidária irregular, excluindo, ao que parece, o Ministério Público Eleitoral.
Na Lei nº. 9.504/97, por exemplo, o projeto acrescenta ao artigo 16 o § 1º, prevendo que “todos os pedidos de registro de candidatos, inclusive os impugnados e os respectivos recursos, devem estar julgados em todas as instâncias, e publicadas as decisões a eles relativas, até a data prevista no caputquarenta e cinco) dias antes da data das eleições. Para tanto, continua o § 2º, também acrescentado pelo projeto, “os processos de registro de candidaturas terão prioridade sobre quaisquer outros, devendo a Justiça Eleitoral adotar as providências necessárias para o cumprimento do prazo previsto no § 1º, inclusive com a realização de sessões extraordinárias e a convocação dos juízes suplentes pelos Tribunais, sem prejuízo da eventual aplicação do disposto no art. 97 e de representação ao Conselho Nacional de Justiça”. ”, ou seja, até 45 (
Também me parece positiva a introdução, no artigo 41-A da Lei nº. 9.504/97, que trata da captação ilegal de sufrágio, da previsão de que é desnecessário o pedido explícito de votos para a caracterização da conduta ilícita, bastando a evidência do dolo, consistente no especial fim de agir (§ 1º). E da aplicação das sanções por captação ilegal de sufrágio a quem praticar atos de violência ou grave ameaça a pessoa, com o fim de obter-lhe o voto (§ 2º).
No entanto, ainda no que se refere à Lei das Eleições, o projeto reduz o valor da multa cominada à propaganda eleitoral irregular, dando nova redação ao § 3º, do artigo 36. Hoje a multa situa-se entre 20.000 (vinte mil) e 50.000 (cinqüenta mil) UFIR (Unidade Fiscal de Referência), ou seja, entre R$ 21.200,00 (vinte e um mil e duzentos reais) e R$ 53.000,00 (cinqüenta e três mil reais), considerando que a UFIR vale R$ 1,06 (um real e seis centavos). O projeto fixa a multa entre R$ 5.000,00 (cinco mil reais) e R$ 25.000,00 (vinte e cinco mil reais), uma redução considerável.
No que toca ao exercício do direito de voto, o projeto prevê que no momento da votação, além da exibição do respectivo título, o eleitor deverá apresentar documento de identificação com fotografia (artigo 91-A da Lei nº. 9.504/97). E veda portar aparelho de telefonia celular, máquinas fotográficas e filmadoras dentro da cabina de votação (parágrafo único do dispositivo mencionado).
Por meio do artigo 233-A do Código Eleitoral, o projeto assegura aos eleitores em trânsito no território nacional o direito de voto nas eleições para Presidente e Vice-Presidente da República, em urnas especialmente instaladas nas capitais dos Estados e na forma regulamentada pelo Tribunal Superior Eleitoral.
E, a partir das Eleições de 2014, inclusive, é criado o voto impresso, garantido o total sigilo, observadas as seguintes regras: (a) a máquina de votar exibirá para o eleitor, primeiramente, as telas referentes às eleições proporcionais; em seguida, as referentes às eleições majoritárias; finalmente, o voto completo para conferência visual do eleitor e confirmação final do voto; (b) após a confirmação final do voto pelo eleitor, a urna eletrônica imprimirá um número único de identificação do voto associado à sua própria assinatura digital; e (c) o voto deverá ser depositado de forma automática, sem contato manual do eleitor, em local previamente lacrado.
Enfim, podem ser apontados avanços e retrocessos no Projeto de Lei nº. 5.498/09. A esperança, agora, é que o Senado Federal, sem pressa, para permitir uma discussão aprofundada da matéria, ratifique os avanços e exclua os retrocessos. A dúvida é se podemos confiar no Senado, ainda mais considerando que, para ser aplicada às Eleições de 2010, a reforma deve ser aprovada até o mês de outubro (art. 16 da Constituição Federal).
Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Tânia Cristina Capilé Lobo Jawsnicker) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2021. JurisWay - Todos os direitos reservados