JurisWay - Sistema Educacional Online
 
Kit com 30 mil modelos de petições
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Eventos
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

Proteção da mulher vítima de violência doméstica no NCPC/2015


Autoria:

Carlos Eduardo Rios Do Amaral


MEMBRO DA DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

envie um e-mail para este autor

Resumo:

Proteção da mulher vítima de violência doméstica no NCPC/2015

Texto enviado ao JurisWay em 30/03/2015.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

Proteção da mulher vítima de violência doméstica no NCPC/2015

 

Por Carlos Eduardo Rios do Amaral

 

Eliminando o apartado processo cautelar e abandonando o rol expresso de medidas cautelares nominadas o Novo Código de Processo Civil, que acaba de ser sancionado, criando o instituto da Tutela de Urgência, traz oportuna e fecunda iniciativa legal para o combate à violência doméstica e familiar praticada contra a mulher.

 

Aqui, abro um parêntese. A arrastada batalha jurídica travada pela mulher vítima de violência doméstica não termina nos Juizados de Violência Doméstica ou Varas Criminais especializadas. É unicamente nas Varas de Família que a vítima consegue promover a recomposição cível pelo ato ilícito sofrido e o acertamento final da dissolução de sua malfadada união com seu agressor, a divisão do patrimônio comum, resolver a questão da guarda, visitação e cobrança da pensão alimentícia dos filhos menores.

 

Como não poderia deixar de ser, o NCPC/2015 mune o Juiz de valiosa e imprescindível ferramenta legal para o enfrentamento e combate da violência doméstica e familiar, qual seja, a sua própria criatividade e experiência judicantes. Senão, vejamos:

 

“Art. 297. O juiz poderá determinar as medidas que considerar adequadas para efetivação da tutela provisória.

 

(...)

 

Art. 301. A tutela de urgência de natureza cautelar pode ser efetivada mediante arresto, sequestro, arrolamento de bens, registro de protesto contra alienação de bem e qualquer outra medida idônea para asseguração do direito” [destaquei].

 

Como se vê, desde que “motivando seu convencimento de modo claro e preciso” (Art. 298, do NCPC/2015), o Juiz de Direito da Vara de Família tudo poderá - e deverá! - fazer para preservação da vida e saúde da mulher vítima de violência e de sua prole, evitando, assim, nova investida de seu agressor que sabidamente poderá culminar no seu assassinato (probabilidade do direito e perigo de dano).

 

O extenso rol de medidas protetivas de urgência da Lei Maria da Penha poderá muito bem iluminar e guiar a criatividade dos Juízes nas Varas de Família. Não se trata de sugerir o uso da analogia ou de interpretação sistemática. O NCPC/2015, insista-se, não traz lacuna alguma quanto ao instituto da Tutela de Urgência! Repito, novamente: o NCPC/2015 autoriza e determina que o Juiz do cível (não-criminal) conceda toda e qualquer tutela de urgência de natureza cautelar inominada para a asseguração do direito da mulher (direito à vida/incolumidade).

 

Mais abrangente e eloquente que isso, só se o NCPC/2015 fosse aditado para dizer que Juiz é Deus! Toda a rede organizada de proteção da mulher vítima de violência doméstica e familiar espera que os Juízes das Varas de Família usem de toda a sua criatividade, genialidade e autoridade conferidas pelo NCPC/2015 para se somarem à essa luta diária no enfrentamento dessa grave violação dos direitos humanos.

 

______________________  

 

 

Carlos Eduardo Rios do Amaral é Defensor Público do Estado do Espírito Santo     

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Carlos Eduardo Rios Do Amaral) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2022. JurisWay - Todos os direitos reservados