JurisWay - Sistema Educacional Online
 
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Fale Conosco
 
Email
Senha
powered by
Google  
 
 Defesa do Consumidor

Últimos artigos

Um bom acordo é quando tudo se encaixa
23/07/2014

Adiantamento do 13º salário: ajuda financeira que pode ser bem-vinda
23/07/2014

Norma da ABNT em vigor há um ano restringe reformas em imóveis novos
23/07/2014

Inscrições para o Sisutec começam a partir desta segunda-feira
21/07/2014

Saiba fazer a transferência de dívida de carro ou imóvel para outra pessoa
21/07/2014

ingressos na Copa foram maior reclamação no Procon estadual
21/07/2014

Estudar no exterior já é realidade da classe C
21/07/2014

Além do 'efeito Copa': produtos e serviços no Rio subiram até 143% entre os Mundiais de 2010 e 2014
21/07/2014

Norma da ABNT em vigor há um ano restringe reformas em imóveis novos
21/07/2014

Caixas eletrônicos serão substituídos por banco 24 horas
21/07/2014

Mais artigos...

 

A evolução da gestão para a sustentabilidade

Texto enviado ao JurisWay em 18/07/2014.

indique está página a um amigo Indique aos amigos

A evolução da gestão para a sustentabilidade
17/7/2014
imagem transparente

Quando falamos em medir a sustentabilidade, algumas perguntas que vêm à mente dos executivos são: o que queremos medir exatamente? Com que “régua” ou metodologia devemos medir e avaliar a sustentabilidade? Como extrair valor desta informação? Para maior parte dos gestores, o ideal é que um estudo para medir e avaliar aspectos de sustentabilidade possa ajudá-los a aumentar as vendas, melhorar as margens de lucro ou, na pior hipótese, mitigar riscos e evitar perda de mercado por não disponibilizar para seus clientes as informações sobre os impactos ambientais de seus produtos. Neste sentido, os estudos mais realizados para ajudar as empresas a reduzirem seus impactos ambientais são as pegadas de carbono, hídrica e a energética.

As ferramentas cujas metodologias são baseadas na Análise do Ciclo de Vida (ACV), proporcionam informações mais completas, pois é uma técnica que permite a quantificação dos impactos ambientais de um produto, sistema, ou processo durante todo o ciclo de "vida", ou seja, desde o início (por exemplo, da extração das matérias-primas) até o final da vida (quando o produto deixa de ter uso e é descartado como resíduo ou é reciclado), passando por todas as etapas intermediárias (manufatura, transporte e uso). Por essa razão, esta avaliação é também chamada de "análise do berço ao túmulo" ou do “berço ao berço”.

De acordo com a Associação Brasileira de Análise de Ciclo de Vida (ABCV), o número de especialistas em ACV no Brasil ainda é insuficiente para atender a crescente demanda por estudos. Segundo especialistas, como a doutora Kelly Alonso Costa (Universidade Federal Fluminense), em sua tese “A utilização da Avaliação do Ciclo de Vida no processo de tomada de decisão em sustentabilidade na indústria da construção no subsetor de edificações”, “os trabalhos acadêmicos brasileiros contemplam diversos segmentos, tais como: químico, petroquímico, construção civil, energético, automobilístico, agrícola, metalúrgico e eletrônico.

Por outro lado, os dados exatos sobre a realização de estudos no Brasil sobre ACV são incertos, mas segundo a especialista, nos últimos anos 10 anos foi possível encontrar, em banco de dados nacionais e internacionais, cerca de 280 trabalhos entre dissertações, teses e artigos científicos publicados sobre o tema ACV. Com a criação de entidades e publicação das normas, observa-se uma maior produção nos últimos anos e trabalhos para a consolidação do banco de dados brasileiro.

Cabe então às empresas entenderem - e algumas já têm feito isso como divulgado no Guia Exame de Sustentabilidade 2013 - que o tema ecoeficiência é cada vez mais estratégico para as organizações. Além disso, pode ser mais interessante realizar estudos que ofereçam informações além das emissões de gases de efeito estufa ou apenas da pegada hídrica, pois possibilitam a melhoria de qualidade da gestão e a eficiência operacional. Ferramentas que avaliam, simultaneamente, os impactos ambientais, sociais e econômicos são mais avançadas e completas, pois podem analisar mais de uma dezena de categorias, mais de 50 indicadores diferentes e mais de uma centena de fatores de avaliação.

Aspectos como direitos humanos, consumo de energia, uso do solo, dentre outros fatores, são essenciais para uma análise mais consistente. Os critérios científicos estão passando por constante evolução e o maior desafio para os especialistas em avaliação de sustentabilidade tem sido melhorar a qualidade dos bancos de dados locais. Entramos na era da gestão sustentável compartilhada, por isso a necessidade de se pensar e planejar a sustentabilidade sob a perspectiva de toda cadeia de valor. - Reprodução de conteúdo livre desde que sejam publicados os créditos do Instituto Akatu e site www.akatu.org.br. Saiba mais em www.akatu.org.br/DireitosAutorais



Fonte: Akatu
Importante:
1 - Todos os artigos podem ser citados na íntegra ou parcialmente, desde que seja citada a fonte, no caso o site www.jurisway.org.br.

indique está página a um amigo Indique aos amigos

 
Copyright (c) 2006-2021. JurisWay - Todos os direitos reservados