JurisWay - Sistema Educacional Online
 
É online e gratuito, não perca tempo!
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Eventos
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

É Possível Comprar um Terreno na Lua?


Autoria:

Rodrigo S. F. Gomes


Acadêmico do curso de bacharelado em Direito na Escola Superior Madre Celeste - ESMAC, músico e estagiário no Ministério Público do Estado do Pará.

envie um e-mail para este autor

Outros artigos da mesma área

A INEXISTÊNCIA DE CONFLITO ENTRE O ESTATUTO CONSTITUTIVO DO TRIBUNAL PENAL INTERNACIONAL E A CONSTITUIÇÃO BRASILEIRA NO TOCANTE À ENTREGA DE NACIONAIS

A SUBMISSÃO DO BRASIL À JURISDIÇÃO DO TRIBUNAL PENAL INTERNACIONAL E SUAS NORMAS: QUESTÕES SOBRE A SOBERANIA NACIONAL E OS CONFLITOS COM A CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988

Integração, Sentimento de Medo e a Maximização dos Direitos Humanos. Para onde a Constelação Pós-Nacional está conduzindo a humanidade?

COOPERAÇÃO E ASSISTÊNCIA INTERNACIONAL

Contrato Internacional de Seguro Marítimo

O exercicio da diplomacia entre os estados soberanos e sua importância no cenário internacional.

Breve análise dos migrantes no Brasil e os avanços trazidos com Nova Lei da Migração

JUS COGENS

Sobre uma Possível Guerra e a ONU

O caso do menino Aylan e a fronteira da indiferença e da xenofobia: o outro lado da moeda na história da Europa.

Mais artigos da área...

Resumo:

O presente trata da possibilidade jurídica de aquinhoar propriedade sobre o nosso satélite natural. Trata-se também de demonstrar que o homem tende a se apropriar das coisas que o circunda, mas que encontra óbice nos tratados de Dir. Internacional.

Texto enviado ao JurisWay em 04/10/2016.

Última edição/atualização em 25/10/2016.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

É possível comprar um terreno na Lua?

Uma discussão jurídica em torno do Direito Internacional Público

 

Is it possible to buy a place on Moon?

A legal discussion about the Public International Law

 

Rodrigo S. F. Gomes*

 

RESUMO: O presente artigo se desenvolve acerca da possibilidade jurídica de aquinhoar propriedade sobre o nosso satélite natural – a Lua. Trata-se também de demonstrar que o homem tende a se apropriar das coisas que o circunda, mas que encontra óbice jurídico nos tratados e acordos celebrados multilateralmente no âmbito das Nações Unidas, destacando a seara jurídica especialmente formada para discussão do assunto: o Direito Espacial. O subsídio teórico é a doutrina, o ordenamento jurídico internacional, além da contextualização prática na atualidade da matéria, como o Ato Americano que atribui ao cidadão o direito de propriedade sobre os recursos lunares.

PALAVRAS-CHAVE: Direito Internacional Público; Direito Espacial; Lua; Propriedade.

 

ABSTRACT: The following article was wrote about the legal possibility to acquire property rights on our natural satellite – the Moon. With the purpose to demonstrate that man is destined to appropriate the things surrounding him, but finds a legal obstacle into the treaty and agreements of the United Nations, highlighting the framework formed especially for discuss the subject: the Space Law. The sources is about the scholars’ thoughts, the international legal framework, besides the current acts on the American Congress that treat and give rights over the Moon’s resources to the american people.

KEYWORDS: International Law; Space Law; Moon; Property.

_______________________

* Acadêmico do curso de bacharelado em Direito na Escola Superior Madre Celeste – ESMAC, músico e estagiário no Ministério Público do Estado do Pará.

* Dedica os sinceros agradecimentos ao Ilmo. Professor Roberto Magno, que disponibilizou um pouco de seu tempo a fim de fomentar a pesquisa e auxiliar na confecção deste artigo.

.......

É possível comprar um terreno na Lua? Sob tal indagação se desenrola o presente estudo a respeito de um ramo da ciência jurídica pouco conhecido, que teve concepção há menos de um século, nos acalorados momentos da Guerra Fria: o Direito Espacial (MONSERRAT FILHO, 2007, pp. 19 - 23).

Ab initio, cumpre notar que essa ramificação do Direito se encontra prevista no teor do art. 22, I, da Constituição da República Federativa do Brasil[1], talvez, até mesmo, de forma desapercebida.

O Direito Espacial, Ultraterrestre, Cósmico, teve concepção quando o homem conseguiu lograr êxito na façanha de lançar o primeiro satélite artificial, Sputnik I. Àquela época, no dia 4 de outubro de 1957, a então União das Repúblicas Socialistas Soviéticas – URSS conseguiu o pioneirismo de lançar em órbita terrestre uma simples esfera que propagava um som de beep, e inaugurar uma nova questão jurídica (CHADDHA, 2010, p. 22)[2].

Naquele momento, posterior a 2ª Guerra Mundial, os ares já eram desbravados por aviões existentes, e com regramento ditado pela Convenção de Chicago, que previa serem os Estados subjacentes soberanos sobre a linha aérea vertical acima de seu território[3].

No entanto, quando do lançamento do Sputnik I, no quadro da Guerra Fria entre as superpotências EUA e URSS, novas questões foram trazidas à lume, como: os Estados tinham sua soberania violada quando o satélite lançado pela União Soviética sobrevoava o espaço exterior sobre seu território? Se sim, até onde se estende a soberania do Estado? Quem é titular da propriedade da Lua e dos demais corpos celestes?

Foi então que se criou, no âmago da Organização das Nações Unidas, o Comitê das Nações Unidas para Uso Pacífico do Espaço Exterior – COPUOS, no inglês, um “corpo especialmente estabelecido” segundo Vereshchetin (2010, p. 44). Ainda na opinião deste autor, a localização do Direito Espacial como ramo do Direito Internacional Público foi acertada, uma vez que “inicialmente os únicos sujeitos no espaço exterior eram Estados e organizações interestatais”. A partir daquele momento o Direito Cósmico ganhava seu âmbito precípuo de discussão.

O eminente jurista pátrio José Monserrat Filho, em sua obra “Direito e Política na Era Espacial” muito bem elucida:

 

 

Assim nasceu o Direito Espacial, concebido de início para regular as novíssimas atividades espaciais e estabelecer formas de tratar o novíssimo meio, visando a “fins exclusivamente pacíficos”. Não por acaso, ele começou a ser discutido e criado por instância especial das Nações Unidas, batizada com um nome auto-explicativo: Comitê para o Uso Pacífico do Espaço Exterior (Copuos, na sigla em inglês). (MONSERRAT FILHO, 2007, p. 30)

 

 

Nos anos seguintes ao da criação do COPUOS, algumas resoluções foram editadas regulando a disciplina espacial, destacando-se, v. g., a Resolução 1.962 (XVIII) adotada pela Assembleia Geral – Declaração dos Princípios Jurídicos Reguladores das Atividades dos Estados na Exploração e Uso do Espaço Exterior – que declarava ser o espaço exterior “livre para exploração e uso por todos Estados (...)”.

No quadro social em que a construção legislativa se desenvolvia, estava o mundo divido na bipolaridade Estados Unidos e União Soviética. A Guerra Fria impulsionava a corrida espacial e a busca de demonstrar ao mundo quem seria melhor dotado dos aparatos técnicos e científicos, o que resultou no envio do cosmonauta russo Yuri Gagarin para fora do plano terrestre[4]. Mais tarde, o então presidente dos Estados Unidos, John Kennedy, afirmou que ainda naquela década (1960) um americano iria pisar sobre solo lunar (O’ REILLY; DUGARD, 2013, p. 16).

Interessante refutar a designação dada para o Direito Espacial, por alguns doutrinadores, de “Direito Futuro” (HUSEK, 2010. p. 47). Trata-se de assunto hodierno, e não futurístico, que repercute muito além das atividades realizadas na Estação Espacial Internacional ou no longínquo trajeto de uma sonda que vá colher informações inéditas de Plutão, mas também nas simples atividades de troca de informações em um smartphone, ou conferir a previsão do tempo em um telejornal. Ademais, apesar de ainda estarmos trilhando o árduo caminho de alcançar outros mundos, de instalar colônias em Marte ou na Lua etc., não se pode negar que a exploração e uso do espaço exterior – e, por consequência, o Direito que regula tal atividade –, já deu largos passos desde sua concepção em 1957.

Não se pode também considerar que prescindimos do Direito Cósmico. E reconhecer a importância deste ramo da ciência jurídica e das atividades espaciais não nega ou retira a obrigação que a humanidade tem de dar bom tratamento ao seu lar, de cuidar bem da biosfera terrestre – entendida como “junção com o solo do planeta, este espaço, que vai do chão ao que conhecemos como céu, visível e invisível nas camadas mais profundas” (HUSEK, 2010, p.174 - 177).

Doze anos depois do início da Era Espacial, com o lançamento do primeiro e inócuo satélite Sputnik, o espaço exterior já havia conhecido foguetes como o Saturn V, e algumas outras tantas missões. Foi então que, em 1969, mediante a Missão Apollo XI, Neil Armstrong, Edwin Aldrin e Michael Collins realizaram a primeira grande alunagem – feito histórico para a raça humana[5].

Ao final da década de 1960, o mundo já enxergava uma viagem mais distante – a Marte, muito provável em poucos anos: “Os responsáveis pela NASA estão concordes em que os primeiros astronautas, o mais tardar, desembarcarão a 23 de setembro de 1986 em Marte” (DANIKEN, 1968, p. 169). Na atualidade, observa-se o grande trabalho empreendido principalmente na Estação Espacial Internacional – EEI, onde astronautas de várias nações devotam seu trabalho na experiência de observação das reações biológicas e psíquicas do corpo humano, quando do “isolamento” em órbita terrestre[6].

No tocante ao Tratado do Espaço Exterior de 1967[7], considerado por muitos como “carta magna do espaço exterior”, ficaram sedimentados os princípios da seara jurídica espacial. O artigo II é taxativo ao definir que o espaço exterior não será “objeto de apropriação nacional por proclamação de soberania, por uso ou ocupação, nem por qualquer outro meio”. Estava ali fincado o princípio da não-apropriação do espaço cósmico, que o definia como coisa comum a todos (res communis omnium) e não coisa sem dono (res nullius) (CASELLA, 2012, p. 904).

A escolha por manter o espaço exterior, a Lua e os demais corpos celestes livres do domínio dos Estados se deu em decorrência de questões políticas, pois “ambos queriam um quadro legal mais preciso no sentido de bloquear as atividades do outro” (KERREST, 2011, p. 135), além de buscar os meios legítimos a obstar, no ensejo da corrida a Lua, que o outro pudesse reivindicar qualquer posse no espaço cósmico, principalmente do nosso satélite natural – a Lua.

Sendo o Tratado do Espaço entendido como carta magna, é viável fazer uma interpretação sistemática com outras convenções advindas da mesma fonte, como, in casu, o Acordo da Lua[8], que enaltece o princípio da não-apropriação ao mencionar que “a Lua não pode ser objeto de apropriação” (art. 11º, § 1º), além de pormenorizar que seus recursos naturais “são patrimônio comum da humanidade” (art. 11, § 2º)[9].

Além desse louvável princípio, outra coisa que ficou fincada foi a bandeira norte americana quando da alunagem da Missão Apollo XI. Estaria, tacitamente, a nação americana se auto declarando proprietária da Lua?

Não obstante o quadro jurídico internacional apontar para a vedação da apropriação, por parte dos Estados, seja da Lua, seja de qualquer outro corpo celeste, o Congresso Norte Americano há pouco tempo editou lei que concede o direito de propriedade sobre os recursos lunares e de outros corpos celestes a empresas privadas[10]. “O Ato de Utilização e Exploração dos Recursos Espaciais dá a qualquer Americano que tenha sucesso ao extrair recursos naturais do espaço exterior, os direitos de propriedade sobre tal aquisição” narra a notícia vinculada pelo CBCNews[11].

A melhor doutrina concorda que os tratados versando sobre Direito Espacial têm sido amplamente aceitos e podem ser classificados, inclusive, como “leis costumeiras”, existindo quem diga serem aplicável a todos os Estados, sendo ou não parte no Tratado do Espaço Exterior (KERREST, 2011, p.136), mas sobre isso há divergências.

É importante parar e refletir sobre os reflexos disto no Direito Internacional Público, já que entre as fontes do Direito Internacional, definidas no rol do art. 38 do Estatuto da Corte Internacional de Justiça, está o costume internacional – entendido como “práticas aceitas pelos Estados como direito aplicável, durante um período razoável de tempo” (VARELLA, 2012, p. 139).

Diferentemente do direito interno (em especial o Brasileiro), os costumes muito significam na ordem internacional, não havendo hierarquia em valor destes com os tratados internacionais (CAPARROZ, 2012, p. 25).

Muito se discute em relação a eficácia do Direito Internacional, em especial quando se considera que as normas desse ramo são soft law – sem caráter obrigatório, traduzindo-se em meros apontamentos, orientações de comportamentos desejáveis (CAPARROZ, 2012, p. 28).

E, sobre a relação que o ordenamento jurídico internacional tem com o interno, a doutrina do Direito das Gentes se divide em algumas teorias. Há quem sustente que estes sistemas são rigorosamente independentes “de tal modo que a validade jurídica de uma norma interna não se condiciona à sua sintonia com a ordem internacional” nas palavras de Rezek (2011, p. 28).

Em via diversa, os seguidores da teoria monista defendem a consonância dos sistemas, de forma a prezar pela “unicidade da ordem jurídica sob o primado do direito internacional, a que se ajustariam todas as ordens internacionais” (REZEK, 2011, p. 28).

De toda sorte, por se tratar de ramificação da ciência jurídica que envolve a incumbência de toda humanidade – assim definido pelo art. 1º[12] do Tratado do Espaço de 1967, há de ser considerado, levado em conta, o interesse comum de toda humanidade, de forma a impedir que os benefícios da exploração espacial se revertam em favor de “alguns” ao invés de “todos”.

Irrefutável afirmar que tal ato legislativo do Congresso Americano, em primeiro lugar, excedeu sua competência, uma vez que o Direito Internacional Público Espacial é de ordem precipuamente internacional, e tem sido assim desde o início, no Comitê para Uso Pacífico do Espaço Exterior das Nações Unidas; e, em segundo, macula impiedosamente o princípio da não-apropriação do espaço exterior e dos corpos celestes, sobre o qual se ergue o Direito Cósmico.

Isto posto, embora o interesse na corrida à Lua tenha se atenuado comparado à outrora, nos momentos finais da Guerra Fria, o assunto é de altíssima relevância para toda humanidade.

Há dez anos, o turismo espacial já começava a se desenvolver e oferecer aos seus adeptos a oportunidade única de conhecer o que há além da Terra[13]. Com o avanço diário das tecnologias espaciais, empresas como a Space X tem tornado a atividade turística cada vez mais real mediante o desenvolvimento, por exemplo, de foguetes reutilizáveis, diminuindo significativamente os custos desse tipo de missão[14].

Com o aumento da possibilidade de acesso ao espaço ultraterrestre e o diário avanço tecnológico, não tem de ser reputada como surreal a possibilidade (no mundo material, não exatamente no jurídico) de alguém, em um futuro nada longínquo, tentar aquinhoar algum espaço de terra na Lua ou qualquer outro corpo celeste – recorde-se que neste sentido já ocorreu o advento da Lei americana que assegura o direito de propriedade sobre os recursos extraídos de nosso satélite.

Além do ato legislativo norte-americano, os teóricos do direito real dizem que a propriedade é inerente a condição humana, natural ao homem, existente do início ao fim da “aventura da humanidade no universo” (COELHO, 2012, p. 136). Ademais, a história é marcada por lamentáveis momentos em que a apropriação foi pretexto da dizimação de muitas vidas, como na colonização da América Latina[15].

Com efeito, o ordenamento jurídico tem de estar preparado a fim de conferir guarida ao que se acordou mediante tratado entre vários países no ano de 1967. A imprecisão, característica do Direito das Gentes, não pode colocar em risco o fulgurante espírito normativo insculpido nos tratados e acordos de Direito Espacial.

Com o propósito de assegurar o futuro da humanidade, os passos dados no presente são, por óbvio, de suma importância para que não se repitam os desprezíveis fatos já ocorridos outrora. A apropriação da Lua e dos Demais Corpos Celestes já foi vedada nos primeiros tratados de Direito Internacional Espacial no âmbito da ONU, em comitê especial para debate do assunto.

É inadmissível, destarte, cogitar que o que já foi assentado como “incumbência de toda humanidade”, ou ao menos como de interesse dela, que deverá ser direcionado ao bem e interesse de todos os países, qualquer que seja o estágio de seu desenvolvimento (artigo I, §1º, Tratado do Espaço), se reverta em favor de indivíduos ou Estados, de maneira isolada. Não se pode afastar à apreciação e largar em oblívio os tratados e convenções assinadas e ratificadas pelos Estados na comunidade internacional.

......

Referências

 

1.      DANIKEN, Erich Von. Eram os deuses astronautas?. 6ª ed. São Paulo: Melhoramentos. 1968.

2.      MONSERRAT FILHO, José. Direito e Política na Era Espacial: Podemos ser mais justos no espaço do que na Terra?. 1ª ed. Rio de Janeira: Viera e Lent. 2007.

3.      Idem. Estados Unidos privatizam riquezas dos corpos celestes. Sul21. Publicado em 06 de dezembro de 2015. Disponível em . Acesso em 07/05/16.

4.      HUSEK, Carlos Roberto. Curso de Direito Internacional Público. 10ª ed. São Paulo: LTR. 2011.

5.      ACCIOLY, Hildebrando; NASCIMENTO E SILVA, G. E. do; CASELLA, Paulo Borba. Curso de Direito Internacional Público. 20ª ed. São Paulo: Saraiva. 2012.

6.      CAPARROZ, Roberto. Direito Internacional Público. 1ª ed. São Paulo: Saraiva. 2012.

7.      VARELLA, Marcelo D.. Direito Internacional Público. 4ª ed. São Paulo: Saraiva. 2012.

8.      KERREST, Armel. Outer Space as International Space: Lessons from Antarctica. in: BERKMAN, P. A.; WALTON, A. M.; YOUNG, O. R.. Science Diplomacy – Antarctica, Science, and the Governance of International Spaces. Washington D.C: Smithsonian Instituiton Scholarly Press. 2011.

9.      VERESHCHETIN, V.S.. The Law of Outer Space in the General Legal Field – Commonality and Particularities. Revista Brasileira de Direito Aeronáutico e Espacial, nome do estado, n. 93, p. 42 – 49. Abril 2010.

10.  CHADDHA, Shane. U.S Commercial Space Sector: Matured and Sucessful. in: Journal Of Space Law, University of Mississipi School of Law, v. 36, n. 1, p. 19 - 54. 2010

11.  REZEK, Francisco. Direito Internacional Público: Curso Elementar. 13ª ed. São Paulo: Saraiva. 2011.

12.  BBC Brasil. “Foguete faz pouso bem-sucedido e histórico na vertical; assista”.  Publicado em 22 de dezembro de 2015. Disponível em . Acesso em 07/05/16.

13.  CBCNews. “U.S. space-mining law seen leading to possible treaty violations: 1967 Outer Space Treaty prohibits any commercial exploitation of space, law professor says”. Publicado em 27 de novembro de 2015. Disponível em . Acesso em 07/05/16.

14.  BINS, Daniel. Turismo Espacial. Revista Macrocosmos.com. Setembro de 2006, Ano III, edição 34. p. 8 – 13.

15.  The Huntsville Times. HUNTSVILLE, ALABAMA, Wednesday, april, 12, 1991, vol. 51, nº 21. Disponível em . Acesso em 07/05/16.

16.  Adastra: the magazine of the national space society. winter 2015. Disponível em . Acesso em 07/05/16.

17.  COELHO, Fábio Ulhôa. Curso de Direito Civil: Direito das Coisas Direito Autoral. v. 4. 4ª ed. São Paulo: Saraiva. 2012.

18.  KAUL, Inge; GRUNBERG, Isabelle; STERN, Marc A.. Bens Públicos Globais: Cooperação Internacional no Século XXI. 1ª ed. Rio de Janeiro: Record. 2012.

19.  CIAVATTA, Rafaella. O Imperialismo Americano?: “Responderemos com o que temos de melhor”. Disponível em: . Acesso em 07/07/16.

20.  O’ REILLY, Bill; DUGARD, Martin. Os últimos dias de John F. Kennedy. tradução de Otavio Albuquerque e Janaína Marcoantonio. 1ª ed. Porto Alegre: L&PM. 2013.

 



[1] Reza o art. 22, I, da CF: “Compete privativamente à União legislar sobre: I - direito civil, comercial, penal, processual, eleitoral, agrário, marítimo, aeronáutico, espacial e do trabalho;” (grifei)

[2] Na mesma oportunidade, dita o autor: “Equivalente ao tamanho de uma bola de basquete, com o formato esférico de 58 centímetros e um peso de 83.6 quilogramas, o satélite viajou a uma altitude de 900 quilômetros sobre a superfície terrestre, e levou uma hora e trinta e cinco minutos para completar uma órbita elíptica ao redor da Terra. Uma baliza de rádio foi construída sobre ele [o satélite] emitia um sinal sonoro em intervalos regulares, permitindo que os cientistas e a comunidade internacional determinassem sua localização exata ao redor da Terra por telemetria”.

[3] Tal tratado foi assinado pelo Estado Brasileiro e ratificado no Decreto n. 21.713/1946. Vide arts. 1º e 2º.

[4] “Homem entra no espaço”, estampava o jornal americano “The Huntsville Times”. Ainda na manchete daquele dia: “oficial soviético orbita globo em uma nave de 5 toneladas – altura máxima alcançada reportada como 302 quilômetros” e “Reação de Von Braun: para manter-se, E.U.A têm que correr como loucos”. (HUNTSVILLE, ALABAMA, Wednesday, april, 12, 1991, vol. 51, nº 21).

[5] Desde o fim do programa Apollo em 1972, humanos não viajaram além da órbita terrestre baixa (Low Earth Orbit – LEO), mas não foi por falta de tentativas, e, sim, por falta de recursos financeiros. Vide adastra: the magazine of the national space society. winter 2015.

[6] O astronauta americano Scott Kelly ganhou destaque após a Missão apelidada “Ano no Espaço” (year in space), em que passou 340 dias na Estação Espacial Internacional em órbita terrestre baixa. Vide informações em .

[7] O referido instrumento foi assinado pelo Brasil, aprovado pelo Decreto Legislativo nº 41, de 10 de outubro de 1968, e promulgado pelo Decreto nº 64.362, de 17 de abril de 1969.

[8] Trata-se do “Acordo que Regula as Atividades dos Estados na Lua e em Outros Corpos Celeste”, adotado pela Assembleia Geral da ONU mediante Resolução nº 34/68.

[9] É relevante mencionar as lições da obra “Bens Públicos Globais: Cooperação Internacional no século XXI”, segundo a qual um bem público global, obrigatoriamente, beneficia não um país ou uma região, estritamente, mas estes benefícios têm de se voltar em prol de todos no globo terrestre – não somente no aspecto da dimensão geográfica, mas, também, na sociológica e temporal. (KAUL, Inge; GRUNBERG, Isabelle; STERN, Marc A., 2012, p. 42 – 51)

[10] Vide o artigo de José Monserrat Filho “Estados Unidos privatizam riquezas dos corpos celestes” em .

[11] Vide a notícia na íntegra em .

[12] Artigo I do Tratado do Espaço Exterior: “A exploração e o uso do espaço cósmico, inclusive da Lua e demais corpos celestes, só deverão ter em mira o bem e interesse de todos os países, qualquer que seja o estágio de seu desenvolvimento econômico e científico, e são incumbência de toda a humanidade.

O espaço cósmico, inclusive a Lua e demais corpos celestes, poderá ser explorado e utilizado livremente por todos os Estados sem qualquer discriminação, em condições de igualdade e em conformidade com o direito internacional, devendo haver liberdade de acesso a todas as regiões dos corpos celestes.

O espaço cósmico, inclusive a Lua e demais corpos celestes, estará aberto às pesquisas científicas, devendo os Estados facilitar e encorajar a cooperação internacional naquelas pesquisas.” (grifos meus).

[13] Àquela época, a iraniana e empresária norte americana Anousheh Ansari foi a primeira mulher a realizar o turismo espacial. Antes daquela época, outros quatro homens bem-sucedidos já haviam feito o mesmo. Anousheh Ansari, após desembolsar o valor aproximado de U$ 20 milhões e se subordinar a um exaustivo treinamento, partiu em 18 de setembro de 2006, do cósmodromo de Baikonur – Cazaquistão, junto a seus colegas astronautas Mikhail Tyurin e Michael Lopez-Alegria. O trajeto da Soyuz TMA-9 até o seu destino, a Estação Espacial Internacional (ISS, sigla no inglês), foi percorrido em mais de 48 horas. A bordo da ISS, a Iraniana se exercitou na bicicleta ergométrica do módulo de serviço russo, participou de alguns experimentos, além de ver o sol nascer e se pôr 18 por dia. Em 29 de setembro daquele ano a turista, acompanhada novamente de outros dois astronautas, retornou à Terra. Vide: BINS, Daniel. Turismo Espacial. Revista macrocosmo.com. Setembro de 2006, Ano III, edição 34. p. 8 – 13.

[14] Mais informações sobre o voo do Falcon 9 e seu pouso vertical em:

.

[15] De fato, o próprio Estados Unidos da América viveu sob o imperialismo formal da Inglaterra durante o século XVIII, e se intitulava como “anti-imperialista”. Nada obstante, as atitudes americanas transpareceram daquele mesmo modo, por exemplo, nos anos da Guerra Civil, em que mostravam o incessante interesse de expansão econômica, militar e cultural sobre as sociedades alienígenas. Ademais, não se olvide que no tocante a delimitação do território americano, o processo foi, outrossim, de massacre de milhares de indígenas de diferentes tribos, consideradas “inferiores” na ótica imperialista norte-americana. Vide CIAVATTA. O Imperialismo Americano?: “Responderemos com o que temos de melhor”.

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Rodrigo S. F. Gomes) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2020. JurisWay - Todos os direitos reservados