JurisWay - Sistema Educacional Online
 
JurisWay - Novo CPC com Certificado
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

Acepções jurídicas do vocábulo polícia em Direito Administrativo


Autoria:

Bruno De Oliveira Favero


Especialista em Polícia Judiciária e Sistema de Justiça Criminal, e em Direitos Humanos e Segurança Pública no Brasil pela Academia de Polícia "Dr. Coriolano Nogueira Cobra" São Paulo. Bacharel em Direito pelo Unifieo, obteve aprovação no XXVIII Exame de Ordem Unificado - OAB. Bacharel em Música com habilitação em instrumento (contrabaixo), possui licenciatura plena em Música, graus obtidos na Faculdade de Música de Osasco - FAC-FITO. Professor universitário na Faculdade Estácio de Carapicuíba, ministra as disciplinas Direito Empresarial e Direito do Consumidor no Curso Superior de Tecnologia em Marketing, e Legislação Fiscal, Trabalhista e Previdenciária para discentes da graduação em Administração. É conciliador e mediador no Cejusc de Carapicuíba. Investigador de polícia em São Paulo.

envie um e-mail para este autor

Resumo:

O presente texto analisa o conteúdo semântico do vocábulo polícia, com o objetivo de distinguir as atividades desempenhadas pelo Poder Público.

Texto enviado ao JurisWay em 05/06/2019.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

      O Estado desempenha quatro grandes atividades, a saber, serviço público, intervenção, fomento e polícia. Focaliza-se neste texto esta última, com o objetivo de esclarecer o seu significado, pois, não raro, observa-se dúvidas sobre o que seja atividade de polícia e atividades da Polícia.

      Quando se diz que uma das atividades exercidas pelo Estado diz respeito ao exercício do poder de polícia, nem de longe, está-se a referir às atividades levadas a termo, por exemplo, pela Polícia Civil ou pela Polícia Militar. Trata-se da fiscalização que o poder público realiza, com fundamento no artigo 78 do Código Tributário Nacional, para manter em níveis de segurança, atividades lícitas desempenhadas por particulares. Por exemplo, o dono de uma padaria recolhe um tributo denominado taxa para que ele, e somente ele, seja fiscalizado, com relação à adequação dos produtos alimentícios para o consumo humano. Note que o dono da padaria é um empresário, exercendo atividade profissional lícita, num ramo comercial. O poder público, especificamente as pessoas jurídicas de direito público interno União, Estados, Distrito Federal e Municípios efetuam a fiscalização por meio de agências como, v.g., a Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Jamais a Polícia Militar realizará esta fiscalização. Pode eventualmente prestar apoio àqueles servidores, quando necessário.

      Talvez fique a dúvida: E quanto ao fato de em alguns casos os donos de estabelecimentos do tipo citado praticarem crime contra as relações de consumo? Atenção aqui, pois neste momento o que se impõe como necessário é o exercício de uma outra atividade desenvolvida pelo Poder Público, qual seja, o serviço público de segurança pública! Vale dizer, não se confunde serviço público com exercício do poder de polícia. Neste o Estado fiscaliza atividade lícita, naquele o Estado garante os interesses da coletividade, com base na supremacia do interesse público.

      Assim sendo afirma -se que os órgãos de segurança pública prestam serviço público, e, de forma alguma, exercício do poder de polícia. Este, cumpre notar, é pertencente ao Estado, e, nunca a tal ou qual órgão, seja a Polícia Federal, ou estadual (Civil e Militar). Estes órgãos têm deveres, e não poderes. Vale lembrar que os órgãos públicos não tem personalidade jurídica. O poder é titularizado pelo ente político a que pertence o órgão, por exemplo o Estadode São Paulo, se se trata da Polícia Civil.

      A possibilidade de uso de força por órgão de segurança pública não constitui evidência de que ele tem poder. Trata-se de uma especificidade do mandato policial na prestação do serviço público de segurança pública. É dizer que a Polícia pode legitimamente lançar mão do uso da força para resolver problemas criminais, que afetam diretamente o interesse público.

      É um tema pouco explorado na doutrina. Como é mandamento constitucional a observância do princípio da eficiência pela administração pública essa análise semântica pode abrir horizontes em direção à prestação de serviços de segurança pública em bases culturalmente mais humanas. Algo bem vindo em tempos ditos de guerra cultural.

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Bruno De Oliveira Favero) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2019. JurisWay - Todos os direitos reservados