JurisWay - Sistema Educacional Online
 
Kit com 30 mil modelos de petições
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Eventos
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

O Exame da Ordem: O Muro das Lamentações


Autoria:

Lincoln Almeida Rodrigues


Bacharelando de Direito na PUC/MINAS-Campus Arcos-MG, Estagiário do 1º Juizado Especial Cível/Criminal da Comarca de Arcos-MG, Articulista em diversos sítios jurídicos especializados da WEB, Colaborador do blog voxadvocatus.blogspot.com

envie um e-mail para este autor

Outros artigos da mesma área

Seleção para Concurseiros - Artigo 9º EAOAB - Para inscrição como estagiário é necessário ...

Seleção para Concurseiros - Artigo 18 EAOAB - A relação de emprego...

Considerações sobre o advogado empregado

Prerrogativa não é Privilégio

A INVIOLABILIDADE E O SIGILO PROFISSIONAL DO ADVOGADO

Seleção para Concurseiros - Artigo 7º EAOAB - São direitos do advogado ...

Resenha do filme Justiça para Todos

RÉPLICA AO ARTIGO "LIMITAR VALOR DA ANUIDADE DESRESPEITA AUTONOMIA DA OAB" DE AUTORIA DO DR. WADIH DAMOUS.

Seleção para Concurseiros - Artigo 6º EAOAB - Não há hierarquia nem subordinação entre advogados, magistrados e membros do Ministério Público...

Seleção para Concurseiros - Artigo 19,20 e 21 EAOAB - O salário, a jornada e a sucumbência do advogado empregado ...

Mais artigos da área...

Texto enviado ao JurisWay em 07/01/2012.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

O Exame da Ordem: O Muro das Lamentações
 
 
         Mais um exame da ordem se passou, e os murmúrios dos estudantes de direito continuam. Assim como no Muro das Lamentações, em que os judeus clamam pela volta do Messias, estudantes de todo o Brasil clamam por misericórdia em uma prova que na maioria das vezes tem uma média aproximada de 90% de reprovação.
 
Entra ano, sai ano e o Exame da Ordem continua sendo o principal debate entre os bacharelandos. Desde o início até o fim da graduação não se fala em outra coisa a não ser a "temida" Prova da OAB.
 
Devido os altos índices de reprovação do exame, os estudantes e diversos profissionais do direito iniciam uma discussão (muitas vezes acalorada) no que tange a uma possível inconstitucionalidade do Exame da OAB.
 
O art. 5°, XIII da CRFB/1988 é muito claro ao preceituar: "é livre o exercício de qualquer trabalho, ofício ou profissão, atendidas as qualificações profissionais que a lei estabelecer" (BRASIL, 2011). Em seu artigo A inconstitucionalidade do exame de ordem, o professor de direito constitucional Fernando Lima contesta o exame dizendo que "o texto constitucional, ressalte-se, utiliza a expressão qualificações profissionais que a lei estabelecer e não exames estabelecidos em lei". (LIMA, 2006)
 
Apesar das pertinentes considerações feitas pelos que reprovam a aplicação do exame da ordem para poder exercer a advocacia expomos aqui dois fatos relevantes para a manutenção do exame da ordem:
 
 
1º - O Brasil é o país que mais tem cursos jurídicos em todo o mundo;
 
 
2º - Todos os anos, centenas de cursos jurídicos em diversas universidades não obtêm êxito no ENADE, ficando comprovado desse modo que a quantidade exacerbada de cursos jurídicos não coaduna com a qualidade dos mesmos.
 
 
A finalidade deste ensaio não é firmar uma posição única acerca do tema, até porque, este tema ainda terá longas discussões e esta novela ainda esta longe de acabar.
 
 
O objetivo aqui é demonstrar que apesar dos lamentos dos estudantes por ser a prova da OAB um exame tão rigoroso, não podemos também nos esquecer que o exame da ordem também é uma tentativa de alerta ao MEC para inibir a abertura de novos cursos jurídicos no Brasil.
 
Com tantos bacharéis em Direito no Brasil devemos nos perguntar se há necessidade de tantos cursos e tantos profissionais num país onde nem sempre a Justiça é acessível a todos como deveria ser.
 
 
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

LIMA, Fernando. A inconstitucionalidade do exame de ordem. Jus Navigandi, Teresina, ano 11, n. 1109, 15 jul. 2006. Disponível em: <http://jus.uol.com.br/revista/texto/8651/a-inconstitucionalidade-do-exame-de-ordem>. Acesso em: 29 jul. 2011.
 
 
BRASIL, Constituição (1988). Constituição da República federativa do Brasil. Brasília: Senado. 2011.
 
Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Lincoln Almeida Rodrigues) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2023. JurisWay - Todos os direitos reservados