JurisWay - Sistema Educacional Online
 
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Fale Conosco
 
Email
Senha
powered by
Google  
 
 Defesa do Consumidor
 

Promessa de vacina inédita contra malária

Texto enviado ao JurisWay em 12/08/2013.

indique está página a um amigo Indique aos amigos

Promessa de vacina inédita contra malária
9/8/2013
imagem transparente


Larvas do mosquito Anopheles albimanus, transmissor da malária
Foto: LUIS ROBAYO / AFP

Larvas do mosquito Anopheles albimanus, transmissor da maláriaLUIS ROBAYO / AFP

RIO- Os primeiros testes clínicos com uma vacina experimental contra a malária foram bem sucedidos, segundo uma publicação na revista “Science”. Além de seguro, eles geraram uma resposta do sistema imune e ofereceram proteção contra a infecção em adultos sadios, de até 90%. O imunizante, conhecido como PfSPZ, foi desenvolvimento por cientistas da companhia Sanaria, de Rockville, nos Estados Unidos. Os próximos testes ocorrerão na África.

A avaliação clínica foi conduzida por pesquisadores do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas dos EUA. A malária é transmitida a humanos pela picada do mosquito infectado. O parasita, num estágio ainda imaturo, chamado esporozoíto, circula pelo fígado, onde se multiplica, e então se espalha pela corrente sanguínea, quando os sintomas se manifestam.

A vacina é composta de esporozoítos enfraquecidos da espécie Plasmodium falciparum, o mais mortal dos parasitas causadores da malária.

— O peso global da malária é extraordinário e inaceitável — afirmou o diretor do instituto, Anthony S. Fauci. — Cientistas e funcionários de saúde tiveram ganhos significativos em caracterizar, tratar e prevenir a malária. Entretanto, a vacina permaneceu um objetivo a se atingir. Estamos esperançosos de que estamos perto de mais um passo à frente.

De acordo com os últimos números da Organização Mundial de Saúde (OMS), ocorreram 219 milhões de casos de malária em todo o mundo em 2010, com cerca de 660 mil mortes. A doença é uma das maiores assassinas do mundo, sobretudo na África.

A primeira fase de testes contou com 57 voluntários adultos, com idades entre 18 e 45 anos, que nunca tiveram malária. Destes, apenas 40 participantes receberam o imunizante. Para avaliar sua segurança, foram administradas entre eles de duas a seis doses intravenosas da vacina. Depois, os participantes foram monitorados por uma semana e nenhum efeito adverso associado a ela foi registrado.

Com base em exames de sangue, os cientistas descobriram que os participantes que receberam as maiores dosagens do PfSPZ desenvolveram mais anticorpos contra a malária e mais células T — tipo de célula do sistema imune — específicas à vacina tomada.

Para avaliar se e como ela prevenia contra a infecção, cada participante — tanto os vacinados quanto os que não receberam o imunizante — foram expostos a picadas do mosquito. Os pesquisadores mostraram que os que receberam as maiores dosagens tiveram os maiores índices de proteção.

— Estes resultados experimentais são promissores para a geração de uma proteção contra a infecção da malária — afirmou Seder.



Fonte: O Globo - Online
Importante:
1 - Todos os artigos podem ser citados na íntegra ou parcialmente, desde que seja citada a fonte, no caso o site www.jurisway.org.br.

indique está página a um amigo Indique aos amigos

 
 
Copyright (c) 2006-2020. JurisWay - Todos os direitos reservados