JurisWay - Sistema Educacional Online
 
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Fale Conosco
 
Email
Senha
powered by
Google  
 
 Defesa do Consumidor

Últimos artigos

Um bom acordo é quando tudo se encaixa
23/07/2014

Adiantamento do 13º salário: ajuda financeira que pode ser bem-vinda
23/07/2014

Norma da ABNT em vigor há um ano restringe reformas em imóveis novos
23/07/2014

Inscrições para o Sisutec começam a partir desta segunda-feira
21/07/2014

Saiba fazer a transferência de dívida de carro ou imóvel para outra pessoa
21/07/2014

ingressos na Copa foram maior reclamação no Procon estadual
21/07/2014

Estudar no exterior já é realidade da classe C
21/07/2014

Além do 'efeito Copa': produtos e serviços no Rio subiram até 143% entre os Mundiais de 2010 e 2014
21/07/2014

Norma da ABNT em vigor há um ano restringe reformas em imóveis novos
21/07/2014

Caixas eletrônicos serão substituídos por banco 24 horas
21/07/2014

Mais artigos...

 

Comissão do Senado derruba veto a inibidores de apetite

Texto enviado ao JurisWay em 18/07/2014.

indique está página a um amigo Indique aos amigos

Comissão do Senado derruba veto a inibidores de apetite
17/7/2014
imagem transparente

Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania aprovou proposta que libera a produção e a venda, sob prescrição médica, de medicamentos derivados da anfetamina

Marcela Mattos, de Brasília
Pílulas de remédio

Remédios aprovados incluem anfepramona, femproporex e mazindol (Creatas RF/Getty Images)

A Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ) do Senado aprovou nesta quarta-feira a proposta que libera a produção e a venda, sob prescrição médica, de inibidores de apetite derivados de anfetamina. Esses medicamentos, que incluem anfepramona, femproporex e mazindol, foram retirados do mercado em outubro de 2011 por determinação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Com a decisão do órgão caem também restrições à venda da sibutramina, outro inibidor de apetite, como dosagens acima de 15mg/dia e a necessidade de um termo de responsabilidade assinado pelo paciente e pelo médico. O texto já foi aprovado pela Câmara dos Deputados e agora aguarda votação do plenário do Senado.

O relatório aprovado pelo colegiado, de autoria da senadora Lúcia Vânia (PSDB-GO), aponta que após a norma ter entrado em vigor o problema de obesidade foi intensificado no Brasil. "Segundo a pesquisa Vigitel, realizada pelo Ministério da Saúde, 48% da população estava com excesso de peso em 2011. No ano seguinte, a situação piorou, e a pesquisa constatou que 51% dos brasileiros estavam com sobrepeso", diz o parecer. "Ademais, não se deve ignorar que a proibição de comercialização das substâncias levou à criação de um mercado ilegal de medicamentos que, certamente, causará danos à saúde da população", continua.

O texto relata ainda que, com a proibição das principais substâncias ligadas à sensação de saciedade, sobraram poucas opções para o tratamento da doença. "Para o tratamento farmacológico, restaram somente o orlistat e a sibutramina. Cabe ressaltar que o orlistat tem alto preço de mercado, que inviabiliza sua aquisição pelos pacientes mais carentes. No caso da sibutramina, a Anvisa passou a exigir do médico o preenchimento de um termo de responsabilidade no ato de prescrição. Para os quadros graves de obesidade, resta, por fim, apenas a medida extrema de tratamento por meio da cirurgia bariátrica", afirma a relatora. 

A proibição dos inibidores de apetite gerou um embate entre a Anvisa e sociedades médicas ligadas à obesidade. A Organização das Nações Unidas (ONU) chegou a divulgar relatório em que defendia a liberação desses medicamentos para fins medicinais. O Ministério Público de Goiás e o Conselho Federal de Medicina recorreram contra a resolução. Apesar disso, a medida foi sancionada pela agência. 

Por quinze votos a seis, a proposta foi aprovada nesta quarta sem alterações ao texto encaminhado pela Câmara em abril. Parlamentares aliados ao Planalto, como os principais caciques do PT no Senado, Humberto Costa (PE) e Gleisi Hoffmann (PR), foram contrários à liberação dos inibidores. 



Fonte: Veja - Online
Importante:
1 - Todos os artigos podem ser citados na íntegra ou parcialmente, desde que seja citada a fonte, no caso o site www.jurisway.org.br.

indique está página a um amigo Indique aos amigos

 
Copyright (c) 2006-2021. JurisWay - Todos os direitos reservados