JurisWay - Sistema Educacional Online
 
Kit com 30 mil modelos de petições
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Eventos
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

Detentas Grávidas no Brasil


Autoria:

Joyce Kelly De Almeida Guimarães


-Graduanda em Direito. Fametro, conclusão em 2021. -Curso de Inglês(2018). -Curso Técnico em Nível Médio de Edificações(2016). -Estagiou na empresa New Life Construções (2016) -Curso de Informática Básica(2017) -Participação no V Encontro Regional Norte da Jovem Advocacia(2017).

envie um e-mail para este autor

Resumo:

O presente artigo tem como escopo abordar a situação das detentas grávidas nos presídios brasileiros.

Texto enviado ao JurisWay em 19/07/2018.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

Objetivos Específicos:

- Identificar a porcentagem de gestantes nos presídios brasileiros

- Descrever os direitos das mulheres grávidas nas penitenciárias brasileiras

- Relatar como ocorre a separação entre a mãe detenta e o recém-nascido

 

 

Justificativa:

O tema escolhido "Detentas Grávidas no Brasil" se iniciou a partir do seguinte acontecimento: rebeliões que ocorreram em Manaus no dia 01/01/17 e consequentemente se espalhou por outras partes do país. Estas rebeliões trouxeram ao enfoque, dissertar sobre o sistema penitenciário brasileiro. Foi discorrido sobre os diversos temas que poderiam ter relevância relacionada ao assunto principal. No entanto, optou-se por abordar mais especificamente o que se relacionasse a mulher, uma vez que esta merece ganhar destaque na sociedade.

Depois de formado o mapa mental, expandiu-se o leque de temas mais específicos, como por exemplo, a dignidade e as condições de higiene da mulher detenta.

Por fim, uma especificidade só da mulher, o qual é assumir de Deus o dom da criação, da doação e do amor incondicional, isto é, gerar um descendente.

Sendo assim, foi moldado o tema final "Detentas Grávidas no Brasil" que vai relatar os problemas vivenciados por estas mulheres e os seus respectivos direitos dentro dos presídios durante e até uns meses após a gestação.

O dia a dia das detentas não é cinematográfico, mas elas tentam levar a vida com dignidade dentro das limitações.

 

 

 

Referencial Teórico

 

1- Porcentagem de gestantes nos presídios brasileiros

 

Segundo Maria do Carmo Leal, professora, pesquisadora e coordenadora do Estudo Nascer no Brasil, que contou com a participação dos estudiosos Barbara V. Da Silva, Ana Paula E. Pereira, Alexandra R. Sanchez e Bernard Larouzé, o presente estudo, feito no ano de 2016 que é uma análise de uma série de casos provenientes de um censo nacional. A população incluída nesta análise foi de 241 mães, sendo 45% com menos de 25 anos de idade e 83% multíparas. No momento da prisão, 89% das mulheres já estavam grávidas e dois terços não desejou a gravidez total.

Esse índice traça o perfil da população feminina encarcerada que vive com seus filhos em unidades prisionais das capitais e regiões metropolitanas do Brasil, bem como as condições e as práticas relacionadas à atenção à gestação e ao parto durante o encarceramento.

O acesso a assistência pré-natal, foi inadequado para 36% das mães. Durante o período de hospitalização, 15% referiram ter sofrido algum tipo de violência (verbal, psicológica ou física). O atendimento recebido foi considerado excelente por apenas 15% das mães. O uso de algemas na internação para o parto, foi relatado por mais de um terço das mulheres.

Este estudo também evidenciou violações de direitos humanos, especialmente durante o parto.

 

2- Direitos das mulheres grávidas nas penitenciárias brasileiras

 

Segundo o Art.318 do código do processo penal, o juiz pode substituir o encarceramento por prisão preventiva domiciliar, quando o autor do crime for imprescindível, aos cuidados especiais, de pessoa menor de 6 (seis) anos de idade ou com deficiência ou gestante a partir do 7º (sétimo) mês de gravidez ou sendo esta de alto risco. No Art. 5º da Constituição Federal, que versa que as presidiárias devem permanecer com seus filhos durante 6 meses para a amamentação.

 

3- Como ocorre a separação entre a mãe detenta e o recém-nascido

 

Diferente de Beatriz Souto, autora do artigo científico “um estudo sobre mulheres presas”, não existem estudos que concluam o momento ideal para a separação da criança e da mãe encarcerada, nem sobre o período adequado para a permanência da criança em ambiente prisional, por mais que a lei tenha estabelecido o prazo de 6 (seis) meses a 7 (sete) anos, com estrutura suficiente para abrigar essa criança, o que realmente acontece, é que depois que passa o período de amamentação, 6 (seis) meses, os filhos são “arrancados” de suas mães pelo Estado. Então o Estado, promove o laço afetivo dessas mães com seus bebês e depois há a separação abrupta. Na ocasião da saída dos cuidados maternos se tem a preferência de permanência da criança junto à família, zelando para que todos os referenciais familiares indicados pela mãe, como possibilidades de cuidados e proteção, sejam consultados.

Como afirma também Marcelo Brandão, repórter da agência Brasil, a carência acaba privando as crianças de um maior convívio materno. A lei determina que as crianças podem ficar com as mães na prisão, até no máximo, 7 anos de idade. Sem espaço adequado, a guarda das crianças para parentes ou abrigos é antecipada.

Em entrevista com Heidi Cerneka, da Comissão da Mulher Presa da Pastoral Carcerária, esta indaga que a relação mãe e filho, deveria ser considerada no caso de mulheres privadas de liberdade.

 

 

 

Métodos de Procedimento

 

Neste trabalho de pesquisa, utilizará para atingir os objetivos, o método de procedimento de estudo de caso, que analisa as diversas situações vividas pelas detentas grávidas do sistema penitenciário brasileiro.

Como recurso para obter tais referências, utilizará a técnica bibliográfica, que tem como base, pesquisas em livros, artigos científicos e jurídicos, sites e revistas especializadas.

 

 

Referências

 

- LEAL, Maria do Carmo; AYRES, Barbara Vasques da Silva; PEREIRA, Ana Paula Esteves; SANCHEZ, Alexandra Roma; LAROUZÉ, Bernard. Nascer na Prisão: Gestação e parto atrás das no Brasil. Disponível em:  <http://www.scielo.br/pdf/csc/v21n7/1413-8123-csc-21-07-2061.pdf>. Acesso em: 22.mai.2017.

 

- BRASIL. CPP Art.318, inciso III, IV. Lei nº 12403 de 04 de maio de 2011. Da prisão domiciliar.

- BRASIL. CF Art.5, inciso L. Lei nº 7210 de 11 de julho de 1984. Dos direitos e deveres individuais e coletivos.

 

- MOREIRA, Beatriz S. Um estudo sobre a mulher presa. Disponível em: <http://biasmoreira.jusbrasil.com.br/artigos/304836672/um-estudo-sobre-a-mulher-presa>. Acesso em: 16.mai.2017.

- BRANDÃO, Marcelo. Detentas contam como é ser mãe na prisão. Disponível em: <http://agenciabrasil.ebc.com.br/geral/noticia/2014-03/detentas-contam-como-e-ser-mae-na-prisao>. Acesso em: 22.mai.2017.

 

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Joyce Kelly De Almeida Guimarães) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2021. JurisWay - Todos os direitos reservados