JurisWay - Sistema Educacional Online
 
Kit com 30 mil modelos de petições
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Eventos
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

BREVE REFLEXÃO SOBRE A RAZOÁVEL DURAÇÃO DO PROCESSO


Autoria:

Právila Indira Knust Leppaus


Advogada e Consultora Jurídica (OAB/ES 20.988), Especialista em Responsabilidade Civil e Direito do Consumidor. Com atuação profissional em Direito do Consumidor, Direito Constitucional,Direito Previdenciário, Direito de Família, Direito do Trabalho e Direito Penal. Telefone para contato: (27) 99644-8732

envie um e-mail para este autor

Resumo:

A presente reflexão trata de um tema de relevante interesse, qual seja, a razoável duração do processo.

Texto enviado ao JurisWay em 19/03/2015.

Última edição/atualização em 24/03/2015.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

INTRODUÇÃO

Nesse breve escrito, pretendo abordar sobre um tema de necessária importância, qual seja, a razoável duração do processo e a sua importância no ordenamento jurídico, haja vista, que o processo não pode demorar além do razoável por ferir Direito Constitucionalmente consagrado.

Assim sendo o convido a ingressar nessas poucas páginas de conhecimento que dispenso sobre o objeto proposto


BREVE REFLEXÃO SOBRE A RAZOÁVEL DURAÇÃO DO PROCESSO


A razoável duração do processo é instituto de suma importância no ordenamento jurídico pátrio, razão pela qual, foi consagrado pela Magna Carta, como Princípio Constitucional, elencado no rol de Direitos e Garantias Fundamentais do indivíduo, previsto no artigo 5º, inciso LXXVIII, da Constituição da República Federativa do Brasil de 1988, versando que “a todos no âmbito judicial e administrativo, são assegurados a razoável duração do processo e os meios que garantam a celeridade de sua tramitação”.

Nesse sentido, como reflexo dessa garantia, visualizamos na Teoria Geral do Processo, o Princípio da Celeridade Processual, que deve ser observado, para se atingir a pretensão processual pretendida, a fim de obtê-la no mínimo prazo de tempo possível, ou seja, num prazo razoável.

Sergio Massaru Takoi, ensina quea norma garante mais que o direito de ação ou de acesso ao judiciário, mas a sua eficiência, celeridade e tempestividade.”

O Processo deve ser célere, bem como uma duração razoável, haja vista, que não pode e nem deve perdurar por longos anos, sob pena de ferir Princípio Constitucionalmente consagrado.

Deve-se ressaltar, que a própria demora normal do processo é cansativa e desgastante, tanto para o pólo ativo, quanto para o pólo passivo da demanda processual, destarte, o processo não pode demorar além do normal, isto é, o processo não pode ultrapassar a razoabilidade de sua duração, pelo fato do processo ter que cumprir sua função social, que é tornar a justiça de qualidade acessível a todos.

O autor Guilherme Marinoni, traz a luz, que “a sociedade, como um todo, reclama celeridade e efetividade na entrega da prestação jurisdicional, vez que a atividade jurisdicional figura como a principal forma de concretizar os direitos subjetivos individuais e coletivos consagrados nos textos normativos, mormente por ter o Estado assumido, historicamente, o monopólio de dizer o direito através da jurisdição.”

Insta dizer, que a demora processual, pode colocar em risco o bem da vida tutelado, assim sendo, o Princípio da Razoável duração do processo, visa resguardar o direito propriamente dito, tendo em vista que as vias processuais podem se rastejar por largos períodos de anos, e por esse tempo, o gozo do direito pretendido, se demorar além do normal, pode se perder, tornando o processo inútil, diante da perda da pretensão pela demora processual.

Juliana Araújo Simão Curi esclarece que o “processo apenas é realmente efetivo quando possui aptidão para alcançar os escopos sociais e políticos da jurisdição.”

Todavia, vale esclarecer, que o Estado é garantidor da plena razoabilidade do prazo processual, objetivando garantir a todos o acesso a justiça, e que esta seja efetiva e não demore muito para ser alcançada e satisfeita, tendo em vista que é competência Estatal dirimir os conflitos postos à sua apreciação, e que esta ocorra de forma célere, eficaz e razoável.


 

 CONCLUSÃO

Com o fim do respectivo, concluímos que a razoável duração do processo deve ser observada, posto ser este, Princípio Constitucional, corolário do próprio acesso a justiça, permitindo a todos o acesso à justiça de forma efetiva e com uma resposta num prazo razoável, até mesmo para assegurar a satisfação processual, posta a apreciação do Estado.

O Estado assume a posição de Estado-garantidor, capaz de garantir a celeridade e razoabilidade processual.


 REFERÊNCIAS

 

1. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988.

 

 

2. CURI, Juliana Araújo Simão. O acesso à Justiça no Brasil: a necessidade de advogado, a capacidade econômica dos jurisdicionados e a demora na prestação jurisdicional. Jus Navigandi, Teresina, ano 16, n. 3061, 18 nov. 2011. Disponível em: <http://jus.com.br/revista/texto/20454>. Acesso em:15 fev. 2012.

 

3.MARINONI, Luiz Guilherme; ARENHART, Sérgio Cruz. Processo de conhecimento. 7. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2008. v. 2. p. 33 (Coleção Curso de Processo Civil; v. 2).

 

4.TAKOI, Sérgio Massaru. O  Princípio Constitucional da duração razoável do Processo (art. 5º LXXVIII da CF/88) e sua aplicação no Direito Processual Civil. Faculdade Autônoma de Direito – Programa de Mestrado em função social do Direito. São Paulo. 2007

 

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Právila Indira Knust Leppaus) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2021. JurisWay - Todos os direitos reservados