JurisWay - Sistema Educacional Online
 
Kit com 30 mil modelos de petições
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Eventos
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

VÍNCULO EMPREGATÍCIO PARENTAL


Autoria:

Laiane Nunes


LAIANE NUNES. Curso Superior: 1 - História - U E G Universidade Estadual de Goiás. 2 - Direito - Universidade de Rio Verde - Campus Caiapônia - GO 3 - Pós - graduação : Políticas Públicas, Redes e Defesa de Direitos - Unopar. 4 - Pedagogia: INSTITUTO FEDERAL (GOIANO ) - IPORÁ - GO (cursando) "Minha doutrina é esta: se nós vemos coisas erradas ou crueldades, as quais temos o poder de evitar e nada fazemos, nós somos coniventes." Anna Sewell

envie um e-mail para este autor

Outros artigos da mesma área

Os novos direitos dos empregados domésticos

A empresa pode Demitir Trabalhador Portador de AIDS?

GREVE DOS POLICIAIS CIVIS DO ESPÍRITO SANTO: DIVERGÊNCIA DE ENTENDIMENTO ACERCA DA LEGALIDADE NO ÂMBITO DO STF

"Mas o que foi que eu fiz? Considerações sobre o assédio moral e as implicações tangíveis pelo ordenamento jurídico brasileiro na atualidade

Terceirização e a Precarização da Mão de Obra

Os honorários periciais e o benefício da justiça gratuita sob a ótica da Lei 13.467/2017.

Da Obrigatoriedade da Constituição da Comissão Interna de Prevenção de Acidentes e da Estabilidade de seus Membros

Encarregada de limpeza de banheiros de cemitério em SP consegue adicional de insalubridade, conforme Segunda Turma do Tribunal Superior do Trabalho

Então me aposentei, mas continuei trabalhando na empresa. Quando sair, qual será o valor da minha multa de 40% ?

O INSTITUTO DA PEJOTIZAÇÃO COMO FRAUDE AO DIREITO DO TRABALHO

Mais artigos da área...

Resumo:

Vínculo empregatício parental é um tema que enseja inúmeros debates calorosos no meio jurídico. Assim, devido a importância desse assunto se faz necessário uma analise de forma sucinta e coerente, pois o mesmo se faz presente no seio social hodierno

Texto enviado ao JurisWay em 09/05/2018.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

VÍNCULO EMPREGATÍCIO PARENTAL.


A questão do vínculo empregatício parental é um tema bastante polêmico, até mesmo no meio jurídico. Desse forma, cabe salientar que tal assunto enseja diversos entendimentos e decisões nos Tribunais.

Todavia, primeiramente se faz necessário elucidar o que o artigo 3º da CLT nos apresenta em relação ao que venha ser empregado, o mesmo dispõe que: “Considera-se empregado toda pessoa física que prestar serviços de natureza não eventual a empregador, sob a dependência deste e mediante salário”. Assim, perante o apresentado pela legislação é evidente que a relação de emprego se configura na prestação de serviços pelo próprio indivíduo, de forma permanente, remunerada e sob as ordens de um empregador. Desse modo, confirmando tais dizeres  do Tribunal Regional do Trabalho 3º Região , vejamos:

Para que se caracterize o vínculo de emprego é necessário que a prestação de serviços ocorra conforme os pressupostos previstos no artigo 3º da CLT. Ou seja, o trabalho deve ser prestado pessoalmente, de forma não eventual e subordinada e mediante salário. Se não estiverem presentes esses elementos, a relação de emprego não ficará caracterizada. É o que ocorre no caso do trabalho realizado por uma pessoa da família em favor do núcleo familiar, já que aí não há subordinação e essa atividade, em geral, não é remunerada.

Contudo, seguindo esse linha de entendimento, de acordo com o Tribunal de Minas Gerais, diversas já foram as reclamações envolvendo este tema em questão. Por exemplo, filho solicitando vinculo de emprego ao seu genitor, irmãos e até mesmo cônjuges.

            Nesse sentido, vale explanar, alguns casos relacionados ao tema estudado. Deste modo, no Estado de Minas Gerais, por exemplo, um filho ajuizou uma reclamação trabalhista contra o seu próprio genitor, isso com o intuito primordial o reconhecimento de vínculo empregatício. Conforme decisão proferida, para comprovar tal vínculo se faz necessário provar a relação de emprego, não a colaboração familiar.

RELAÇÃO DE EMPREGO ENTRE PAI E FILHO – INEXISTÊNCIA – A subordinação, elemento essencial para a configuração do contrato de emprego, não restou caracterizada. A "autoritas do pater" exercida como prolongamento da função educacional familiar, no preparo do filho para uma futura substituição no negócio do qual o pai é sócio, não guarda correlação com subordinação hierárquica ou poder diretivo e nem transforma o liame parental em vínculo de emprego. (TRT 2ª R. – RO 20010216175 – (20030200606)– 3ª T. – Rel. Juiz Ricardo Artur Costa e Trigueiros – DOESP 20.05.2003)

Nesse mesmo prisma, cabe salientar outro exemplo, onde a relação de parentesco não afetou o reconhecimento do vínculo empregatício entre irmãos. Segundo decisão da 1ª turma do TRT-MG existia os critérios estabelecidos pela CLT para se configurar como empregado, ou seja, a subordinação, remuneração, pessoalidade e prestação de serviços.

Desse modo, também merece destaque outra decisão proferida pelo TRT/MS o qual não reconhece vínculo empregatício entre ex –esposa e marido. De acordo com tal decisão, a ex-esposa agiu de má –fé na litigância da reclamação trabalhista, a qual não conseguiu comprovar a existências dos os requisitos estipulados pelo legislação Trabalhista. Nesse sentido, verifica-se:  Que á 3ª Turma nega vínculo empregatício para casal sem subordinação


24/06/2004 - 3ª Turma nega vínculo empregatício para casal sem subordinação (Notícias TRT - 10ª Região) 
É possível haver relação de emprego entre cônjuges, ou entre duas pessoas que mantém relacionamento afetivo, desde que existam os requisitos que a caracterizam, como a subordinação. Na ausência desta, a relação é apenas afetiva. Com este entendimento a 3ª Turma do TRT-10ª Região rejeitou o recurso de suposta empregada da Mercearia Rodrigues. Os juízes consideraram ausentes os requisitos necessários ao reconhecimento do vínculo empregatício entre as partes, conforme determina o artigo 3º da CLT. A autora admitiu ter se relacionado afetivamente com o representante da empresa durante oito anos, ainda que não vivessem sob o mesmo teto, pois ele era casado civilmente com outra mulher. Nesse período, ficou comprovado que ela podia auferir vantagens como retirar produtos do estabelecimento, comprar roupas e sapatos, entre muitas outras, e que inclusive podia ausentar-se do trabalho. Ela insistiu, porém, que foi contratada como empregada e, após um ano, não recebeu mais salário, sendo-lhe devidas todas as verbas decorrentes do vínculo de emprego.O relator do processo, juiz Bertholdo Satyro e Souza, afirma que embora o relacionamento não fosse o de concubinato - hoje denominado "união estável" -, a autora foi contratada como empregada, no início, e "a natureza do vínculo entre as partes transmutou-se para vínculo afetivo, auferindo a autora as vantagens dessa relação de oito anos, suficientes para sua manutenção". (3ª Turma - 01245-2003-015-10-00-0-RO)

 Assim sendo, perante decisões dos Tribunais pode-se concluir que é notório que para existir o vínculo empregatício parental é necessário a comprovação dos elementos explícitos no artigo 3º da CLT, ao contrário será apenas uma colaboração familiar. 


BIBLIOGRAFIA:


http://www.migalhas.com.br/Quentes/17,MI203481,11049-Relacao+familiar+nao+impede+reconhecimento+do+vinculo+de+emprego;

https://www.conjur.com.br/2013-jan-27/cintia-yazigi-aos-olhos-legais-trabalhistas-parentes-nao-sao-parentes;

http://wilsonferreiracampos.blogspot.com.br/2018/02/relacao-de-emprego-entre-pais-filhos.html;

https://trt-3.jusbrasil.com.br/noticias/133032473/trabalho-revertido-em-favor-do-nucleo-familiar-nao-caracteriza-relacao-de-emprego;

https://direito-domestico.jusbrasil.com.br/noticias/2477538/vinculo-empregaticio-entre-familiares;

http://www.fiscosoft.com.br/n/d4ys/24062004-3-turma-nega-vinculo-empregaticio-para-casal-sem-subordinacao-noticias-trt-10-regiaoapplicationtextoe-possivel-haver-relacao-de-emprego-entre-conjuges-ou-entre-duas-pessoas-qu

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Laiane Nunes) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2022. JurisWay - Todos os direitos reservados