JurisWay - Sistema Educacional Online
 
Será o fim do JurisWay?
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

Somos todos normais?


Autoria:

Marciano Almeida Melo


Bacharelando em direito, cursando o 7º semestre na Faculdade Cenecista de Osório, com sede em Osório/RS.

envie um e-mail para este autor

Resumo:

Um rápido passeio pelo "Alienista" obra de Machado de Assis.

Texto enviado ao JurisWay em 09/12/2011.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

 

                            Somos todos normais?

                           

         Hoje amanheci pensando  como o mundo em que vivemos,  é uma verdadeira loucura.

         Não sabemos definir corretamente a pessoa normal, daquela que não é normal.

          Simão Bacamarte, personagem de Machado de Assis, talvez no dia de hoje, tenha se incorporado nos meus pensamentos e por essa razão, estou com esse imaginário tão forte e muito irrealista.  Ou será ao contrário. Realista?

          Realista ou não, a verdade é que todos aqueles que pensam e agem diferente de nós, a gente critica e olha de certa forma, com olhar mais interrogativos.  Aqueles que nos são afins, ou aqueles que participam de  nossas idéias e se identificam com nossos hábitos, são considerados normais, os outros anormais.

          No entanto, muitas vezes criamos realidades que divergem do comportamento ou da conduta, dita como normal, pela grande maioria das pessoas.  Nessas circunstâncias, somos taxados de loucos. Por que as pessoas pensam assim? 

          Todas as pessoas buscam em sonhos e fantasias, concretizar aquilo que  gostariam de ser ou de realizar.  Muitas vezes, esses fatos fogem ao controle individual da pessoa. Quando isso acontece e, acontece com todos, chamamos a pessoa de louca ou alienada, anormal.

          E o nosso mundo, desde seu inicio, traz esse questionamento feito pelo homem através da sua história.

          Onde esta a verdade nessa busca pela normalidade dos pensamentos,  e do comportamento social adequado para cada situação vivida.

          Simão Bacamarte, nessa busca de entendimento do “pensamento” humano, acabou  desestruturando sua psique, pois em determinado momento dessa busca, encontrou-se totalmente perdido, num labirinto criado por ele próprio, pois no seu raciocínio estavam todos loucos.

            E, na verdade, se vasculharmos nosso cérebro, provavelmente, venhamos a perceber mais alienação do que normalidade, criada dentro dele, por seu devido possuidor.

            E para concluir,   basta olhar a história passada e atual dessa constrangedora existência em que vivemos, povoada por desentendimentos, preconceitos,  brigas, drogas, conflitos, guerras, etc.

            Diante de tudo isso, Simão Bacamarte tinha lá suas razões...

          

 

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Marciano Almeida Melo) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2019. JurisWay - Todos os direitos reservados