JurisWay - Sistema Educacional Online
 
É online e gratuito, não perca tempo!
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

Breves considerações sobre a frase "Penso, logo existo". Pensar e existir!


Autoria:

Marco Aurélio De Matos Pinheiro


Sou estudante apaixonado pelo Direito, curso Espanhol pensando no Mestrado. Tenho muita facilidade na área penal e também na civil. Estou no 3º ano de Curso. Estudo em Araguari-MG UNIPAC, ótima Faculdade. Não sei ainda em que área atuar - Promotoria!

Telefone: 34 32468747


envie um e-mail para este autor

Resumo:

Trata-se de uma comparação da frase intitulada pelo ilustre filósofo René Descartes com a realidade atual.

Texto enviado ao JurisWay em 11/09/2011.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

Sobre o tema a ser tratado neste texto irei expor breves comentários sobre a ilustre frase "Penso, logo existo" do grande filósofo René Descartes ou também do latim "Cogito, ergo sum" fazendo uma breve comparação de tal frase com a realidade atual em nosso país. Sobre a frase, René Descartes concluiu que o que se objetiva é duvidar de suas sensações como forma de obter conhecimento do mundo, pois tais sensações têm o condão na maior parte dos acontecimentos de nos "enganar sempre", duvidando a posteriori da realidade externa e da realidade de seu corpo como forma de comprovar que o conhecimento certo, através da argumentação do "sonho", duvidando da certeza advinda das atividades matemáticas, através do argumento do gênio maligno, não tendo como duvidar do que estava duvidando. Hãm???? Sendo que: se duvido, logo existo, mas duvidar é pensar, então: "Se penso, logo tenho consciência de mim mesmo ou penso, logo sei ou penso, logo tenho consciência ou penso, logo sei algo certo". Tema meio confuso, mas o que se objetiva é que com o pensamento tentamos obter maiores conhecimentos sobre tudo que nos rodeia, duvidando de tudo que nos cerca para enfim, absorver o mais belo dos pensamentos puros e a mais alta sensibilidade para adotar um rumo "certo" a seguir. Percebo que na realidade atual, pessoas assim como eu são uma espécie de "robot" porque estamos vivendo na era da "Globalização e da Mídia" onde o que fazemos, não fazemos e o que deveríamos fazer é a mídia que dá o caminho mais correto a seguir, perdemos o dom de pensar, sendo que se não penso, não duvido, se não duvido, não sei o que é certo. Sentimos saudades (não começo a frase com o verbo "sinto" porque já nasci na era globalizada) dos tempos onde tínhamos o prazer em pensar no que fazer, no que seguir. Sentimos saudade também de fazer o que é mais correto para nosso dia a dia, de fazer aquilo que nos leva ao sucesso. Porém, hoje em dia, tudo que você faz e não tem correspondência na mídia não tem nada de sucesso, então meu caro você só tem insucesso. Penso que ainda existem muitos pensadores "pensando", mas o que eles pensam? Não sei, porque ainda não tive tempo de pensar naquilo que eles pensam em estar pensando. Aaaaa tá? Muitos não pensam porque tem medo de colocar em prática e serem rechaçados por classes superiores que se orientam através da globalização "inconsciente". Depois de todo o exposto e ainda com dúvidas porque não pensei muito para redigir sobre o tema, concluo que "Se para existir precisamos pensar, então temos que avançar em nossos modos de vivenciar numa sociedade que se orienta pelo capital obtido e não pelas pessoas que a compõem e também mudanças em nossos hábitos de vida como v.g. "Compramos aquilo o que está no auge da moda atual". Enfim, não tenho a solução para nosso mundo atual,mas para obter a resposta de como 'pensar' teríamos que voltar no tempo onde tínhamos grandes pensadores que expunham suas ideias sem medo de serem hostilizados, sem querer mencionar que em nossa sociedade atual não haja pensadores, mas o que se têm em grande maioria é que muitos estão "mortos" no sentido que do que foi dito acima, as pessoas não pensam, mas permitem que a mídia, o meio e outros pensem por eles e que com todo exposto devemos aprender a 'pensar' e quem sabe a voltar a 'existir'".
Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Marco Aurélio De Matos Pinheiro) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2019. JurisWay - Todos os direitos reservados