JurisWay - Sistema Educacional Online
 
É online e gratuito, não perca tempo!
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

A QUESTÃO DA HOMOSSEXUALIDADE PERANTE O PROCESSO CIVIL E A CONSTITUIÇÃO BRASILEIRA


Autoria:

Eduardo Felisberto


Estudante do curso de Direito do Unisalesiano Lins

envie um e-mail para este autor

Outros artigos da mesma área

Prisão civil por débito alimentício: Algumas considerações e compreensões acerca do período máximo de prisão

Do cabimento de agravo de instrumento contra despacho

EXCEÇÃO DE PRÉ-EXECUTIVIDADE COMO MEIO DE DEFESA DO EXECUTADO

As custas judiciais e a multa dos embargos de declaração como instrumento de negação de acesso a jurisdição

Aspectos relevantes do Direito Processual Civil

ASPECTOS GERAIS DA LEI 12.016/2009 QUE REGULAMENTA O MANDADO DE SEGURANÇA INDIVIDUAL E COLETIVO: INOVAÇÕES E RETROCESSOS

A Crise do Processo e do Poder Judiciário no Brasil e no Mundo e a Adoção de Formas Alternativas para Solução das Controvérsias (ADR)

A Coisa julgada e a sua relativização no CPC de 2015.

Tutela inibitória liminar, liminar cautelar e antecipação de tutela: distinções e similariedades

A OPÇÃO DO ADVOGADO QUANTO AO AGRAVO DE INSTRUMENTO OU RETIDO CONTRA DECISÃO INTERLOCUTÓRIA PROFERIDA EM AUDIÊNCIA

Mais artigos da área...

Resumo:

A entrada em vigor do novo Código de Processo Civil ainda deixa obscura a situação em relação aos homossexuais em seu texto.

Texto enviado ao JurisWay em 29/03/2016.

Última edição/atualização em 02/04/2016.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

A Constituição Federal do ano de 1988 traz em seu texto o princípio da isonomia, princípio que garante a todos o direito de tratamento igualitário. Tal preceito tem como intuito tratar de forma igual todo o cidadão, sem distinção de etnia, credo ou opção sexual. No âmbito do processo civil apesar de relativas conquistas, ainda há ressalvas, sobretudo no direito de sucessão dos bens adquiridos pelo parceiro da união estável em casais homossexuais. Questões como a adoção já recebem a devida atenção no processo civil, não havendo qualquer recriminação quanto ao ato em casais homoafetivos.

Mas seria então o Código Processual Civil omisso com relação ao tema abordado? O fato é que a por vezes, a lei por si só exclui e individualiza alguns conceitos tidos como os de “família nuclear” em detrimento da amplitude de direitos e do pleno exercício dos princípios da dignidade da pessoa humana, este que tal como o princípio da isonomia garante tratamento equivalente ao ente social em relações homossexuais. Fruto de sua época, onde a sociedade ainda patriarcal define como casal “homem e mulher” estritamente, sendo inclusive objeto de discussão nos órgãos superiores, a legislação continua por vezes cega aos princípios fundamentais do que se entende por direito no âmbito legal no nosso país.

 

Caiba talvez, mais bom senso em relação aos juristas para com questões de relevante valor social e cumprimento das garantias asseguradas aos indivíduos. A causa das minorias ganhou voz com os novos movimentos virtuais de representação dos sujeitos, porém não se mantém salutar a nossa evolução legal. O Novo Código de Processo Civil, apesar de “eficiente” (há controvérsias) em relação a agilidade que se espera dos processos, por vezes não contempla expressamente as vertentes de representação dos direitos dos homossexuais, sem aparente vislumbre de mudança. Cabe ainda ao legislador abarcar as questões expostas para o cumprimento do que se entende como “democracia”, o direito emanado do povo para o povo para combater a disparidade social ao qual se encontram alguns e para a execução plena do que entende por Estado de Direito.

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Eduardo Felisberto) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2019. JurisWay - Todos os direitos reservados