JurisWay - Sistema Educacional Online
 
JurisWay - Produção de Textos com Certificado
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

Ação rescisória como relativação da coisa julgada


Autoria:

Carlos Roberto De Freitas


Advogado, bacharel em administração de empresa e Direito.

envie um e-mail para este autor

Resumo:

No 1º capítulo analisar-se-á ação rescisória, as hipóteses de seu cabimento, no que diz respeito a sua natureza e por fim os seus efeitos. 2º capítulo verificar-se-á coisa julgada, o seu surgimento, a sua importância para sociedade, para o Estado...

Texto enviado ao JurisWay em 09/05/2016.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

 

 

AÇÃO RESCISÓRIA EM ESSÊNCIA

 

A ação rescisória[1] não se confunde com recurso, ou seja, não pode ser utilizada como uma apelação, um recurso especial, ou qualquer outro recurso previsto no processo civil brasileiro, pelo contrário é uma ação, devendo ser proposta autonomamente, com objetivo de impugnar a coisa julgada material, mas não sendo possível rever ou rediscutir fatos ou provas da ação que deu origem a coisa julgada posta a exame, podendo ser promovida somente nos casos estritamente previstos em lei, conforme se depreende da obra de Sérgio Gilberto Porto: “Trata-se, pois, de medida autônoma que tem por escopo, exatamente, desferir ataque à coisa julgada. Portanto, não é recurso contra decisão, mas ação autônoma de impugnação, verdadeira ação de invalidação da sentença passada em julgado” (2009, p. 34) e no entendimento:

 

 

A ação rescisória não se confunde com recurso, não obstante tenha como denominador comum, num primeiro plano, o reexame de uma decisão, uma vez que aquele pressupõe a inocorrência de coisa julgada (RSTJ 104/232 e 118/171). Não sendo recurso (STF – AR nº 1.063-PR), é defeso, como regra, rediscutir fatos e provas controvertidas dos autos originários, ou seu critério de avaliação (RSTJ 19/94 e 58/17), logo, não se presta à correção de eventual má interpretação de prova (RSTJ 5/17), ou à injustiça da sentença (CPC/39, art. 800, RSTJ 13/19 e RTJ 125/928). (ESTEVES, ERIK, 2008, p. 4).

 

 

Logo, esta ação visa garantir e atender a justiça preconizada por nossa Carta Magna de 1988[2], muito embora, a injustiça ou o mero inconformismo não sejam autorizadores da medida. Assim, ainda que em um primeiro momento ela possa transparecer a ideia de que venha gerar alguma intranquilidade nas relações sociais e jurídicas, ela é confirmada e aceita, uma vez que, em certos casos o vício contido na sentença que foi acobertada pela coisa julgada material é de tamanha gravidade, que acaba sobressaindo em relação a qualquer intranquilidade que tal medida pudesse trazer as relações sociais e jurídicas, justificando-a, conforme entendimento:

 

 

Assim, muito embora possa ser afirmado que o assentamento de um instituto de tal envergadura no sistema jurídico brasileiro pudesse acarretar alguma intranqüilidade nas relações sociais, se justifica a pretensão de invalidação de sentença transitada em julgado porque, em certos casos, como já assentou com solidez a doutrina, a natureza do vício de que é portadora a decisão é de tal ordem que, em realidade, representa inconveniente maior do que o de eventual instabilidade do julgado, daí a necessidade de ser higienizada a prestação jurisdicional que foi inadequadamente prestada ao cidadão. (GILBERTO, 2009, p. 34/35).

 

 

Assim, a ação rescisória constitui-se em um verdadeiro instrumento, legalmente previsto, para assegurar a justiça, podendo ser promovida pela parte que figurou no processo, bem como por seu sucessor universal ou singular; Entende-se como sucessor universal aquele que assume, em decorrência da morte, o ativo e o passivo do autor da herança; já o singular é aquele que adquire um bem de herança, seja de forma onerosa ou gratuita, conforme se verifica no entendimento de Arnaldo Esteves Lima e Poul Erik Dyrlund: “Conforme o art. 43/CPC, entende-se por sucessor universal aquele que assume, em decorrência da morte, o ativo e o passivo do autor da herança; em relação à pessoa jurídico o fenômeno também se apresenta, por exemplo, nas hipóteses dos artigos 133 e 134, do CTN”. (2008, p. 53).

Observa-se também que o Ministério Público pode promover tal medida, entretanto só é cabível quando ocorre a falta de intervenção deste órgão na ação originária, ou seja, o Ministério Público pode ajuizar a ação rescisória tanto por não haver intervindo, quando era, legalmente obrigatório, como quando, apesar de sua intervenção, a decisão tipificou uma das hipóteses legais que justifica, em tese, a sua rescisão.



[1] Artigo 485, do Código de Processo Civil.

[2] Artigo 3º, da Constituição Federalde 1988.

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Carlos Roberto De Freitas) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2019. JurisWay - Todos os direitos reservados