JurisWay - Sistema Educacional Online
 
JurisWay - Servidor Público na Lei 8.112 com Certificado
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 
 Eu Juiz

Entenda

O que é 'Eu Juiz'?

Eu Juiz é um espaço onde qualquer pessoa pode analisar uma situação real e dar seu voto sobre qual deveria ser a sentença do juiz, podendo justificar sua resposta e ver as respostas das outras pessoas.

Ao final, é dada uma orientação sobre a solução mais aceita de acordo com a legislação vigente.

Ver outros casos

Terceiro de boa fé ajuíza Ação de Embargos de Terceiro com o objetivo de desconstituir penhora realizada em seu imóvel por processo trabalhista.

Argumentos do Autor na Petição Inicial:

Os embargantes a argumentaram que em 10 de agosto de 2004, adquiriram dos legítimos proprietários o imóvel objeto da referida penhora.

Que na realidade, o imóvel não pertencia a parte executada no processo trabalhista, pois conforme consta do registro de imóveis, desde a data de 26 de abril de l989, os filhos do executado é que eram legítimos proprietários do imóvel.

Neste sentido, apresentou em juízo, uma escritura de doação lavrada no mesmo dia em que os doadores, pais dos menores, adquiram o imóvel, demonstrando que as escrituras foram simultâneas, ambas, de compra e venda e de doação, foram lavradas no dia 07 de abril de 1989.

Ou seja, a doação ocorreu a mais de 10 (dez) anos antes do início da penhora, inclusive muito antes do ajuizamento da Reclamatória Trabalhista.

Argumentaram ainda que em nenhum momento os compradores negligenciaram no exame da documentação dos vendedores, pelo que, à época, como devido, diligenciaram para obter todas as certidões negativas de débitos, de ônus do imóvel, e de execuções contra os proprietários.

E neste sentido não constava, como não consta, tal execução contra os vendedores, ou seja, os filhos do executado no processo trabalhista.

Por fim, disseram que, nos termos da Lei, a penhora inexiste em relação a terceiros, uma vez que nunca se completou. Mesmo porque não foram intimados os devedores, os proprietários e sequer foi nomeado fiel depositário, além de não ter sido devidamente averbada no cartório do registro imobiliário.

Assim, requereram a declaração de nulidade ou insubsistência da penhora do imóvel e o arquivamento do mandado de reavaliação expedido.


Próximo Passo:

Argumentos do Réu (Contestação)


Rever:

Descrição do Caso

Importante:
1 - Todo o conteúdo pode ser citado na íntegra ou parcialmente, desde que seja citada a fonte, no caso o site www.jurisway.org.br.

indique está página a um amigo Indique aos amigos

 
Copyright (c) 2006-2018. JurisWay - Todos os direitos reservados