JurisWay - Sistema Educacional Online
 
JurisWay - Ortografia Oficial 2016 com Certificado
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

O Fantástico Mundo da Importação


Autoria:

Ricardo Vidal Gischkow Fattori


Advogado, graduado pela PUCRS, pós-graduado em direito público pela ESMAFE/RS, pós-graduado em direito de empresa com ênfase em direito tributário pelo Instituto de Desenvolvimento Cultural-IDC. Atuante nas áreas Cível, Tributária e Trabalhista.

envie um e-mail para este autor

Outros artigos da mesma área

O Direito Tributário e Sua Elevada Carga Tributária no Brasil

ASPECTOS QUE APROXIMAM E DISTANCIAM OS TRIBUTOS E AS MULTAS

Bitributação e o princípio bis in idem

A CONSTITUCIONALIDADE DA PROGRESSIVIDADE DO IMPOSTO PREDIAL TERRITORIAL URBANO

CONGRESSO NACIONAL QUER REGULAMENTAR 117 DISPOSITIVOS DA CF DE 1988 AINDA NÃO APLICADOS POR FALTA DE LEI

O CONFLITO ENTRE O CARF E A RFB SOBRE O CONCEITO DE INSUMOS PARA FINS DE CRÉDITOS DA COFINS E DO PIS

ALTERAÇÕES TRAZIDAS PARA O MANDADO DE SEGURANLA PELA LEI 12016

PLENÁRIO DO TRF 3ª REGIÃO DERRUBOU LIMITE À DEDUÇÃO DAS DESPESAS COM INSTRUÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA.

Os planos de saúde em uma perspectiva atual

COMO CONTRIBUIR PARA ENTIDADES BENEFIENTES COM DESTINAÇÃO DE PARTE DO IMPOSTO DE RENDA

Mais artigos da área...

Resumo:

Só no ano de 2010, a Receita Federal do Brasil arrecadou, com a apreensão de mercadorias, o incrível montante de R$ 1.274.978.567,90 (um bilhão, duzentos e setenta e quatro milhões, novecentos e setenta e oito mil, quinhentos e sessenta e sete reais.

Texto enviado ao JurisWay em 22/10/2012.

Última edição/atualização em 23/10/2012.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

Só no ano de 2010, a Receita Federal do Brasil arrecadou, com a apreensão de mercadorias, o incrível montante de R$ 1.274.978.567,90 (um bilhão, duzentos e setenta e quatro milhões, novecentos e setenta e oito mil, quinhentos e sessenta e sete reais e noventa centavos).  Neste ano, até março, o valor já ultrapassa R$ 405.374.546,62 (quatrocentos e cinco milhões, trezentos e setenta e quatro mil, quinhentos e quarenta e seis e sessenta e dois centavos).

O que gostaria de saber é, de fato, para onde vai este dinheiro? Saúde, educação, infraestrutura?  O certo é que, muitas vezes, essa fortuna é advinda de práticas irregulares dos agentes da Receita Federal do Brasil, que, na maioria das vezes, retém as mercadorias sem o menor fundamento plausível, ocasionando graves danos à atividade empresaria.

No exercício das funções, a autoridade fiscal pode reter objetos dos fiscalizados, buscando a defesa dos interesses da Fazenda Nacional. Uma vez ocorrida à apreensão, está instaurado o procedimento administrativo fiscal.

Afirma-se que a apreensão de mercadoria é medida administrativa de direito tributário e, portanto, está adstrita à observância do devido processo legal, assegurado pelo artigo 5º, inciso LIV, da Constituição Federal de 1988, segundo o qual “ninguém será privado de sua liberdade ou de seus bens sem o devido processo legal”.

Contudo, o Estado, por inúmeras vezes, abusa de seu poder ao instituir as denominadas sanções políticas aos contribuintes, como forma indireta de coibi-los ao pagamento dos tributos.

A inconstitucionalidade das sanções políticas é evidente porque implica em indevida restrição aos direitos fundamentais de propriedade (artigo 5°, inciso XXII, CF) e de liberdade, este último, quando se trata da garantia do livre exercício de qualquer trabalho, ofício ou profissão (artigo 5°, inciso XIII, CF); da garantia da livre iniciativa (artigo 170, caput, CF); e da garantia do livre exercício de qualquer atividade econômica (artigo 170, §° único).

As sanções políticas são também, inconstitucionais, por corresponderem à restrição ao princípio do devido processo legal (artigo 5°, inciso LIV, CF), pois não se admite que o Fisco, dispondo de meios legais para a cobrança de seus créditos, o que deve ser feito através do processo administrativo ou judicial (execução fiscal), pretenda utilizar esses meios coercitivos indiretos.

A apreensão de mercadorias, como delineado, somente é admissível para que se apure o quantum devido e o impute a alguém, ou seja, até que se identifique o sujeito passivo da relação tributária. Lavrado o auto de infração e, por conseguinte, feita a prova da posse legítima das mercadorias, devem ser estas liberadas, pois do contrário estará caracterizado o uso da apreensão com instrumento coercitivo na cobrança de tributo.

Para se livrarem de restrições arbitrárias que as autoridades fazendárias teimam em impor aos contribuintes, como a apreensão de mercadorias nos casos explicitados, estes têm recorrido constantemente ao Judiciário através da impetração de mandados de segurança com pedidos de liminar, visando garantir a prática da atividade econômica.

Como afirmado, mesmo com o deferimento do pedido de liminar no mandado de segurança, nenhuma consequência decorre capaz de inibir as práticas abusivas do Fisco. Por isto estes se proliferam, gerando enorme encargo para o Judiciário.

O próprio Supremo Tribunal Federal, ao editar a Súmula 323, asseverou o direito dos contribuintes quanto dispôs que “é inadmissível a apreensão de mercadorias como meio coercitivo a pagamentos de tributos”.

Será que a Receita Federal do Brasil não esta muito mais preocupado em arrecadar, de forma arbitrária, do que fornecer os serviços necessários para os cidadãos?

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Ricardo Vidal Gischkow Fattori) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2019. JurisWay - Todos os direitos reservados