JurisWay - Sistema Educacional Online
 
Kit com 30 mil modelos de petições
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Eventos
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

Alienação Parental


Autoria:

Antonia Kalinca Gomes De Oliveira


Acadêmica do Curso de Direito, Faculdade Paraíso do Ceara - FAP.

envie um e-mail para este autor

Texto enviado ao JurisWay em 13/10/2015.

Última edição/atualização em 22/10/2015.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

Alienação Parental

 

Antonia Kalinca Gomes de Oliveira

A alienação Parental, um ato praticado dentro do ceio familiar onde um dos pais induz o filho a criar sentimentos de repudio e rejeição para com o outro é um tema bastante comum e pouco discutido. Do tema geral, alienação parental, decorre de uma separação litigiosa, no qual há disputa por guarda ou visitação dos filhos; à condição acima também é conhecida como síndrome da alienação parental (SAP), este termo foi criado por Richard Gardner, em 1985, em princípio esta definição tinha seu foco como sendo:

Um distúrbio da infância que aparece quase exclusivamente no contexto de disputas de custódia de crianças. Sua manifestação preliminar é a campanha denegritória contra um dos genitores, uma campanha feita pela própria criança e que não tenha nenhuma justificação. Resulta da combinação das instruções de um genitor (o que faz a “lavagem cerebral, programação, doutrinação”) e contribuições da própria criança para caluniar o genitor-alvo. Quando o abuso e/ou a negligência parentais verdadeiros estão presentes, a animosidade da criança pode ser justificada, e assim a explicação de Síndrome de Alienação Parental para a hostilidade da criança não é aplicável”. (GARDNER, 1985, p.2)

 A SAP pode acarretar efeitos para a vítima. Como por exemplo, a exclusão da sociedade, até mesmo por falta de conhecimento de como lidar com essa síndrome. Assim como uma fragilidade psicológica, a vítima altera vários fatores pessoais, ela cria um bloqueio para interagir com os meios, diminuindo o desenvolvimento escolar, as relações familiares.

 Em outras palavras a criança tem prejuízo imanente na formação psicológica de forma efetiva, o rompimento de laços culturais, sociais e políticos, que servem de base para toda vida em sociedade, desestruturação da família.           

Podemos observar que o Código Civil trata deste tema, na norma positivada somente em agosto de 2010 através da Lei n°. 12.318/10, levando em consideração a influência negativa do filho contra o genitor.

O objetivo deste trabalho é o de apresentar a Alienação Parental atualizada em foco jurídico, visando também os princípios da dignidade da pessoa humana, discutindo  os prejuízos no âmbito familiar no qual a criança está inserida mostrando as causas e consequências desta síndrome de modo a apresentar alguns aspectos jurídicos da alienação parental no tocante ao Código Civil  que descreve e defende mais especificadamente no Direito de Família.

A alienação Parental vem motivando muitas discussões na sociedade. Casos em que um dos genitores opta por romper os laços afetivos com seu cônjuge, levando a criança, que neste ato se encaixa na condição vítima a ficar confusa em relação ao pai ou a mãe. Muitos destes atos ocorrem como uma forma de “vingança” ao ex - cônjuge de forma a prejudicar psicologicamente a criança, é a consequência mais severa da relação em que uma das partes não sabendo equilibrar a relação e tendo como objetivo obter a “guarda” da criança acha para fazer a criança ficar a seu favor de uma certa forma de desvincular de um de seus genitores.

Visando proteger as famílias o Código Civil se preocupou com a proteção dos filhos em relação aos genitores de forma coletiva. A proposta lei ordinária é criar instrumentos legais normativos para que o juiz possa tratar desse tipo de situação. A ideia de encabeçar o projeto veio depois que as associações de pais e o próprio instituto brasileiro que lhe apresentou a proposta inicial, isso significa dizer que ela nasceu da real necessidade das pessoas.

O artigo 6° da Lei 12.318/10 institui as providências que o juiz poderá tomar após detectar a alienação parental:

“Art. 6o  Caracterizados atos típicos de alienação parental ou qualquer conduta que dificulte a convivência de criança ou adolescente com genitor, em ação autônoma ou incidental, o juiz poderá, cumulativamente ou não, sem prejuízo da decorrente responsabilidade civil ou criminal e da ampla utilização de instrumentos processuais aptos a inibir ou atenuar seus efeitos, segundo a gravidade do caso: 

I - declarar a ocorrência de alienação parental e advertir o alienador; 

II - ampliar o regime de convivência familiar em favor do genitor alienado; 

III - estipular multa ao alienador; 

IV - determinar acompanhamento psicológico e/ou biopsicossocial; 

V - determinar a alteração da guarda para guarda compartilhada ou sua inversão; 

VI - determinar a fixação cautelar do domicílio da criança ou adolescente; 

VII - declarar a suspensão da autoridade parental. 

Parágrafo único.  Caracterizado mudança abusiva de endereço, inviabilização ou obstrução à convivência familiar, o juiz também poderá inverter a obrigação de levar para ou retirar a criança ou adolescente da residência do genitor, por ocasião das alternâncias dos períodos de convivência familiar.”

O pagamento de multa ao alienador nos dá impressão de compensação pelos danos causados ao filho. O problema é que a lei não se refere a valor, nem à hipótese de sua incidência, nem mesmo a quem esta será revertida.

Por fim, a lei nos indica que a atribuição ou alteração da guarda dar-se-á por preferência ao genitor que viabiliza a efetiva convivência da criança ou adolescente com o outro genitor nas hipóteses em que seja inviável a guarda compartilhada.

A alienação parental tem ganhado destaque nas ciências biológicas e inclusive na ciência do direito; e o que chama mais atenção é que o número de famílias que passam por essa síndrome vem aumentando com o decorrer do tempo, afetando de todos os modos e começando como já citado no âmbito psicológico e se evadindo até o desenvolvimento emocional de crianças, adolescentes e adultos, encontrando-se em um grande campo de batalhas.

Portanto entende-se assim, que o assunto requer um aprofundamento muito maior por parte dos psicólogos, médicos e operadores do direito, a fim de buscar soluções para punir e coibir as práticas e abusos da Alienação Parental, onde crianças, adolescentes e seus pais são peças de um mero jogo sem nenhum ganhador. (PINTO,2011)

O tema abordado traz como fundamento os alicerces sociais que fazem das crianças da sociedade de hoje, a sociedade do amanhã, fazendo com que à Síndrome da Alienação Parental – SAP traz um abalado desenvolvimento emocional e psicossocial, que afeta desde crianças até os adultos envolvidos em tal campo de batalha. Portanto torna-se de vital importância que a Síndrome da Alienação Parental seja combatida, para que crianças detenham os tristes modelos sociais e comportamentos impostos pelos genitores, no qual passam a ser manipuladas. Tal assunto se baseia na sociedade enfocando a saúde mental e emocionalmente desiquilibrada que vem se expandido, e o combate a SAP é uma medida para diminuir consideravelmente esse efeito e melhorar os alicerces educacionais de várias crianças que serão futuros adultos, sendo algo extremamente ligado à sociedade. (SALES,2011)

A alienação parental é uma questão enraizadas é um tema que está enraizado na sociedade atual por causa da própria estrutura que as famílias estão assumindo. Sendo assim o legislador na busca de acompanhar as mudanças sociais, com o intuito de proteger os indivíduos, busca proteger a família e principalmente as a criança em caso de alienação parental, mas cabe ainda aos magistrados definições praticas na avaliação de cada caso.

 

Referências

 

ALVES, Jones Figueiredo. Psicologia aplicada ao Direito de Família. In: Jus Navigandi, Teresina, ano VI, nº. 55, mar. 2002.

Disponível em:< http://jus2.uol.com.br/doutrina/texto.asp?id=2740>.

 

APASE - Associação de Pais e Mães Separados. Síndrome da Alienação Parental e a Tirania do Guardião - Aspectos Psicológicos, Sociais e Jurídicos. Porto Alegre: Equilíbrio, 2007.

 

BARBOSA, Jouber Donizete. Síndrome da Alienação Parental no Paretesco por Afinidade. Instituto Brasileiro de Direito da Família IV. Congresso Paulista de Direito da Família, 2010. Disponível em: <http://www.ibdfamsp.com.br/resenhas/jouber.pdf>.

 

PINTO, Marco Antônio Garcia. Nova Lei 12.318/10 – Alienação Parental, 2009.

Disponível em: <http://www.jurisway.org.br/v2/dhall.asp?id dr=3329>.

 

 

 

 

 

 

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Antonia Kalinca Gomes De Oliveira) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2022. JurisWay - Todos os direitos reservados