JurisWay - Sistema Educacional Online
 
É online e gratuito, não perca tempo!
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Eventos
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

PEQUENAS VÍTIMAS


Autoria:

Fabiano Barroso


Advogado militante na Baixada Santista desde 1997, atuando nas áreas cível e criminal. Formado em Direito pela Unisantos - Universidade Católica de Santos. Pós-Graduado em Direito do Estado pela Universidade Cândido Mendes/RJ.

envie um e-mail para este autor

Resumo:

criança, lei, politicagem

Texto enviado ao JurisWay em 17/03/2013.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

Eles são pequenos. Eles são frágeis. Eles são inocentes, mas mesmo não tendo culpa alguma, pagam pelos erros dos adultos.

 

Pagam um preço alto, pois não podem se defender sozinhos. Então, eles são explorados, humilhados, agredidos e violentados. No mundo perverso e cruel dos adultos, esses pequenos seres são alvo de preocupações que visam protegê-los: leis, tratados internacionais, conferências mundiais... mas, na maior parte das vezes tudo fica muito bonito... no papel!

 

Tanta preocupação em nome de uma suposta HUMANIDADE, mas no fundo, aos olhos dos grandes países do mundo, e até mesmo de países ditos "em desenvolvimento", como nosso caso, as crianças são menos valiosas do que o ouro negro que jorra das entranhas da terra, são menos importantes que as armas produzidas e exportadas para que seus pais possam se matar em guerras absurdas. Não merecem tanta preocupação quanto à economia, quanto ao câmbio, quanto às obras que rendem votos...

 

Esta vida ingrata - graças ao que poderiam fazer algo, mas quedam-se inertes - rouba-lhes a dignidade, e depois o que esperamos nós em troca? Afagos, carinhos, beijos? Ou a retribuição virá com o mal, com a violência, com a faca?

 

Qualquer governo do mundo que trata os infantes desta forma, esquece-se de que eles serão o futuro. Fingem não saber que eles estarão aqui amanhã, em nosso lugar...

 

Todos os dias uma criança uma criança é maltratada. Todos os dias uma criança, ao invés de estar na escola, está sendo explorada em algum semáforo. Todos os dias uma criança não se alimenta...Todos os dias um adulto que já foi uma criança maltratada, que já vendeu balas no semáforo, que não comeu, que não foi para a escola, furta, rouba, estupra e mata alguém...

 

Essas crianças são escravas de um mundo perverso e desigual. Escravas de um sistema que não se preocupa com eles. Crianças escravas do mal, do mal que os governantes fazem a elas!

 

Onde está o Governo? Estas pequenas pessoas não necessitam apenas das bolsas-esmola da vida. Os infantes precisam de escolas em período integral, com bons professores, com boa merenda. Precisam aprender um ofício, um trabalho honesto. Precisam de Hospitais, de Saúde. Precisam de saneamento básico. Precisam sentir que fazem parte do mundo.

 

Onde estão nossos Congressistas? Certamente pensando em aumento salarial, ou em como dar o próximo desfalque, ao invés de se preocuparem com questões importantes como essas...

 

Neste país desigual, no qual os homens do poder preocupam-se na maior parte do tempo com interesses escusos, onde está a Dignidade?

 

Será que eles já tiveram a curiosidade de ler a Constituição e o Estatuto da Criança e do Adolescente?

 

Não ouvem eles os pedidos de socorro de nossas crianças, forçadas a trabalhar, a se prostituir?

 

Não ouvem eles o débil choro da fome, da inanição? Não vêem eles o olhar de desespero dos infantes na miséria?

 

Não conhecem eles a palavra solidariedade? E "misericórida" ? Será que já ouviram falar?

 

E “fazer o bem?”. Não creio que saibam o que é esta expressão...

 

O bem para eles é algo que se possa administrar através de contas bancárias. Para estes senhores do governo e do congresso, "bem" é apenas sinônimo de propriedade...

 

 

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Fabiano Barroso) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2020. JurisWay - Todos os direitos reservados